O que é e como funciona o PIB?

PIB: o que é, como funciona, como são coletados os dados e as restrições do cálculo. Entenda esse assunto e tire suas dúvidas

O Produto Interno Bruto, mais conhecido como PIB, é um importante indicador monetário que reflete o desenvolvimento das atividades econômicas de um dado local em um período de tempo estipulado. Apesar de ser um índice importante, ele não reflete a realidade da divisão do dinheiro entre a população de um local, pois na prática os valores não são divididos igualitariamente. O PIB é, portanto, um indicador genérico das condições econômicas. 

O que é o Produto Interno Bruto?

O PIB é um indicador que tem como base a soma de todas as riquezas produzidas num dado local, sendo que para tanto o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, considera a quantidade de veículos, alimentos, os serviços ofertados, os estoques produzidos, excetuando-se dos cálculos os custos de produção embutidos nos produtos.

A base dos cálculos é a agropecuária, a indústria, os serviços e os impostos sobre os produtos, sendo que itens já considerados em anos anteriores não são contabilizados. O Produto Interno Bruto – PIB, está intimamente relacionado ao Índice de Desenvolvimento Humano, IDH, de modo que o acesso aos bens de consumo e serviços são considerados como elementos essenciais do desenvolvimento de uma dada sociedade.

O que é e como funciona o PIB?

Foto: depositphotos

Como funciona o PIB?

O Produto Interno Bruto – PIB, tem como função a medição das atividades econômicas, bem como o conhecimento dos níveis de riqueza de uma dada região. Assim, quanto maiores os índices de produção, entende-se que maiores serão os índices de consumo, investimentos e comercializações. Para que os dados sejam conhecidos, são utilizados cálculos que levam em consideração a população como um todo, medindo quanto do total caberia à cada um dos habitantes daquele local, se as divisões fossem efetuadas igualitariamente.

Itens contabilizados para o PIB

Existem algumas coisas que são calculadas, e outras que não são incluídas nas medições. Assim, entram nos cálculos do PIB os bens e produtos finais, ou seja, aqueles que são vendidos aos consumidores finais, o que se estende de bens simples (alimentos) até aqueles mais complexos (veículos). São calculados ainda os serviços prestados, ou seja, tudo aquilo que for desenvolvido e que, para tanto, seja remunerado.

Entram neste quesito desde os serviços bancários até os custos com funcionários do lar. Entram ainda nos cálculos do Produto Interno Bruto – PIB, os investimentos realizados, ou seja, tudo aquilo que é investido por empresas e pessoas para o futuro. São contabilizados também os gastos governamentais, como salários dos funcionários públicos até a compra de armamentos e suprimentos variados.

Itens não contabilizados para o PIB

Dentre os itens que não são contabilizados para calcular o Produto Interno Bruto, de um dado local estão os bens intermediários, que são aqueles produtos utilizados para produção de outros bens. Por exemplo, os recursos que são utilizados na indústria para produção de produtos finais, os quais serão vendidos aos consumidores. Portanto, esses serão contabilizados somente a partir do produto final. Não são contados ainda os serviços não remunerados, como voluntariado ou trabalho doméstico. Bens que já existem não entram nos cálculos, mas somente produtos novos naquele período contado. Assim, veículos ou imóveis já existentes não entram na soma. Ainda, não são consideradas as atividades informais, como aquelas desenvolvidas sem carteira assinada, bem como trabalhos ilegais, como contrabando, descaminho ou tráfico.

Maiores Produtos Internos Brutos – PIB

Os dados do Fundo Monetário Internacional – FMI, no documento “World Economic Outlook Database” para abril de 2017, mostram os 15 países melhores classificados no PIB. São eles: Em primeiro lugar os Estados Unidos, seguidos da China, Japão, Alemanha, Reino Unido, França, Índia, Itália, Brasil, Canadá, Coreia do Sul, Rússia, Austrália, Espanha e México.

Verifica-se que boa parte dos países que ocupam as primeiras posições no PIB são também aquelas que apresentam um intenso processo de desenvolvimento econômico. O que não é uma regra, de modo que o Brasil, por exemplo, é um país considerado como emergente no cenário econômico atual, no entanto, tem um dos melhores PIB do mundo.

Dentre os estados brasileiros, os que ocupam o maior PIB em relação ao cenário nacional são: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná. Já em relação às regiões, o Sudeste ocupa o primeiro lugar num contexto de Brasil, ficando em segundo lugar o Sul, em terceiro o Nordeste, depois o Centro-Oeste e por último o Norte.

Menores Produtos Internos Brutos – PIB

Os 10 países com pior Produto Interno Bruto – PIB, avaliados no ano de 2015 foram São Tomé e Príncipe, Estados Federados da Micronésia, Ilhas Cook, Anguilla, Palau, Ilhas Marshall, Nauru, Kiribati, Montserrat e Tuvalu. Os baixos índices de PIB representam uma estagnação ou retrocesso na economia do local, uma vez que o indicador reflete o potencial da economia de um país. É relevante destacar que o PIB não está relacionado fielmente ao padrão de vida da população, pois é um indicador meramente econômico.

Para medição da qualidade de vida da população é utilizado um indicador denominado de Índice de Desenvolvimento Humano – IDH, sendo que neste são considerados a escolarização, acesso aos serviços básicos, dentre outros.

O Brasil é um exemplo da discrepância entre o PIB e a qualidade de vida, uma vez que o país está entre os melhores PIB do mundo, enquanto que em relação ao IDH encontra-se na 79ª posição, juntamente com uma ilha do Caribe, denominada de Granada. Em relação aos estados do Brasil, o que apresenta pior PIB é Roraima, em segundo lugar estando o Acre, em terceiro encontra-se o Amapá, seguido do Tocantins, Rondônia, e ainda Piauí, Sergipe e Alagoas.

O problema do Produto Interno Bruto, PIB

O PIB é um indicador bastante criticado por pesquisadores de várias áreas, uma vez que não possui a capacidade de avaliar as reais condições de vida de uma população. O indicador não avalia se as pessoas são alfabetizadas, se possuem condições de atendimento em serviços básicos, como na área da saúde, nem os danos ambientais ocasionados pelo crescimento econômico intenso.

É um indicador que se pauta exclusivamente em uma questão monetária, e exclui as demais dimensões do desenvolvimento. Além disso, o produto final do PIB não é dividido igualitariamente entre a população, assim, um país pode ter um PIB muito elevado, no entanto, ao mesmo tempo pode haver uma extrema concentração de renda nas mãos de uma pequena parcela da população. Por esses e outros motivos é que o PIB não deve ser avaliado isoladamente, mas sempre em conjunto com outros indicadores, buscando-se contextualizar os dados obtidos.

Referências

» BRASIL. Instituto de Pesquisa de Relações Internacionais. As 15 maiores economias do mundo. Disponível em: < http://www.funag.gov.br/ipri/index.php/o-ipri/47-estatisticas/94-as-15-maiores-economias-do-mundo-em-pib-e-pib-ppp>. Acesso em: 23 de junho de 2017.

» ENTENDA o PIB: conheça como funciona os métodos para medir a atividade econômica. Müller & Prei. Disponível em: <http://www.mullerprei.com.br/noticia/entenda-o-pib-conheca-como-funciona-os-metodos-para-medir-a-atividade-economica/>. Acesso em: 23 de junho de 2017.

Sobre o autor

Graduada em Geografia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Especialista em Neuropedagogia pela Faculdade Alfa de Umuarama (FAU) e Mestre em Geografia (Unioeste)