,

Ornitorrinco, um fóssil vivo. Saiba mais sobre esse mamífero

A julgar pela sua aparência estranha, os ornitorrincos apresentam comportamento bastante peculiar, tanto que intrigam os cientistas e pesquisadores desde a primeira vez que foi descrito, no ano de 1799. A origem do animal é apontada como sendo do continente australiano, mais precisamente na Tasmânia.

Estudos genéticos realizados no ano de 2008, consequentemente publicados na revista Nature, revelaram algumas peculiaridades do ornitorrinco no campo da genética, o que o torna um animal único. Ele partilha genes com outros mamíferos, além de répteis e aves.

Características físicas do ornitorrinco

Para começo de história, é bom ter um pouco de noção sobre as características físicas do animal. Ele é um mamífero mas, diferente de outros do mesmo grupo, põe ovos. O ornitorrinco apresenta bico semelhante ao de um pato, sendo com a extremidade arredondada. Suas patas possuem membranas, o que facilita o nado, já que ele é um animal semiaquático.

Ornitorrinco, um fóssil vivo. Saiba mais sobre esse mamífero

Foto: Reprodução/Wikimedia Commons

O rabo do ornitorrinco é grande, largo e achatado, bastante semelhante ao de um castor. Todo o seu corpo é recoberto por pelos muito finos, mas que possibilitam que a temperatura do corpo permaneça sempre constante, independendo do ambiente. Os machos são ligeiramente maiores que as fêmeas, chegando a cerca de 60 centímetros, pesando cerca de 2,5 quilos.

O ornitorrinco pode ficar até dois minutos debaixo d’água, sem respirar. Quando mergulha, os olhos, os ouvidos e as narinas ficam protegidos por membranas de pele que os deixam cegos e surdos debaixo de água. Para se guiar eles utilizam as terminações nervosas sensíveis contidas no bico. Um animal dessa espécie pode chegar a viver de 12 a 15 anos.

Quando estão em período de acasalamento, os machos da espécie produzem uma espécie de veneno que contém por volta de 80 toxinas, sendo usado como arma de defesa no que diz respeito a invasão de outros machos. Sua alimentação é baseada em insetos e invertebrados, tais como moluscos, vermes, insetos, peixes e girinos.

Acasalamento e reprodução

Apesar de não ter todo o processo reprodutivo conhecido por meio de detalhes, o que se sabe é que a reprodução dos ornitorrincos se dá entre o sexto e sétimo ano de vida. Entre os meses de julho e agosto, seus órgão reprodutores aumentam de tamanho, o que propicia o acasalamento.

Apesar dos seus hábitos aquáticos, o ornitorrinco constrói o seu ninho em terra. Desde dentro dos ovos, os animais já possuem dentes, o que facilita a quebra da casca na hora do nascimento. Os bebês da espécie nascem cegos e sem pelos. Na hora da alimentação, os filhotes têm de sugar o leite através dos poros dilatados situados entre os pelos.

Todas essas definições do ornitorrinco foram extraídas da página Mundo dos Animais.

Ornitorrinco na história

A julgar pelas características físicas que o animal apresenta, ele é considerado um fóssil vivo, assim como os crocodilos, pois, desde a Era compreendida antes da extinção dos dinossauros, pouco ou quase nada foi mudado na espécie. O fóssil mais antigo encontrado de um ornitorrinco data de há cerca de 100 milhões de anos.

Atualmente existe apenas uma espécie viva de ornitorrinco, a Ornithorhynchus anatinus.

Sobre o autor

Avatar
Formado em Jornalismo pela UniFavip | Wyden. Já trabalhou como repórter e editor de conteúdo em um site de notícias de Caruaru e em três revistas da região. No Jornal Extra de Pernambuco e Vanguarda de Caruaru exerceu a função de repórter nas editorias de Economia, Cidades, Cultura, Regional e Política. Hoje é assessor de imprensa do Shopping Difusora de Caruaru-PE, Seja Digital (entidade responsável pelo desligamento do sinal analógico no Brasil), editor da revista Total (com circulação em Pernambuco) e redator web do Estudo Prático.