Rota da seda: mapa, o que foi e importância

As rotas eram importantes estratégias de comércio e troca da Idade Média. Comerciantes chegavam pelos portos e começavam o seu trajeto parando em pontos específicos para efetuar suas vendas.

Essa cultura foi tão importante que, por meio dela, várias cidades começaram a se formar. As rotas comerciais balançavam o mundo medieval e foram decisivas durante a transição entre feudalismo e o capitalismo.

Tecendo tecido

A Rota da Seda comercializava o tecido mas também especiarias e outros produtos (Foto: Freepik)

A Rota da Seda conectava o Oriente com o Ocidente e com isso conseguiu permanecer ao longo dos séculos, inclusive se adaptando aos dias de hoje com a chamada Nova Rota da Seda.

O que foi a Rota da Seda?

A Rota da Seda carrega esse nome porque o seu principal produto comercializado era justamente a seda. Durante séculos os chineses monopolizaram a forma de fazer esse tecido, e o vendiam por verdadeiras fortunas, principalmente para os ocidentais.

Essa rota ligava os povos por vias terrestres, essencialmente. E era formada por caravanas de vendedores que utilizavam animais como condutores das cargas. 

A principal porta de entrada em outros territórios, que não a China, era pelos portos. De lá, as cargas eram distribuídas.

A seda que ia para Constantinopla, por exemplo, chegava ao porto e era entregue para comerciantes nômades da Ásia Central que fazia com que ela chegasse na cidade-destino com altos lucros. 

Apesar da seda ser transportada em caravanas e embarcações oceânicas, ela não estava sozinha. Muitas outras mercadorias eram comercializadas juntas. As especiarias foi uma das mercadorias que mais se disseminou pela Rota da Seda.

Mapa

Mapa da Rota da Seda

A Rota da Seda ligava a Ásia a Europa (Imagem: Reprodução | Wikimedia Commons)

A Rota da Seda foi de grande importância para os principais povos do mundo antigo e medieval: Pérsia, Constantinopla e China.

Em princípio, ela conectava a China até a Antioquia, depois a Coreia até o Japão e por fim, conectava toda a Europa com o Ocidente, principalmente através de Flandres, de domínio francês na época.

A seda chegou para os europeus por meio da conquista do Egito pelo Império Romano em 31 a.C.

Curiosidades

  • A exportação de casulos de bicho da seda era considerada crime na China. Quem fizesse, era condenado a morte.
  • A seda vestiu grandes realezas, não só orientais como ocidentais também.
  • A seda é proveniente do casulo do bicho da seda, que libera um fio bem fino. O aspecto reluzente do fio, sua raridade e beleza fez dele sinônimo de nobreza e luxo.
  • Conta-se que a descoberta de seda aconteceu quando uma imperatriz chinesa estava tomando chá durante a tarde e tentou puxar o casulo do bicho da seda que caíra em sua xícara. Por causa do calor da bebida, o casulo ficou soltando um fio fino.
  • As rotas não tinham apenas fins comerciais, elas eram estratégias de comunicação entre povos. Muitos diplomatas e líderes religiosos utilizavam desses trajetos.
  • A disseminação do budismo tem a sua origem na Índia, mas pela Rota da Seda chegou à China e se estabeleceu como a principal religião no Japão.
  • Grandes figuras conquistadoras também utilizaram a Rota da Seda, como Marco Polo, que no século XIII investiu nesse caminho.

A importância da Rota da Seda

As rotas tinham uma importância de comunicação entre os povos. Mais do que um fim comercial, as rotas formavam as principais cidades da Idade Média.

Cada ponto em que as caravanas paravam, aglomerações se formavam e, por fim, com o intenso tráfego de pessoas, casas, centros comerciais, templos e espaços burocráticos foram se fixando.

A importância da rota também se dava pelo fim estratégico, porque durante conquistas esses caminhos eram a principal referência para avançar em diversos locais.

Durante muito tempo na Idade Média, as fronteiras entre Oriente e Ocidente eram fechadas pela igreja. A Rota da Seda possibilitou essa abertura.

A nova Rota da Seda

A nova Rota da Seda visa a independência da China dos Estados Unidos, que é a sua principal segurança nas rotas comerciais.

O projeto abarca uma grande construção de rodovias, ferrovias e corredores marítimos com base na Rota da Seda antiga, que conseguia atender todo o continente.

Esses corredores terrestres e marítimos alcançam 60% da população chinesa, que obtém sozinha 40% do PIB mundial. Essa é uma complexa estratégia geopolítica de fortalecimento econômico.

O projeto tem como nome ‘Um Cinturão, Uma Estrada’, e tem como valor de construção mais de 90 bilhões de dólares. O que equivale a metade da riqueza nacional brasileira inteira.

Exemplos dos corredores criados na Nova Rota da Seda:

  • Corredor econômico China-Mongólia-Rússia: liga o nordeste chinês à Moscou pela rota Transiberiana.
  • Nova ponte terrestre da Eurásia: conecta o leste chinês ao Porto de Roterdã na Holanda.
  • Corredor econômico China-Ásia: liga o centro-oeste asiático pelo Golfo Pérsico até o Mar Mediterrâneo.
  • Corredor econômico China-Indochina: conecta o sul da China à Singapura.
  • Corredor econômico China-Paquistão.
  • Corredor BCIM: conecta o centro da China com Bangladesh, Índia e Miramar.
  • Corredores marítimos no Oceano Indico e África.

Pelas conexões percebemos que é um projeto de raiz na Rota da Seda, mas que deseja uma estrutura muito maior e de grande potência econômica.

Resumo do Conteúdo
Nesse texto você aprendeu que:

  • A Rota da Seda ligava a Ásia com a Europa.
  • A seda era o principal produto comercializado.
  • O comércio era feito a partir de caravanas de comerciantes.
  • A Rota da Seda abarcava vias terrestres e marítimas.
  • Além da seda, eram vendidos produtos diversos, como as especiarias.

Exercícios resolvidos

1- O que foi a Rota da Seda?
R: Uma das principais vias de comércio que ligava o continente asiático ao europeu.
2- Por que a Rota da Seda recebeu esse nome?
R: Por causa do principal produto vendido, a seda.
3- Cite uma importância da Rota da Seda.
R: Nos pontos de parada dos comerciantes se formaram grandes cidades.
4- O que é a Nova Rota da Seda?
R: Projeto chinês que visa expandir e desenvolver comércios utilizando as principais vias da Rota da Seda.
5- Como era feita a distribuição das mercadorias na Rota da Seda?
R: Navios levavam a carga aos portos, de onde caravanas de mercadores, utilizando animais de carga, saiam em direção às cidades-destino.
Referências

» KISSINGER, Henry. Sobre a China. Editora Objetiva Ltda. Rio de Janeiro. 2011.

» SCHERER, André Luis. A Nova Estratégia de Projeção Geoeconômica da China e a Economia Brasileira. Revista Paranaense de Desenvolvimento, Curitiba, v.36, n.129, p.35-51, julho/dezembro de 2015.

» VISENTINI, Paulo Fagundes. As relações diplomáticas da Ásia. Articulações regionais e afirmação mundial. Editora Fino Traço. Belo Horizonte, 2012.

Sobre o autor

Prof. Larissa Dutra
Historiadora e professora, com formação pela UNESA do Rio de Janeiro. Pós-graduada em edição editorial. Trabalha no ensino básico, cursinhos, ministra oficinas, é revisora e editora de livros. Sua pesquisa central é sobre livros, cinema e ditadura militar na América Latina.