,

Muro de Berlim

Essa construção foi um dos maiores simbolismos da Guerra Fria

Você conhece a história por trás do Muro de Berlim? Entenda em que contexto ele foi erguido e o que representava. Boa leitura!

Houve um momento da história do mundo chamado de “Guerra Fria”, também conhecido como “mundo bipolar”, quando duas grandes potências disputavam o poder mundial: Estados Unidos e a antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). A Guerra Fria foi um momento em que houve uma divisão no mundo, entre aqueles países que se identificavam com cada uma das potências.

Na Guerra Fria, diferente de outros conflitos mundiais, não houve o uso de armas diretamente, porque as disputas se pautavam mais no campo da ideologia. Os Estados Unidos representavam as ideias capitalistas e a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas representavam o socialismo. Estes dois sistemas influenciavam na economia dos países, mas também afetavam o modo de vida das pessoas, por isso, foram bastante discutidos, causando sentimentos de admiração e também de rejeição.

A Guerra Fria teve como base a disputa tecnológica, a corrida armamentista, a corrida espacial, a espionagem, a busca por países e grupos aliados, os conflitos regionalizados e as difamações. Foi um momento em que a divisão territorial do mundo foi alterada, em que os sistemas econômicos e sociais foram discutidos e em que houve muita divergência e até separação física entre os países, como é o caso da Alemanha. A Guerra Fria se estendeu desde os anos de 1945 (quando acaba a Segunda Guerra Mundial) até 1989.

Bandeira do EUA e URSS

O Muro de Berlim é uma das maiores representações da Guerra Fria (Foto: depositphotos)

Alemanha Ocidental e Alemanha Oriental

O território da Alemanha passou por uma profunda divisão durante o período da Guerra Fria, tanto física, quanto ideológica. A Alemanha perdeu a Segunda Guerra Mundial, e houve uma divisão dentro do país entre dois blocos político-econômicos antagônicos, o socialismo e o capitalismo.

A porção Oriental da Alemanha ficou sob a égide do socialismo, a porção Ocidental da Alemanha ficou sob a égide do capitalismo. Durante anos foi assim, havendo não apenas uma divisão entre o pensamento e a economia, mas também uma divisão física entre as pessoas.

Alguns autores dizem que não houve uma verdadeira divisão da Alemanha, mas apenas um isolamento da parte alemã que tinha o socialismo como base, criando uma espécie de ilha fechada dentro do território. A parte capitalista da Alemanha ficou conhecida como República Federal da Alemanha ou Alemanha Ocidental, também referida pela sigla RFA.

A outra parte do território da Alemanha era a Alemanha Oriental ou Alemanha Socialista, oficialmente República Democrática Alemã, conhecida também pela sigla RDA. A divisão física entre estas duas porções da Alemanha aconteceu com a construção de um grande muro na parte Oriental.

A construção do Muro de Berlim

Havendo muita divergência dentro da Alemanha com o término da Segunda Guerra Mundial, especialmente em relação a qual projeto defender no contexto da Guerra Fria, se aquele encabeçado pelos Estados Unidos (capitalista) ou pela União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (socialista), a Alemanha é dividida através da construção de um muro. Na verdade, a divisão já existia e estava no campo das ideias, mas o muro foi a concretização física desta divisão.

O grandioso muro começou a ser construído no dia 13 de agosto de 1961. Na ocasião, um grupo de soldados começou a realizar o isolamento da Berlim Ocidental dentro do território da Alemanha Oriental, usando para isso materiais como arame farpado e concreto. Tudo ocorreu de forma muito rápida, e logo as pessoas ficaram sabendo que não haveriam mais trens entre a Berlim Ocidental e Berlim Oriental.

O muro tinha cerca de 66 quilômetros de gradeamento metálico, além de mais de 300 torres de observação, ainda, 127 redes metálicas eletrificadas e com alarme e 255 pistas de corrida para cães de guarda, os quais auxiliavam na realização da segurança. Todas estas medidas tinham como base evitar que as pessoas pudessem ultrapassar as barreiras impostas pela construção do muro.

Muitas pessoas tentaram sair de dentro do isolamento causado pela construção do muro na porção Oriental da Alemanha, especialmente pelas condições que se apresentavam, bem como porque foram separados de seus amigos e familiares. Mas muitas destas acabaram sendo mortas. Não existem dados oficiais de quantas pessoas teriam sido mortas na travessia, mas sabe-se que foram centenas.           

A queda do Muro de Berlim

Após décadas da construção do muro, e muitas manifestações das pessoas que desejavam poder viajar e ultrapassar os limites do muro, bem como com o evidente esgotamento e fragilização da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, o Muro de Berlim começa a ser destruído em 1989, após 28 anos de sua construção.

O dia em que começou a destruição do muro foi dia 09 de novembro de 1989, quando finalmente as pessoas da Alemanha Oriental e da Alemanha Oriental puderam se encontrar e festejar juntas uma reaproximação. Foi, portanto, a pressão popular naquele contexto que fez com que a fronteira fosse aberta, o que foi transmitido pelos televisores, causando grande comoção no mundo.

Queda do Muro de Berlim

O Muro de Berlim começou a ser destruído em novembro de 1989 (Foto: Reprodução | Amazonaws)

No ano de 1990 há o processo de reunificação da Alemanha, pela aproximação da Alemanha Ocidental e da República Democrática Alemã. Esse processo marcou o fim do momento histórico que ficou conhecido como “Cortina de Ferro”, instaurando também o começo do fim da União Soviética, que ocorre em 1991. 

Conclusão

O Muro de Berlim foi uma construção criada no ano de 1961, e que separava a Alemanha Oriental da Alemanha Ocidental. Naquele momento, o mundo estava dividido pela Guerra Fria, quando disputas ideológicas e por poder estavam em ascensão. A parte Ocidental da Alemanha estava sob a égide do capitalismo, cujas ideias eram representadas pelos Estados Unidos.

A parte Oriental da Alemanha estava sob a égide do socialismo, cujas ideias eram representadas pela União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. Com a saturação das disputas, a evidente fragilização da URSS, bem como as pressões populares, em 1989 o Muro de Berlim começa a ser derrubado. Com isso, as pessoas que antes estavam fisicamente separadas, podiam reencontrar-se. Em 1990 há o processo de reunificação da Alemanha, e o fim da URSS em 1991. 

Referências

» VESENTINI, José William. Geografia: o mundo em transição. São Paulo: Ática, 2011.

» VIEIRA, Neide de Paiva. Guerra Fria: desafios, confrontos e Historiografia. Caderno Pedagógico. SEED-PR. Maringá, 2008. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/2341-6.pdf. Acesso em 14 out. 2018.

Sobre o autor

Avatar
Mestre em Geografia e Graduada em Geografia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Especialista em Neuropedagogia pela Faculdade Alfa de Umuarama (FAU) e em Educação Profissional e Tecnológica (São Braz).