,

Saiba quais são os 14 erros comuns que os brasileiros cometem em inglês

Os que aspiram ter uma segunda língua no currículo acabam escorregando e cometendo deslizes. Veja agora quais são eles

Falar inglês é primordial para todas as pessoas que querem se desenvolver socialmente e profissionalmente. No entanto os interessados em conseguir fluência no idioma precisam praticar bastante até alcançarem esse objetivo.

Pensando nisso, Amanda Cunha, do Centro Britânico, lembra que durante o processo de aprendizagem algumas pessoas cometem alguns erros. “Essa influência faz com que muitas pessoas cometam certos tipos de erros que são altamente previsíveis”, diz.

Muitas vezes por falta de atenção ou pelo pouco hábito com a língua, os que aspiram ter um segundo idioma no currículo acabam escorregando e cometendo deslizes em muitas falas e termos. Veja agora quais são eles e como evitá-los.

Erros comuns em inglês

Escritas parecidas, significados diferentes

A palavra push geralmente escrita nas portas leva muitas pessoas à confusão. Muito parecida com a palavra em português: puxe, ela significa justamente ao contrário. A palavra inglesa push quer dizer ‘empurrar’ e não puxar. Se precisamos puxar alguma coisa, o termo é “pull”.

Saiba quais são os 14 erros comuns que os brasileiros cometem em inglês

Foto: depositphotos

Negar algo veementemente

A expressão “eu não sei de nada”, costuma ser traduzida ao pé da letra para o inglês da seguinte forma: “I don’t know nothing”. Na verdade, Amanda afirma que isso é um erro. O correto é “I don’t know anything”.

Traduzir ao pé da letra

Esse é um erro comum que as pessoas iniciantes no inglês cometem. Amanda Cunha, do Centro Britânico, dá o exemplo da expressão: “make beautiful” que é usado quando se quer dizer “vamos fazer bonito”, quando na verdade essa expressão não se usa em inglês com esse sentido.

Pequenas letrinhas

Por vezes, a presença de uma letra muda tudo! Em inglês, “desert” significa deserto, enquanto “dessert”, quer dizer sobremesa.

Confundir verbos

Amanda lembra que o verbo to have é muito confundido com o nosso verbo haver. Enquanto no português ele faz alusão à existência. O to have refere-se a “there is ou there are” para posse.

Explorar demais o verbo to be

Nem sempre os americanos usam o verbo “to be” como nós brasileiros. Muitas vezes, eles preferem usar o “can” ou “do”.

Esquecer o “s” na terceira pessoa

Amanda afirma que: “um erro muito comum dos brasileiros é esquecer que os verbos na terceira pessoa do singular (he, she ou it) levam um “s” final, ou seja, “I work”, “she works”.

“h” é diferente no português e inglês

Enquanto por aqui, a letra “h” tem o som mudo, no inglês ele tem o som de “r”. Por isso, ao invés de omitir, você deve falar “I have” da seguinte forma: “Ai rave”.

Use o dicionário

A última dica de Amanda Cunha, do Centro Britânico, é usar sempre um dicionário. “Quando se aprende uma língua nova, ao se deparar com uma palavra desconhecida e que não se compreende pelo contexto, o erro é ter receio de utilizar um dicionário. No começo quando não se domina o idioma, pode-se usar um dicionário bilíngue (inglês-português). Na medida que for avançando no aprendizado, é de suma importância que seja utilizado um dicionário unilíngue (inglês-inglês), para que possa aprender os significados apresentados em inglês e não na língua materna”, recomenda a especialista.