PCC: veja o significado dessa facção, seu estatuto, mandamentos e batismo

Iniciado em 31 de agosto de 1993, o PCC tinha como objetivo vingar o Massacre do Carandiru. Atualmente, está presente em 90% dos presídios de São Paulo

Primeiro Comando da Capital (PCC) é uma facção criminosa nascida em São Paulo, mas que hoje está presente em mais de 20 estados brasileiros e em outros países próximos do Brasil, como Paraguai e Bolívia. Trata-se de uma organização criminosa que movimenta milhões de reais por ano, alicia milhares de criminosos em uma só rede e planeja diversos tipos de atos ilícitos no país.

Significado, história e estatuto do PCC

Iniciado em 31 de agosto de 1993, o PCC era chamado de Partido do Crime e tinha como objetivo vingar o Massacre do Carandiru, movimento que matou mais de 100 presos, em 1992. A ideia partiu de oito presos que integravam a população carcerária do Anexo da Casa de Custódia de Taubaté, em São Paulo. Esta unidade, inclusive, era considerada a mais segura do estado paulistano.

O que significa PCC no crime

Foto: Reprodução/Record TV

Entre os líderes mais famosos da organização estão: Idemir Carlos Ambrósio, o “Sombra”, em 2001; Galeião e Cesinha, durante o ano de 2002; e Marcos Willians Herbas Camacho, conhecido por “Marcola” ou “Playboy”, no ano de 2003.

Atualmente, o grupo pode ser encontrado em 90% dos presídios da capital paulista e consegue faturar R$ 120 milhões por ano. Para ter este dinheiro, a organização recebe uma espécie de mensalidade dos integrantes, onde os que estão livres pagam uma taxa de R$ 1 mil e os que estão presos R$ 50. Além disso, o PCC é financiado pela venda de drogas e assaltos à banco, sequestros, assassinatos etc.

No entanto, não é fácil entrar na organização, visto que o criminoso precisa ser indicado por algum integrante, chamado pela facção de “irmão”. Ao ser “batizado”, o novo participante tem como padrinho três “irmãos” e ele só pode se tornar padrinho após 120 dias do seu batismo. Todos os participantes precisam seguir a risca o estatuto do PCC, para se manter na organização.

Entre as regras do estatuto, há um item que recebe destaque. O número sete do documento defende que os membros que estão mais estruturados, ou seja, livres e com boas condições financeiras, precisam contribuir para ajudar os “irmãos” com menos condições. Caso contrário, estão sujeito à pena de “serem condenados à morte, sem perdão”.

Ataques aos militares

Muitos dos crimes que ocorrem, principalmente em São Paulo, são articulados pelo PCC. Tráfico de drogas, assassinatos, roubos a bancos, sequestros, assaltos e rebeliões no presídio. Entre esses atos ilícitos, o grupo criminoso se destacou na história por comandar diversos ataques contra a Polícia Militar. Um deles foi em 2006, que ocorreu em São Paulo, inicialmente e depois se espalhou para outros estados do Brasil, como Espírito Santo, Paraná, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais.

Em 2012 outro ataque a PM foi comandando pelo PCC. Estima-se que durante os 30 dias de ameaça, um ou dois policiais morreram por dia. Muitos deles estavam em período de férias, eram aposentados ou estavam de folga.

Rivalidade entre as gangues

O PCC é considerado uma das maiores organizações criminosas do Brasil, mas não é a única. O crime organizado no país é repleto de outras facções que agem com os mesmos propósitos: sucatear a nação e vingar os seus companheiros de crime. No entanto, há uma certa rivalidade entre as gangues, além do Primeiro Comando da Capital, existem outras como:

  • Comando Vermelho Rogério Lemgruber;
  • Família do Norte;
  • Sindicato do Crime do RN;
  • Okaida.