Significado da bandeira da China

Adotada em 27 de setembro de 1949, a bandeira da República Popular da China tem como cor predominante o vermelho

Nesse artigo você vai poder conferir qual o significado da bandeira da China, quais foram as influências históricas e culturais para sua composição. Veja também as mensagens por trás das cores e símbolos adotados. Aproveite e conheça um pouco mais sobre esse país. Veja tudo isso a seguir!

Há uma diversidade enorme em relação aos aspectos históricos e culturais dos países, sendo estas expressas em suas manifestações e seus símbolos oficiais.

Alguns dos símbolos mais conhecidos e utilizados pelos países são a bandeira e o hino nacional, os quais representam elementos considerados relevantes e que teoricamente definem a identidade daquele local. Em muitas ocasiões, estes símbolos são negligenciados nos estudos, não se dando a importância devida para a mensagem que eles transmitem.

As bandeiras são elementos simbólicos que carregam parte da história dos países, sendo algumas delas mais complexas, outras relativamente simples, com poucos elementos impressos. A bandeira da China é uma das mais simples, pela escassez de elementos gráficos, no entanto, carrega um forte caráter político.

A bandeira da China

A bandeira da República Popular da China apresenta um aspecto relativamente simples, sendo toda em cor vermelha, com cinco estrelas no canto superior esquerdo.

O significado da bandeira da China tem relação direta com o Comunismo

Essa bandeira carrega um contexto ideológico muito forte (Foto: depositphotos)

Estrelas

As estrelas são em cor amarela, sendo que existe uma maior, destacando-se das demais, localizada mais na extremidade esquerda da bandeira. A estrela maior mostra-se imponente, em destaque, estando as outras quatro colocadas ao entorno desta, em formato de arco, sua face convexa está voltada para o lado direito.

Todas as estrelas possuem cinco pontas. A bandeira da China foi adotada ainda no ano de 1949, e sua representação tem relação com a questão política, especialmente a Revolução Chinesa, a qual foi um movimento nacionalista que derrubou a Dinastia Manchu (período imperial na China), proclamando a República da China. Ainda, o Partido Comunista da China, o qual chegou ao poder durante a Revolução Chinesa, ocorrida em 1949.

Assim, a explicação para a configuração da bandeira chinesa seria a de que a estrela maior, bem na extremidade da margem esquerda, representaria o Partido Comunista, o que também explicaria a cor vermelha do fundo da bandeira.

Já as quatro estrelas que se apresentam no conjunto, seriam o povo chinês, representado pelas classes sociais do proletariado, a burguesia urbana, o camponês e a burguesia agrária/rural. Essa subdivisão em classes foi proposta por Mao Tsé-Tung (político, teórico, líder comunista e revolucionário chinês) em seus escritos, as quais teriam sido representadas na bandeira pelas estrelas menores.

As estrelas menores estão todas apontando para o cento da estrela maior, o que representaria o alinhamento do povo, em todas as suas classes, com o Partido Comunista, mostrando caráter político e ideológico da representação.

Veja também: Entenda a diferença entre socialismo e comunismo

Cores

Existem algumas especulações quanto as cores utilizadas na bandeira chinesa, de modo que historicamente a cor vermelha representa o pensamento da esquerda, ligada ao comunismo.

Mas também é uma cor bastante apreciada na cultura chinesa, representando coisas boas. A apropriação da cor vermelha pelos símbolos ligados ao Socialismo vem ocorrendo pelo menos desde a Revolução Francesa de 1789, sendo que a cor estampa todo o fundo da bandeira chinesa.

As estrelas, num sentido ligado ao ideário socialista, representam cinco grandes categorias sociais, sendo elas os camponeses, os operários, o exército, os intelectuais e a juventude. Historicamente, a bandeira da União Soviética incorporou a estrela vermelha com os símbolos, foice e martelo, em amarelo-ouro.

Já no caso da bandeira chinesa, as próprias estrelas foram grafadas em amarelo-ouro, cor esta que também representa na China os imperadores. Há, neste sentido, um misto de interpretações possíveis, as quais misturam elementos culturais históricos da China, somando-se a estes também os símbolos do ideário socialista.

As bandeiras carregam também um contexto ideológico, pois refletem o pensamento político e social, sendo que em algumas ocasiões acabam forjando uma identidade ao local.

Veja também: Escrita na China

A China e seu caráter político histórico e atual

A China é o país mais populoso do mundo, com mais de um bilhão de habitantes

A Muralha da China é um dos grandes símbolos desse país (Foto: depositphotos)

A República Popular da China é um extenso território do continente asiático, sendo o mais populoso do mundo, com mais de 1,36 bilhão de habitantes, o que representa quase um quinto do total de população do planeta Terra.

Embora gere muitas discussões, a China é considerada como uma república socialista, a qual é governada pelo Partido Comunista da China (PCC) sob um sistema uni partidário.

Neste sentido, os debates que surgem são quanto ao caráter político atual da China, já que apesar de ser considerada como uma república socialista, o capitalismo tem sido expandido naquele território, pelo menos desde a década de 1970 com maior intensidade.

Por muito tempo a China manteve-se com as portas fechadas para a entrada de capital estrangeiro, mas atualmente a China é considerada como o maior polo comercial do mundo, recebendo empreendimentos de várias partes do mundo. Para alguns teóricos, isso coloca em descrença a ideia de que a China é socialista ainda nos dias atuais.

Veja também: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul: o BRICS

Revolução Chinesa

A história da China é marcada pelos movimentos revolucionários, o que ficou impresso em sua bandeira e nos demais símbolos oficiais. A Revolução Chinesa teve dois momentos importantes, tendo sido o primeiro deles com a derrubada da Dinastia Manchu, ainda no ano de 1911, onde houve a proclamação da República da China.

Esse movimento ficou conhecido como Revolução Nacionalista ou Revolução de Xinhai (Hsinhai, Primeira Revolução Chinesa). Na ocasião, este movimento foi liderado por Sun Yat-Sem (estadista, político e líder revolucionário chinês), o qual fundou o “Kuomintang da China”, conhecido como Partido Nacionalista Chinês.

Sun Yat-Sem foi também o primeiro presidente das Províncias Unidas da China. No entanto, anos mais tarde a China enfrenta uma nova onda de manifestações e um segundo processo revolucionário, denominado como Revolução Comunista, o qual estabeleceu-se no ano de 1949, com a conclusão da Guerra Civil Chinesa naquele território.

Na ocasião, o grupo ligado aos comunistas toma o poder na China, proclamando a Revolução Comunista da China. O nome de destaque como líder foi o de Mao Tsé-Tung, o qual fundou a República Popular da China, governando-a entre os anos de 1949, quando de sua criação, até os anos de 1976, quando ele falece.

Veja também: China ganha a maior cachoeira artificial da Ásia

Mao Tsé-Tung promove, em seu governo, profundas transformações na China, as quais vão desde a coletivização das terras, um maior controle por parte do Estado em relação à economia e um intenso processo de nacionalização das empresas estrangeiras.

Deste modo, os interesses de todos os grupos, ou classes sociais, deveriam estar alinhados com os pressupostos do Partido Comunista da China.

 

Referências

»VESENTINI, José William. Geografia: o mundo em transição. São Paulo: Ática, 2011.

Sobre o autor

Avatar
Mestre em Geografia e Graduada em Geografia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Especialista em Neuropedagogia pela Faculdade Alfa de Umuarama (FAU) e em Educação Profissional e Tecnológica (São Braz).