Significado da bandeira da Islândia

A bandeira desse país foi adotada em 14 de junho de 1944, após conquistarem a independência

As bandeiras são importantes elementos de representação para os países do mundo, isso porque carregam aspectos da história e cultura destes.

Através das bandeiras, é possível conhecer um pouco sobre acontecimentos relevantes que envolveram o país representado, bem como os recursos naturais que foram importantes historicamente. No entanto, nem todas as bandeiras apresentam elementos claros em sua composição.

A maioria delas apresenta cores e símbolos que não possuem um significado evidente em um primeiro momento, mas que somente quando estudados é que fornecem explicações. Além das bandeiras, são elementos importantes também os brasões de armas, os hinos nacionais e outros objetos, os quais são habitualmente usados em eventos oficiais.

A bandeira da Islândia e seus significados

A bandeira da Islândia possui uma composição com três cores, sendo elas: o azul escuro, o vermelho e o branco. O azul ocupa o fundo da bandeira, sendo que sobre ele está disposta uma cruz escandinava com cor vermelha, a qual possui suas bordas em branco.

A cruz escandinava compõe a banheira da Islândia

A bandeira da Islândia possui três cores (Foto: depositphotos)

A bandeira possui formato retangular, e o padrão comumente utilizado é de 18:25. Desta forma, se ela tiver 1,8 metro de largura, deverá ter 2,5 metros de comprimento, para que esteja disposta em seu contexto oficial. Países como Dinamarca, Finlândia, Noruega, Suécia, as Ilhas Faroé também utilizam a cruz escandinava em suas bandeiras, no entanto, com cores e composições diferenciadas.

Cores da bandeira e representações

Em relação as cores da bandeira da Islândia, há um uma especulação de que estas representem o céu na cor azul, o fogo na cor vermelha e a neve na cor branca. Assim, fazendo referência a elementos relevantes da cultura local. Em outra versão, encontra-se o céu substituído pelo mar, já que é uma região de ilhas.

Veja também: Quantos países fazem parte da Europa?

O fogo estaria representando a atividade vulcânica que formou a ilha, através da lava oriunda dos vulcões. Já o branco, enquanto neve, representa os sucessivos períodos de gelo na Islândia, quando tudo fica recoberto pela neve. Seriam, portanto, simbolismos do ambiente natural da Islândia que estariam representados na bandeira.

Cruz nórdica

A primeira bandeira a adotar a cruz nórdica em sua composição foi a Dinamarca, sendo que os demais países nórdicos aderiram a ideia posteriormente.

A bandeira da Noruega mesmo é muito parecida com a bandeira da Islândia, variando apenas na distribuição das cores. Os países nórdicos são aqueles que constituem uma região localizada na Europa Setentrional e no Atlântico Norte, da qual fazem parte a Dinamarca, a Finlândia, a Islândia, a Noruega e a Suécia, além das regiões autônomas das Ilhas Faroé, das Ilhas de Aland e da Groenlândia.

A referência de nórdicos, também aparecendo como escandinavos em muitos casos, se remete aos povos nórdicos, os quais eram exploradores, guerreiros, comerciantes e piratas, cuja referência mais conhecida são os Vikings.

A Islândia conta com uma bandeira oficial adotada em 14 de junho de 1944, no contexto de sua independência, além disso, com um hino nacional denominado de “Lofsöngur”, e de um brasão de armas.

Brasão de armas

O brasão de armas não está disposto sobre a bandeira, no entanto, apresenta importantes elementos culturais dos povos nórdicos, como o touro (Griðungur), a águia ou grifo (Gammur), o dragão (Dreki) e o gigante (Bergrisi), cada um deles sendo responsável pelos cuidados com uma dada região do território da Islândia.

Há uma representação também com as cores da bandeira, azul ao fundo, uma cruz em vermelho com bordas brancas, a qual se apresenta em forma de um escudo.

Veja tambémConheça as 10 cidades mais limpas do mundo

Assim, nota-se que a bandeira oficial da Islândia tem forte relação com o passado histórico daquele povo, fazendo clara referência ao cultural.

A Islândia e suas características

A Islândia se destaca por ser um país com baixíssima densidade demográfica

Reykjavík é a capital da Islândia (Foto: depositphotos)

A Islândia é um país bastante interessante, especialmente por conta de suas condições físicas, como vulcões ativos, o fenômeno chamado de “Sol da meia-noite”, mas também a baixíssima densidade demográfica e as condições de vida em um ambiente de clima gelado.

A Islândia é um território nórdico insular europeu, ou seja, é uma ilha localizada no continente europeu constituída originalmente pelos povos nórdicos. Basicamente, o país é formado por uma porção continental e mais algumas ilhas localizadas no Oceano Atlântico. Está localizado no Atlântico Norte, entre a porção continental do continente europeu e a Groenlândia. Em relação a sua extensão total, a Islândia possui 103.000 km² de dimensão.

Por estar em uma porção do globo de altas latitudes, na região do Círculo Polar Ártico, Iceland (nome original) é conhecida como a Terra do Gelo, e apesar da localização, seu clima ainda é mais ameno do que em outros locais na mesma latitude, isso por conta das influências da corrente do Golfo.

Essa corrente marítima é bastante forte e rápida, além de ser quente, originária no Oceano Atlântico, especificamente na região do Golfo do México. Com isso, ela leva águas quentes até a região do Atlântico Norte, aquecendo aquelas águas.

Veja também: Regiões polares

Relevo

O relevo da Islândia é bastante montanhoso, com gigantesca cadeia de montanhas

A aurora boreal acontece na Islândia no final de setembro e início de março (Foto: depositphotos)

A Islândia é uma das áreas do globo com grande risco de erupções vulcânicas, já que possui centenas de vulcões, sendo dezenas deles em atividade. Por conta disso, o relevo da Islândia é bastante montanhoso, irregular.

Seu território é atravessado pela chamada Dorsal Atlântica, a qual é uma gigantesca cadeia de montanhas, tendo origem no choque entre as placas tectônicas da América e da Europa. O relevo da Islândia está em constante processo de produção, já que de tempos em tempos os vulcões entram em erupção.

Além disso, na Islândia são comuns também os gêiseres, os quais são fontes de água quente oriundas do interior da Terra, quando as águas são lançadas por dezenas de metros de altura. A ação dos gêiseres auxilia no derretimento do gelo que recobre o solo nas épocas mais frias.

Economia

Por ser uma ilha, ainda mais com condições limitantes pela presença de um relevo em permanente construção e pelas erupções, a Islândia tem uma economia voltada especialmente para a exploração dos recursos naturais. São destaques as fontes energéticas oriundas do calor da Terra, geotérmicas, também hidrotérmicas.

A pesca é um importante elemento econômico da Islândia, movimentando a economia do local. Além disso, a presença dos vulcões e os gêiseres atraem muitos turistas, fazendo do turismo uma atividade de destaque.

A Islândia é destaque ainda em relação a qualidade de vida, com um elevado Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e uma elevada expectativa de vida, passando dos 80 anos.

 

Referências

» TAMDJIAN, James Onnig. Geografia: estudos para a compreensão do espaço. São Paulo: FTD, 2012.

» VEDOVATE, Fernando Carlo. Projeto Araribá: Geografia. 3 ed. São Paulo: Moderna, 2010.

Sobre o autor

Avatar
Mestre em Geografia e Graduada em Geografia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Especialista em Neuropedagogia pela Faculdade Alfa de Umuarama (FAU) e em Educação Profissional e Tecnológica (São Braz).