, ,

Os movimentos de contestação da Era Vargas que podem cair no Enem

O professor de História, João Machado, explica quais foram esses movimentos e quem os formava. Assista ao vídeo na íntegra

A Era Vargas foi marcada por diversos momentos. Todos eles podem ser abordados nas provas do Enem. Neste post, trataremos de um período específico dessa gestão que se localiza entre os anos de 1932 a 1938.

Esses anos ficaram marcados pelos movimentos de contestação. O professor de História, João Machado, explica quais foram esses movimentos e quem os formava. O vídeo é do Sistema Poliedro de Ensino e abaixo trazemos os pontos principais da aula online.

Movimentos de contestação da Era Vargas

Os principais movimentos de contestação

De acordo com o professor João Machado, os movimentos de contestação mais relevantes que ocorreram entre os anos de 32 a 38, foram: a Revolução Constitucionalista, a Intentona Comunista e o Integralismo.

Conheça os movimentos de contestação da Era Vargas que podem cair no Enem

Foto: depositphotos

Revolução Constitucionalista

A Revolução Constitucionalista teve início em 1932. O movimento aconteceu em São Paulo e a ideia era pedir que o Governo Vargas convocasse uma Assembleia Constituinte para expandir o código de leis maior para o Brasil. Esse movimento uniu dois partidos tradicionais da cidade: o Partido Republicano Paulista (PRP) e o Partido Democrático.

Ambos os partidos eram de lados opostos. O primeiro era formado por barões do café, enquanto o segundo era composto, em sua maioria, pelo povo mais simples. Apesar das diferenças, eles se uniram com o mesmo objetivo. Durante algumas manifestações do grupo, a polícia comandada por Vargas matou estudantes. Isso fez com que a oposição a ele se tornasse ainda maior.

Inicialmente, São Paulo contava com o apoio de Minas Gerais, que na prática não apoiou. Restando somente o apoio do fragilizado Mato Grosso. A saída de MG enfraqueceu o movimento e foi logo abafado.

Apesar disso, no ano seguinte o presidente Vargas acabou convocando uma assembleia constituinte e reivindicações importantes do movimento de outrora acabaram entrando na pauta do governo, como o voto secreto, o voto das mulheres e a criação da Justiça Eleitoral.

Intentona Comunista

Em 1935, tendo à frente Luís Carlos Prestes, surge a Aliança Nacional Libertadora. Esse movimento recebeu apoio maciço dos militares. Eles tentaram tomar o poder no estado do Rio Grande do Norte, em Natal, em menores proporções no Rio de Janeiro, que era a capital do Brasil à época, e em Pernambuco.

O movimento foi logo derrubado por Vargas que, além de prender Luís Carlos Prestes, entregou sua esposa Olga Benário para os nazistas alemães, uma vez que era judia e tinha origens germânicas. Ela acabou morrendo nas câmaras de gás.

Integralismo

O movimento integralista ia na contramão do comunismo de Luís Carlos Prestes, apesar de contestarem o governo de Vargas, o movimento se inspirava no facismo italiano. Seu líder era Plínio Salgado que pregava o fim do capitalismo e do comunismo. A iniciativa também foi logo abafada por Vargas que exilou Plínio em Portugal.

Assista ao vídeo da aula na íntegra aqui: