O que é e para que serve a gramaticalização

Gramaticalização é um conceito abordado na área de Linguística, e pode ser compreendido como um fenômeno linguístico pelo qual palavras de valor lexical (itens lexicais) podem transformar-se em palavras de valor gramatical.

Em seu artigo intitulado “Gramaticalização e lexicalização das lexias complexas no português arcaico”, Isabella Venceslau Fortunato, da Universidade Federal da Bahia (UFBA), explica que a gramaticalização é um dos processos de formação de elementos linguísticos, mais precisamente o processo de criação das formas gramaticais. (FORTUNATO, s/d, p.8).

O conceito

De acordo com Fortunato, o processo denominado gramaticalização diz respeito à formação de vocábulos gramaticais, e não remete a um conceito fora da língua, mas servem para estabelecer relações sintáticas na sentença.

O que é e para que serve a gramaticalização

Foto: depositphotos

Em seu artigo, Fortunato cita as características distintivas do processo de gramaticalização, segundo Omena e Braga. São elas: manipulação conceitual; unidirecionalidade; assimetria forma/significado; decategorização; recategorização; perda de autonomia; erosão.

O linguista brasileiro Ataliba Teixeira de Castilho considera que a gramaticalização divide-se em três subprocessos que ocorrem simultaneamente, a saber: fonologização (modificações no corpo fônico dos vocábulos), morfologização (alterações no radical e afixos) e sintaticização (modificações nos arranjos sintagmático e sentencial).

Mas, como ocorre o processo de gramaticalização? O que determina a mudança de um item lexical para item gramatical? A origem e o desenvolvimento das categorias gramaticais são objeto de estudo desde o século XIX. Alguns autores, como Company, defendem que a frequência de uso é um fator fundamental na ocorrência de mudanças.

Exemplos na Língua Portuguesa

A língua portuguesa apresenta vários exemplos do processo de gramaticalização. Dentre os exemplos, é possível citar os seguintes:

  • O substantivo latino loco (lugar) passou a ser empregado também (posteriormente foi utilizado exclusivamente) com sentido temporal, originando o advérbio logo;
  • O vocábulo “através”, derivado do verbo “atravessar”, constitui a locução prepositiva “lado a lado”. Atualmente, essa expressão é comumente empregada como locução adverbial de instrumento “por meio de”;
  • O adjetivo “duro”, utilizado para caracterizar objetos concretos, originou diversos vocábulos com sentido temporal, como os verbos “durar” e “perdurar”;
  • Os verbos latinos sedēre (estar sentado) e stāre (estar de pé) deram origem aos verbo auxiliares “ser” e “estar”.

Concluindo, podemos compreender a gramaticalização como o processo de criação de elementos com fins gramaticais, com motivação intralinguística, ou seja, não remetem a um contexto fora da língua (extralinguístico).

 

*Débora Silva é graduada em Letras (Licenciatura em Língua Portuguesa e suas Literaturas).

Sobre o autor

Avatar
Formada em Letras (Licenciatura em Língua Portuguesa e suas Literaturas) pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), com certificado DELE (Diploma de Español como Lengua Extranjera), outorgado pelo Instituto Cervantes. Produz conteúdo web, abrangendo diversos temas, e realiza trabalhos de tradução e versão em Português-Espanhol.