Maremoto

Por conta das condições geológicas, algumas áreas do globo são mais propensas para a ocorrência desse fenômeno natural

Os maremotos são fenômenos natural ocasionado por uma agitação sísmica no mar, e que causam grandes danos quando atingem áreas onde existem populações. Os maremotos são fenômenos semelhantes aos terremotos, no entanto, estes últimos ocorrem nas áreas continentais, enquanto os últimos ocorrem no mar. Os maremotos são comumente referidos como tsunamis, e possuem uma significativa quantidade de ocorrências no mundo.

O que são maremotos?

Os maremotos são fenômenos da natureza caracterizados por grandes movimentações nas massas de água do planeta, geralmente ocasionados por terremotos que atingem o fundo oceânico.

O conceito de tsunami advém do Japão, que é uma das áreas mais afetadas por esse tipo de evento, e significa em inglês “harbor wave”, sendo que no Brasil o conceito mais utilizado para definir o fenômeno em questão é o de maremoto. Os maremotos são, portanto, ondas de proporções gigantescas, as quais são ocasionadas por um deslocamento vertical de uma coluna de água pelo oceano.

Variados são os motivos que ocasionam um maremoto, como deslizamentos de terras de grandes proporções, erupções vulcânicas, explosões intensas, impactos de corpos celestes, como meteoritos e também os próprios terremotos.

Os tsunamis, ou maremotos, são, portanto, caracterizados por ondas longas

Os maremotos são ocasionados por terremotos que atingem o fundo oceânico (Foto: depositphotos)

As águas dos oceanos estão em constante dinâmica, formando ondas constantemente, as quais podem ser intensificadas por fenômenos que afetem a constância do movimento destas águas. No entanto, existem alguns elementos que diferenciam uma onda normal no oceano dos tsunamis, sendo o principal elemento de diferenciação os períodos das oscilações das águas.

As ondas normais ocorrem de forma muito breve, não alcançando dimensões tão expressivas, enquanto as ondas dos tsunamis podem oscilar em minutos ou até mesmo meia hora e, justamente por isso, pela força acumulada, é que se tornam tão violentas. Os tsunamis são, portanto, caracterizados por ondas longas.

No caso dos maremotos, quanto maior for a distância entre o ponto de origem deste (epicentro) e o local de impacto, menor será a intensidade sentida em relação ao espalhamento e dissipação do fenômeno. Assim, quanto mais próximo ocorrer o abalo de uma dada localidade, maior será a intensidade do fenômeno registrado.

Maremotos no Círculo de Fogo do Pacífico

Os tsunamis são fenômenos naturais, portanto, sempre existiram na história do planeta Terra. Algumas áreas do globo são mais propensas para ocorrência de fenômenos naturais como maremotos, por conta das condições geológicas destas áreas.

Uma das regiões de maios risco para eventos como terremotos e tsunamis é a zona do Círculo de Fogo do Pacífico, também conhecida como “Anel de Fogo do Pacífico”, a qual é uma área com formato geomorfológico de ferradura e que se encontra na bacia do Pacífico.

O Círculo de Fogo do Pacífico é considerado como a área de maior risco de abalos sísmicos do mundo, e abrange territórios da costa do continente americano, e ainda o Japão, as Filipinas, a Indonésia, bem como a Nova Zelândia e as ilhas do Pacífico Sul.

 Algumas áreas do globo são mais propensas para ocorrência de fenômenos naturais

Círculo de Fogo do Pacífico (Foto: Reprodução)

Placas tectônicas geram abalos sísmicos

Os abalos sísmicos ocorrem nesta região por conta das instabilidades decorrentes da presença dos limites de várias placas tectônicas naquele ambiente, as quais interagem entre si, ocasionando choques, deslizamentos, submersões, soerguimentos, etc.

Os movimentos convergentes e divergentes das placas tectônicas acabam por criar abalos sísmicos, os quais, por sua vez, geram uma desestabilização na constância das ondas do mar, ocasionando os fenômenos denominados de maremotos ou tsunamis.

Ao Norte do Oceano Pacífico, em uma área que se estende do Japão até o Alasca, há uma elevada incidência de fenômenos como maremotos, bem como uma intensificação das atividades vulcânicas, constituindo uma faixa de risco onde tsunamis são comumente registrados.           

Alguns dos maiores tsunamis da história      

Existem vários registros de maremotos na história, sendo que muitos deles nem são registrados, porque não afetam efetivamente nenhuma localidade habitada. Alguns ocasionaram danos de grandes proporções, outros tantos apenas alagamentos sem vitimar diretamente às populações. São alguns dos principais maremotos, ou tsunamis, registrados na história:

  • Lisboa em 1755, quando um maremoto que ocorreu após a incidência de um terremoto atingiu uma grande parte da população, deixando cerca de 15 mil pessoas mortas.
  • Indonésia em 1883, quando a erupção do vulcão Krakatoa ocasionou um maremoto de grandes proporções, o qual foi sentido, inclusive, no Panamá. Na ocasião, cerca de 30 mil pessoas foram mortas.
  • Tsunami em 1946, quando um terremoto nas Ilhas Aleutas (Alasca) ocasionou problemas em algumas partes da região. Um tsunami de enormes proporções foi gerado, alcançando o Havaí, deixando cerca de 160 pessoas mortas. E ainda, foram registrados mortos no Alasca, em menores quantidades.
  • Terremoto em 1964, quando um abalo sísmico no Alasca acabou por ocasionar uma onda com vários quilômetros de extensão, a qual chegou ao litoral da Califórnia, deixando mais de 120 pessoas mortas.
  • Japão em 1983, quando um terremoto que chegou aos 7.7 graus na Escala Richter, afetou a ilha através de um maremoto, deixando mais de 100 pessoas mortas.
Saiba mais: Escala Richter
  • Um dos mais expressivos eventos ocorreu no ano de 2004, no Oceano Índico, quando no Natal do referido ano houve a formação de ondas gigantescas no Oceano Pacífico, por conta de um terremoto que havia ocorrido na Ilha de Sumatra, na Indonésia. O ocorrido ocupou os noticiários durante dias, por conta das proporções e danos ocasionados. O tremor na Indonésia gerou, após algumas horas, um tsunami que chegou a costa Leste da África, se estendendo para o Sul e Sudeste da Ásia. O fenômeno natural ocasionou a morte de mais de 230 mil pessoas.
  • Outro evento de relevância ocorreu em 2011, quando a região Nordeste do Japão foi atingida por um expressivo terremoto que atingiu uma magnitude 8.9 na Escala Richter, e que foi seguido por intensas ondas de um tsunami. Na ocasião, as estruturas da Central Nuclear de Fukushima I foram abaladas. O maior dano foi registrado pelas várias explosões e o consequente vazamento de material radioativo na região.
Terremoto de magnitude 8.9 na Escala Richter, foi seguido por intensas ondas

Tsunami na região de Minamisanriku, no Japão em 2011 (Foto: Reprodução/YouTube)

 

Referências

» DONOSO, José Pedro. Universidade de São Paulo. Tsunamis. Disponível em: <http://www.gradadm.ifsc.usp.br/dados/20122/FFI0210-1/Tsunami.pdf>. Acesso em 04 ago. 2017.

» PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação – SEED. Dia a Dia Educação. Tsunamis. Disponível em: < http://www.geografia.seed.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=281>. Acesso em 05 ago. 2017.

» SILVEIRA, Fernando Lang da; VARRIALE, Maria Cristina. Propagação das ondas marítimas e dos tsunamis. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 22, N. 2: P. 190-215, 2005. Disponível em: < https://www.if.ufrgs.br/~lang/Textos/Ondas_tsunami.pdf>. Acesso em 04 ago. 2017.

Sobre o autor

Avatar
Mestre em Geografia e Graduada em Geografia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Especialista em Neuropedagogia pela Faculdade Alfa de Umuarama (FAU) e em Educação Profissional e Tecnológica (São Braz).