Qual o menor osso do corpo humano? [Descubra!]

Já parou para pensar sobre qual é o menor osso do corpo humano? O nosso corpo é formado por vários ossos e a esse conjunto de ossos chamamos de sistema esquelético. É verdade que o número de ossos varia, principalmente ao compararmos um adulto com uma criança.

Um adulto possui 206 ossos e uma criança, em torno de 300. Isso ocorre pois com o passar do tempo os ossos da cabeça do bebê se fundem, formando uma única estrutura.

Os ossos do corpo humano são de vários tamanhos e formatos, atuando na sustentação corporal, locomoção, proteção de órgãos importantes como coração, encéfalo e pulmão, armazenamento de minerais e íons e síntese de células sanguíneas.

Os ossos são irrigados por vasos sanguíneos e apresentam, além do tecido ósseo, tecido reticular, adiposo, cartilaginoso e nervoso. O esqueleto humano é dividido em duas categorias: esqueleto axial e esqueleto apendicular.

O axial corresponde ao eixo corporal, ou seja, engloba o crânio, a caixa torácica e a coluna vertebral. Já o apendicular é formado pelos ossos dos membros superiores e inferiores do nosso corpo. Descubra agora qual a menor estrutura óssea do nosso corpo!

Estribo: menor osso do corpo humano

O menor osso do corpo humano é o estribo. Ele é tão pequeno que mede cerca de 2,5 a 3 milímetros de comprimento. Ele está localizado dentro do nosso ouvido, na orelha média e é o osso mais difícil de ser visto, sendo considerado um ossículo.

O estribo juntamente com outros dois ossos, o martelo e a bigorna, são responsáveis pela audição humana. Ele recebeu esse nome devido a semelhança com o estribo usado para colocar os pés ao montar a cavalo.

E qual o maior osso que temos?

O maior osso do corpo humano é o fêmur, sendo grande em comprimento e em diâmetro também. Está localizado na coxa, ligando o quadril (por intermédio do osso ilíaco) ao joelho (através da patela e tíbia).

Pode chegar a medir quase 51 centímetros de comprimento e é o osso mais resistente e pesado do nosso corpo.

De que são formados os ossos?

Os ossos possuem uma matriz interna que é formada por aproximadamente 50% de material inorgânico e 50% de orgânico. Dentre os materiais inorgânicos, o mais abundante é o fosfato de cálcio e dentre os orgânicos, 95% correspondem as fibras colágenas.

As células ósseas são: osteoblastos, osteócitos e osteoclastos.

Osteoblastos, osteócitos e osteoclastos

São células jovens, com muitos prolongamentos e que possuem intensa atividade metabólica. São responsáveis pela produção da parte orgânica da matriz, parecendo exercer influência na incorporação de minerais.

Durante a formação dos ossos, à medida que ocorre a mineralização da matriz, os osteoblastos acabam ficando em lacunas, diminuem a atividade metabólica e passam a se chamar osteócitos.

Nos espaços ocupados pelos prolongamentos dos osteoblastos, formam-se canalículos, que permitem a comunicação entre os osteócitos e os vasos sanguíneos que os alimentam. Os osteócitos atuam na manutenção dos constituintes da matriz.

Os osteoclastos estão relacionados com a reabsorção da matriz óssea, pois liberam enzimas que digerem a parte orgânica propiciando a volta dos minerais para a corrente sanguínea. Eles também estão relacionados com processos de regeneração e remodelação do tecido ósseo.

Os osteoclastos apresentam grande mobilidade e muitos núcleos. Originam-se de monócitos do sangue que se fundem após atravessarem as paredes dos capilares. Assim, cada osteoclasto é resultante da fusão de vários monócitos.

Os ossos podem ser remodelados?

Apesar dos ossos serem duros e resistentes, eles podem ter suas estruturas internas remodeladas em resposta às modificações das forças que estejam sendo submetidos. Um exemplo bem comum é a técnica de remodelação dos ossos da arcada dentária, através do uso de aparelhos ortodônticos.

Os aparelhos exercem forças diferentes daquelas a que os dentes estão naturalmente submetidos. Nos pontos em que há pressão ocorre reabsorção óssea, enquanto no lado oposto há deposição de matriz. Assim, os dentes movem-se pelos ossos da arcada dentária e passam a ocupar a posição desejada.

Nutrientes importantes para os ossos

Na infância e na adolescência, quando os ossos estão crescendo juntamente com todo o corpo, além dos hormônios do crescimento e dos sexuais, há outro fator importante para a formação e estruturação dos ossos: a ingestão de alimentos ricos em cálcio, fósforo, vitaminas D, A e C e proteínas.

O cálcio e o fósforo fazem parte da matriz óssea. A vitamina D (calciferol) promove principalmente a absorção intestinal de cálcio. Por isso, a falta dessa vitamina e cálcio na infância pode causar o raquitismo, doença em que a matriz óssea não se calcifica normalmente.

Alimentos ricos em cálcio

Alimentos ricos em cálcio são importantes para os ossos (Foto: depositphotos)

Em consequência, os ossos crescem pouco e não suportam pressões exercidas sobre eles por ação do peso e da musculatura associada, deformando-se.

A vitamina D está presente em maior quantidade em certos alimentos, como óleo de fígado de bacalhau. A pele humana possui uma substância precursora dessa vitamina, que, sob ação dos raios UVB, transforma-se em vitamina D.

Como ocorre a reparação de fraturas?

Os ossos, por serem estruturas inervadas e irrigadas por vasos sanguíneos, apresentam alto metabolismo e capacidade de regeneração. Quando ocorre uma fratura, sempre há rompimento de vasos sanguíneos do osso.

A matriz óssea é destruída e há morte de células no local. Os macrófagos entram em ação e removem os restos celulares e os da matriz danificada. A seguir, ocorre intensa proliferação de células, que formam uma espécie de anel ao redor da fratura, preenchendo o espaço entre as extremidades quebradas do osso.

Esse quadro evolui para a formação de tecido ósseo primário, tanto pela ossificação de pequenos fragmentos de cartilagem hialina que se formam no local, quanto pela ossificação do anel.

Inicialmente, esse tecido primário é desordenado, formando um calo ósseo que une as extremidades quebradas do osso. Com o retorno às atividades normais, as pressões e trações diárias atuam remodelando o calo ósseo. Assim, reconstitui-se a estrutura que o osso possuía antes da fratura.

Os ossos e a medula óssea

No interior dos ossos está a medula óssea, que pode ser de dois tipos: vermelha ou amarela. A vermelha é responsável pela formação de células do sangue, já a amarela é formada por tecido adiposo e não produz células sanguíneas.

No recém-nascido, toda medula óssea é vermelha. Quando adulto, a medula vermelha fica restrita ao esterno, às vértebras, às costelas, aos ossos do crânio e às epífises do fêmur e úmero. Com o passar dos anos, a medula óssea vermelha presente no fêmur e no úmero se transformam-se em amarela.

Referências

SPADA, Adriano Luiz. “O ouvido humano“. Attack do Brasil. Disponível em: http://www. attack. com. br/artigos_tecnicos/ouvido_humano. pdf. Acesso em 17 de outubro de 2018.

GENTIL, Fernanda et al. “Estudo do efeito do atrito no contacto entre os ossículos do ouvido médico“. Revista internacional de métodos numéricos para cálculo y diseño en ingeniería, v. 23, n. 2, p. 177-187, 2007.

Sobre o autor

Avatar
Natália Duque é Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro.