Polícia do Rio de Janeiro é a mais corrupta? Descubra!

A Polícia do Rio de Janeiro é a mais corrupta do Brasil. Essa é a conclusão da Pesquisa Nacional de Vitimização encomendada pelo Ministério da Justiça e pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento ao instituto Datafolha.

A ideia do estudo foi questionar as pessoas comuns se elas já receberam alguma proposta indecente dos policiais da sua região. E de todas as pessoas entrevistadas, cerca de 30,2% das que alegam ter sido extorquidas pela PM são cariocas. Já o segundo estado com maior número de acusações de extorsão é São Paulo, que possui a maior corporação do país.

Quando o assunto é a Polícia civil, a situação se inverte. Sendo 28,6% dos paulistas que alegam já terem sofrido alguma usurpação contra 17,2% dos moradores do Rio de Janeiro.

Ao todo, foram ouvidas 78 mil pessoas nos 26 estados e Distrito Federal. A pesquisa revelou ainda que os homens são mais abordados do que as mulheres e que os brancos sofrem mais pedidos de propina por parte dos policiais do que os negros.

Além disso, as pessoas com maior escolaridade são mais vítimas de extorsão do que as menos instruídas e que a renda também influencia das abordagens corruptivas. Sendo aqueles que têm um salário superior, mais vítimas de pedidos de propina. Esses eventos criminosos foram descritos pelo Jornal Extra, na sua versão online.

Polícia Militar do Rio: População acha corrupta e sem confiança

População carioca vê como corrupta a polícia do Rio

Polícia do Rio é vista como corrupta pela população carioca (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

Veja tambémA diferença entre intervenção federal e intervenção militar

No site do instituto Datafolha também há menção a outros aspectos das pesquisas que envolvem a Polícia Militar. Uma delas reflete a falta de confiança da população em geral em relação aos militares. Pois 51% dos brasileiros entrevistados têm medo da PM. Delas, 22% têm muito medo e 26%, um pouco.

A Polícia Civil é um pouco menos temida, mas não muito. Sendo que 20% dos entrevistados têm muito medo, contra 25% com pouco medo.

“De maneira geral, o temor de ser uma vítima de violência policial é maior entre os moradores das regiões Norte e Nordeste do que entre os moradores das demais regiões, entre os moradores dos municípios com mais de 500 mil habitantes do que entre os moradores de municípios menores e entre os mais pobres do que entre os mais ricos”, afirma o Data Folha.

Como a corrupção acontece dentro da polícia carioca

Diversas são as formas de corrupção dentro da polícia

Corrupção dentro da polícia ocorre de várias formas (Foto: depositphotos)

Veja tambémCrime organizado no Brasil; origem e modo de operação

De acordo com um artigo da doutoranda em Sociologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Andréa Ana do Nascimento, “a corrupção policial prejudica a eficiência da Justiça na medida em que utiliza mecanismos informais e ilegais para distribuição privilegiada da informação. Além disso, sempre que vem à tona algum caso de corrupção envolvendo policiais, questionam-se o papel da polícia, sua legitimidade ao agir e, consequentemente, a legitimidade do Estado, que não consegue controlar seu braço armado”.

Para dar um exemplo claro de como isso acontece, é só observar as conclusões de uma operação realizada em 2017, considerada a maior da história do Rio de Janeiro contra corrupção policial, quando foram denunciados 96 policiais. Esse grupo chegava a arrecadar 350 mil reais por  semana com os atos ilegítimos. Entre as atividades ilícitas cometidas pela PM estão:

Escolta a criminosos

Uma das acusações sofridas pela Polícia Militar do Rio de Janeiro é de escoltar criminosos durante os seus  deslocamentos. Os policiais atuavam como seguranças particulares dos bandidos e impediam que outras organizações criminosas abordassem seus rivais durante os traslados.

Aluguel de armas para bandidos

Os policiais do Rio de Janeiro atuavam também no aluguel de armas da corporação para os traficantes das facções criminosas. Fuzis e outras armas potentes rendiam para a corporação criminosa milhares de reais sujos.

Sequestro de bandidos

Os Policiais Militares do Rio de Janeiro também foram acusados de realizar sequestros de traficantes. Eles usavam dessa tática para pedir resgate às facções criminosas. Os bandidos eram extorquidos por até 10 mil reais.

Propina

Outro ato de corrupção cometido pelos policiais militares do Rio de Janeiro que foi denunciado na maior operação contra corrupção da categoria é a acusação de que os PMs recolhiam propina dos bandidos de quinta a domingo. Os valores poderiam chegar a 2,5 mil reais por pessoa. Esse valor era para que os negócios ilícitos não fossem “atrapalhados” pela PM.

Veja tambémMilícia: Significado, como funciona e outras informações

Como combater a corrupção policial

Polícia do Rio tem a Corregedoria Geral como a responsável por combater a corrupção

Corregedoria Geral trabalha incansavelmente na tentativa de coibir a corrupção na polícia do Rio de Janeiro (Foto: depositphotos)

A corrupção policial é um problema sério que precisa ser combatido. Para isso, a Corregedoria Geral Unificada divulgou que nos últimos 10 anos, quase 400 policiais entre civis e militares foram exonerados.

Porém, esse número é muito pequeno se comparado aos casos de extorsão e corrupção praticados pelos policiais do Rio de Janeiro. Prova disso, são as milícias que são formadas por ex-policiais, mas também por muitos militares ainda na ativa.

Uma pesquisa revelou que 40% das comunidades do Rio de Janeiro são controladas pelas milícias que cobram propinas dos moradores por uma suposta proteção ou uma taxa de condomínio. Quem não paga é expulso das suas próprias casas ou sofrem perseguição policial.

O resultado disso é que a população tem tanto medo das milícias quanto dos traficantes. Ambas são organizações criminosas que estabelecem o seu poder sobre as pessoas mais indefesas do Rio de Janeiro.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista formada pela Universidade Federal da Paraíba com especialização em Comunicação Empresarial. Passagens pelas redações da BandNews e BandSports, TV Jornal e assessoria de imprensa de órgãos públicos.