Presídio de Alcaçuz: Conheça essa unidade prisional

O presídio de Alcaçuz fica no Nordeste brasileiro no Estado de Rio Grande do Norte. Ela está localizada na cidade de Nísia Floresta, a 25 km da capital Natal. Sua capacidade é de 620 detentos, porém no começo do ano de 2017, ela abrigava mais de mil.

O espaço ganhou os noticiários nos últimos anos por ser palco do terceiro maior massacre a detentos da história do Brasil. Foram 26 mortos em um único episódio. A chacina foi promovida pelo PCC, facção criminosa que atua no país inteiro, e vitimou os membros rivais do Sindicato do Crime do Rio Grande do Norte.

Entenda a chacina do Presídio de Alcaçuz

Chacina já 'manchou' de sangue as paredes do Presídio de Alcaçuz

Presídio de Alcaçuz já foi palco de chacina (Foto: Wilson Dias/Agencia Brasil)

O massacre aconteceu no início de 2017, em 14 de janeiro. Uma rebelião iniciou-se no final da tarde e teve início quando alguns presos do pavilhão 5 invadiram o 4. O resultado foram 26 mortes. O conflito ficou marcado pelos atos extremos de violência com ataques a pedras, ferro e paus.

Antes do episódio fatídico, o clima já era tenso dentro da penitenciária por conta da presença das duas facções rivais que, inclusive, já foram aliadas um dia: PCC e o Sindicato do Crime. E a situação se agravou ainda mais quando o Governo do estado decidiu transferir alguns membros do Sindicato do Crime para outros presídios.

A decisão foi polêmica, pois os serviços de inteligência artificiais, sabendo do clima nada amistoso do local, já haviam aconselhado a gestão estadual a transferir presos do PCC e não do Sindicato do Crime.

A iniciativa equivocada, deixou o caminho livre para o massacre, sobretudo, porque a ação de realocar os criminosos do Sindicato do Crime acabou deixando o número de detentos equivalentes.

Antes disso, o maior número de integrantes do Sindicado do Crime impedia um conflito entre as facções, pois o PCC estava em número bem reduzido em relação ao Sindicato. Porém, ao transferir 220 detentos desse último, deixou os grupos com tamanho semelhante e mais aptos a se enfrentarem.

Veja tambémA realidade dos presídios brasileiros femininos

Conflitos fora do presídio de Alcaçuz

Os episódios ocorridos dentro do presídio de Alcaçuz também afetaram o clima nas ruas. Logo que os 220 presídios do Sindicato do Crime foram transferidos para outras penitenciárias, uma série de ataques começou a ocorrer na cidade de Natal.

Durante alguns dias, 21 carros foram incendiados na capital, Natal. E outro presídio estadual localizado na cidade de Cairó também respondeu aos conflitos assassinando um presidiário. Os familiares do detentos de Alcaçuz também brigaram entre si e aumentou ainda mais a tensão fora do cárcere.

Mortes chocaram o país

Embora, a população carcerária esteja de fora da preocupação da maior parte das pessoas que formam o país, o massacre na penitenciária de Alcaçuz chamou bastante a atenção.

Principalmente pelos atos de violência. Para você ter uma ideia do estrago, o Instituto Técnico-Científico de Polícia, o Itep, teve que alugar um contêiner frigorífico para armazenar os corpos de Alcaçuz. Ao todo, foram 26 mortos, dezenas de feriados e pavilhões destruídos.

Depois da retomada pelas autoridades do controle da situação, foram realizadas revistas nos pavilhões onde foram encontrados drogas, um revólver, celulares e mais de 500 facas artesanais. Foram retiradas 50 caçambas de entulhos da unidade, resultado da destruição causada pelo motim.

Veja tambémO que faz um agente penitenciário?

Força nacional interviu em Alcaçuz

Presídio de Alcaçuz já foi palco de batalha entre a Força Nacional e presidiários

Já foi necessário a Força Nacional intervir em Alcaçuz (Foto: Reprodução | Agência Brasil)

Depois que a situação do Presídio de Alcaçuz atingiu níveis alarmantes com dezenas de mortes, o Governo Federal resolver intervir na situação enviando para o estado do Rio Grande do Norte 63 agentes federais.

O objetivo dos homens da Força Nacional foi realizar serviços de guarda, vigilância e custódia dos presos. Eles pertencem ao grupo FTIP, a Força-tarefa de Intervenção Penitenciária, e são agentes penitenciários federais, ligados ao Departamento Nacional Penitenciário (Depen).

Parte desse grupo veio de Brasília e outra dos estados do Rio de Janeiro e do vizinho Ceará.

Veja tambémSaiba como são feitas as visitas internas nas prisões pelo mundo

Controle da ordem em Alcaçuz

 

Controle de Alcaçuz já teve que ser retomado por meio de operações

Diversas operações foram necessárias para que houvesse o controle de Alcaçuz (Foto: Wikimedia Commons)

Depois de todo o tumulto promovido pelos detentos, algumas ações foram promovidas para restaurar o que foi destruído durante o motim.

A Operação Phoenix no Presídio de Alcaçuz se deu no âmbito de transferir os presos para outros pavilhões a fim de fazer uma reforma nos locais de origem.

Mais de 100 agentes federais foram envolvidos no processo que inicialmente reformou os pavilhões 2 e 3. Já os pavilhões 4 e 5 que foram totalmente afetados pelo massacre que vitimou 26 detentos não foram reformulados.

As mudanças mais significativas nos espaços reformados priorizaram a segurança. O piso ganhou mais concreto, passarelas de metal também foram inseridas, cortinas de segurança foram colocadas nas celas e uma guarita também foi construída.

Depois da reforma do Presídio de Alcaçuz, os pavilhões 2 e 3 ganharam seu próprio espaço para que os detentos encontrem com seus advogados, sala para atendimento médico e uma sala para visita íntima. Além disso, todas as tomadas elétricas foram retiradas do local, uma vez que os eletrônicos foram proibidos.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista formada pela Universidade Federal da Paraíba com especialização em Comunicação Empresarial. Passagens pelas redações da BandNews e BandSports, TV Jornal e assessoria de imprensa de órgãos públicos.