,

Neurônios: o que são, tipos e suas funções

Nesse texto você vai encontrar informações sobre os neurônios, o que são, quais os tipos que existem e quais suas funções no corpo humano.Veja isso e muito mais a seguir!

Os neurônios são células especializadas do sistema nervoso. Entre os animais, uma das funções mais importantes do sistema nervoso é a associação entre os estímulos percebidos por estruturas sensoriais e as respostas corporais compatíveis com eles. Sendo assim, todo arranjo estrutural do sistema nervoso relaciona-se com a organização geral do corpo. Nos vertebrados, o sistema nervoso é mais elaborado, com encéfalo, cujo desenvolvimento varia nos diferentes grupos, apresentando vários tipos de neurônios e nervos.

Para entendermos um pouco a respeito dos neurônios é preciso compreender como o sistema nervoso está dividido. O sistema nervoso é dividido anatomicamente em sistema nervoso central (SNC), formado pelo encéfalo e pela medula espinhal e pelo sistema nervoso periférico (SNP), formado pelos nervos cranianos e espinais (raquidianos) e por pequenos agregados de células nervosas denominados gânglios nervosos.

No tecido nervoso praticamente não existe substância intercelular. Os principais componentes ou tipos celulares são os neurônios e as células da glia.

Qual a função dos neurônios?

As células da glia ou neuróglia são um conjunto de tipos celulares relacionados com a sustentação e a nutrição dos neurônios, com a produção de mielina e com a fagocitose. Os neurônios, ou células nervosas, têm a função de receber e transmitir estímulos nervosos, permitindo ao organismo responder a alterações do meio. Neurônios são células formadas por um corpo celular ou pericário, de onde partem dois tipos de prolongamentos: os dendritos e o axônio.

Estrutura dos neurônios

Basicamente o neurônio é formado pelos dendritos, corpo celular, axônio e ramificações terminais. O corpo celular é a região que armazena as organelas e núcleo celular. Os dendritos são prolongamentos ramificados da célula e especializados em receber estímulos, que também podem ser recebidos pelo corpo celular. O impulso nervoso é sempre transmitido no sentido dendrito – corpo celular – axônio.

Neurônios

O sistema nervoso é dividido em Nervoso Central (SNC) e Nervoso Periférico (SNP) (Foto: depositphotos)

O axônio é uma expansão celular longa e de diâmetro constante, com ramificações em sua porção final. É uma estrutura especializada na transmissão de impulsos nervosos para outros neurônios ou para outros tipos celulares, como as células musculares e glandulares.

Todos os axônios das células nervosas apresentam-se envoltos por dobras únicas ou múltiplas de células especiais da glia chamadas oligodendrócitos ou de células de Schwann, um tipo especial de oligodendrócito. O conjunto formado pelo axônio e pelo envoltório é denominado fibra nervosa ou neurofibra. Os axônios envoltos por uma única dobra recebem o nome de fibras nervosas amielínicas.

Nessas fibras, as células envoltórias unem-se formando uma estrutura contínua, sem interrupções. Quando a célula envoltória apresenta várias dobras enroladas em espiral ao redor do axônio, fala-se em fibras nervosas mielínicas. A bainha formada pelo conjunto das dobras envoltórias é denominada estrato mielínico (bainha de mielina).

O estrato mielínico não é contínuo, sendo interrompido pelos nós neurofibrosos ou nódulos de Ranvier. Ao final do axônio existe uma ramificação (ramificação terminal) por onde são liberados os neurotransmissores, como a adrenalina e a acetilcolina, por exemplo. Os nervos são conjuntos de fibras nervosas organizadas em feixes, unidos pelo tecido conjuntivo denso.

Veja também: Cérebro

Tipos de neurônios

Os neurônios podem ser classificados de acordo com sua função ou forma. Quanto a forma, eles podem ser de quatro tipos: neurônios multipolares, neurônios bipolares, neurônios pseudounipolares ou neurônios unipolares.

1– Neurônios multipolares: são a maioria dos neurônios existentes em nosso corpo, apresentando mais de dois prolongamentos celulares. Esses neurônios são encontrados no sistema nervoso central.
2- Neurônios bipolares: apresentam somente um dendrito e um axônio. Estão presentes nas estruturas sensoriais, como na mucosa olfatória e na retina.
3- Neurônios pseudounipolares: do corpo celular parte uma ramificação que posteriormente se dividirá em duas. Uma desempenhará o papel do dendrito e a outra, do axônio. São encontrados em diversas áreas sensitivas da medula espinhal, tendo a função de transmitir diversos impulsos nervosos, como por exemplo, sensações de frio, calor, tato, entre outros.
4- Neurônios unipolares: apresentam um único axônio. São as células nervosas mais simples, estão presentes nos órgãos dos sentidos.

Quanto a função os neurônios podem ser de três tipos distintos: sensitivos ou aferentes, motores ou eferentes e interneurônios.

1- Sensitivos ou aferentes: são aqueles que recebem os estímulos de todas as partes do corpo. São encontrados normalmente no tecido epitelial.
2- Motores ou eferentes: são aqueles que levam o impulso nervoso para as glândulas, músculos lisos e estriados. São encontrados nos músculos e glândulas.
3- Interneurônios: são encontrados no SNC, responsáveis por conectar um neurônio à outro. São neurônios que interligam os neurônios aferentes aos neurônios eferentes.

Impulso nervoso

A membrana de um neurônio em repouso apresenta-se com carga elétrica positiva do lado externo (voltado para fora da célula) e negativa do lado interno (em contato com o citoplasma da célula). Nessa situação, diz-se que a membrana está polarizada.

Essa diferença de cargas elétricas é mantida por um mecanismo de transporte ativo através da membrana plasmática chamado de bomba de sódio e potássio, que faz o transporte de íons sódio e de íons potássio para dentro e para fora da célula contra seus gradientes de concentração.

Quando um estímulo químico, mecânico ou elétrico chega ao neurônio, pode ocorrer alteração da permeabilidade da membrana celular, permitindo uma inversão das cargas ao redor dessa membrana, que fica despolarizada. Essa despolarização propaga-se pelo neurônio caracterizando o impulso nervoso, que ocorre sempre no sentido dendrito – axônio. Imediatamente após a passagem do impulso, a membrana sofre repolarização, recuperando seu estado de repouso e a transmissão do impulso cessa.

Veja também: Conheça todos os órgãos vitais do corpo humano

Sinapse

A transmissão do impulso nervoso de um neurônio a outro ou às células de órgãos efetores é realizada por meio de uma região de ligação especializada denominada sinapse. O tipo mais comum de sinapse é a química, em que as membranas das duas células ficam separadas por um espaço chamado fenda sináptica.

Bailarina fazendo movimentos

Os neurônios coordenam o sistema motor responsável pelos movimentos do corpo (Foto: depositphotos)

Na porção terminal do axônio o impulso nervoso proporciona a liberação de vesículas contendo mediadores químicos, chamados neurotransmissores. Os mais comuns são acetilcolina e adrenalina. Esses neurotransmissores caem na fenda sináptica e dão origem ao impulso nervoso na célula seguinte. Logo a seguir, os neurotransmissores que estão na fenda sináptica são degradados por enzimas específicas, cessando seus efeitos.

Substância branca e cinzenta

No sistema nervoso verifica-se que os neurônios dispõem-se de forma diferenciada de modo a dar origem a duas regiões com coloração distinta entre si e que podem ser notadas macroscopicamente: a substância cinzenta, onde estão os corpos celulares e a substância branca, onde estão os axônios.

No encéfalo (com exceção do bulbo) a substância cinzenta está localizada externamente em relação à substância branca e na medula espinal e no bulbo ocorre o inverso.

Neurônio motor e espelho

Como vimos, os neurônios são células especializadas no recebimento e propagação do impulso nervoso. Quando nos movimentamos, corremos ou simplesmente mexemos algum membro, o nosso sistema motor entra em atividade.

Tal sistema é formado por dois neurônios motores, sendo um localizado no córtex cerebral (primeiro neurônio) e o outro, na medula (segundo neurônio). Há uma íntima relação entre ambos neurônios, pois quando pensamos em realizar certo movimento, o primeiro neurônio é ativado e envia ao segundo neurônio, o impulso nervoso, para assim, realizar o movimento desejado.

O neurônio espelho é aquele tipo de neurônio que ativa-se principalmente quando observamos alguém realizando uma ação. Parece que o neurônio reproduz a mesma atividade neural relativo à ação de outrem. Isso ocorre quando imitamos alguém sem perceber, quando bocejamos pelo simples fato de vermos outra pessoa fazendo, ou seja, quando de alguma maneira existe alguma relação de empatia entre a ação executada por alguém e seu receptor.

Veja também: Por que nós precisamos bocejar? Descubra agora

Sobre o autor

Avatar
Natália Duque é Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro.