Todo político é corrupto? Entenda a origem da corrupção no Brasil

Há muito tempo o Brasil atravessa uma crise política. O que nos leva a perguntar: todo político é corrupto? Na verdade, alguns estudiosos afirmam que a corrupção em nosso país é embrionária. Ela apenas teria se sofisticado atualmente.

Mas para responder a essa pergunta, é preciso ir mais fundo do que simplesmente afirmar que todo político é corrupto. Pois, na verdade, isso é muito mais um sistema que funciona de maneira errada do que somente ações isoladas de pessoas com mandato.

Neste artigo, você tomará ciência da origem da corrupção e das resposta para a pergunta: todo político é corrupto? Entenda.

Origem da corrupção no Brasil

O filósofo Sócrates tem uma frase célebre que diz: “todo corpo é corrupto, ele faz aquilo que é melhor para ele”. Essa frase de efeito cai bem se analisarmos tudo o que já aconteceu no campo político do Brasil.

A origem da corrupção no Brasil remonta o século 16 ainda no período da colonização portuguesa. E ela começou quando os funcionários públicos que fiscalizavam os negócios da coroa portuguesa usavam da sua influência para comercializar produtos brasileiros.

Para entender a origem da corrupção no Brasil é preciso entender a história desse país

Os primeiros vestígios de corrupção no Brasil remonta o período da colonização portuguesa (Foto: depositphotos)

As primeiras propinas foram de especiarias, pau-brasil, tabaco, ouro e diamante. E a corrupção se dava pois naquela época as riquezas do Brasil só poderiam ser vendidas com autorização do rei. Mas nem sempre isso acontecia. Logo, o desvio desses produtos é considerado como os primeiros casos de beneficiamento ilícito.

Por outro lado, os monarcas não puniam os funcionários públicos que faziam isso, pois eles tinham muitos negócios a administrar e isso não era prioridade. O reflexo desse postura conivente foi o crescimento desse tipo de comportamento.

Com o passar dos anos, a corrupção do Brasil sofisticou a sua metodologia. Por exemplo, no final da era da produção do açúcar, em 1850, o tráfico de escravos foi proibido, mas ainda assim os escravos continuavam chegando no Brasil.

O tráfico negreiro produzia muito lucro para todos os envolvidos e, por isso, continuou a todo vapor mesmo sendo proibido.

Veja tambémEscravidão no Brasil – História e detalhes da abolição da escravatura

Corrupção na época da Independência do Brasil

Assim que o Brasil ficou independente, em 1822, tinha início outro tipo de corrupção: a política. As fraudes eleitorais e a concessão de obras públicas nasciam nessa época.

Um exemplo dado pela Ong brasileira ‘Contra Corrupção’ deixa claro o que acontecia nos primeiros anos do Brasil império e que se parecem muito com o que ocorre hoje em dia.

Foi quando o Visconde de Mauá recebeu uma licença para explorar o mar e a vendeu para uma companhia inglesa em troca de tornar-se diretor.

Essa conduta foi se repetindo em vários níveis, principalmente por aqueles que iam aos poucos abrindo mão do tráfico negreiro e precisavam manter sua riqueza e poder.

Durante as primeiras eleições, por exemplo, só votava quem tinha posses ou quem era conhecido dos candidatos.

Corrupção com a proclamação da República

Em 1889, instalava-se no Brasil um sistema ainda mais desenvolvido de corrupção. Quando os coronéis das pequenas cidades obrigavam os seus funcionários a votarem em quem ele queria, do contrário, perdia o emprego. É o que chamamos de coronelismo.

A compra de votos também se firmava nessa época. Quando o eleitor vendia o seu voto por objetos e dinheiro. Além disso, o sistema de apuração dos votos era extremamente corrupto, pois os votos nos deputados que não interessavam a base governista eram simplesmente anulados. Ou seja, só se elegia quem o presidente queria.

Os casos eram tão graves que até um presidente eleito pela maioria dos votantes foi simplesmente tirado da jogada por um grupo economicamente mais forte. Isso acontece no final da década de 20, quando o vencedor das eleições de 1929, Júlio Prestes, foi envolvido em uma armação que não permitiu que ele tomasse posse.

Veja também: Governo de Getúlio Vargas – Primeiro e segundo mandato

Quem assumiu no seu lugar foi Getúlio Vargas, que tinha o apoio da oligarquia da época. Para você ter uma ideia, Prestes teve mais de um milhão de votos, enquanto Vargas não chegou a 750 mil. Ainda assim o segundo assumiu seu lugar.

Corrupção durante a Ditadura Militar

A origem da corrupção no Brasil tem relação com a permissividade

Durante todas as fases da história do Brasil são percebidos comportamentos corruptos (Foto: depositphotos)

Após o golpe de 1964, o Brasil entrava em uma ditadura. Nesse época muitos fatos foram encobertos e alguns vieram à tona. Foi nesse período se intensificou a corrupção nas empresas estatais.

O esquema era bem parecido com os escândalos de corrupção mais atuais. Um exemplo que tornou-se famoso foi de uma empresa privada sem fins lucrativos, dirigida por militares, que administrava uma previdência privada.

Para aumentar os seus fundos que deveriam ser destinados para as pessoas que iriam se aposentar, essa empresa dos militares resolveu participar de uma licitação de uma empresa estatal.

Obviamente, eles ganharam a concorrência, graças à propina paga com o dinheiro dos aposentados para a pessoa responsável pela licitação. Em contrapartida, os militares que ganharam o contrato jamais fizeram a obra, que era um ação de desmatamento em uma área para a construção de uma hidroelétrica, também estatal.

O prejuízo ficou totalmente para os contribuintes, pois foi usado o dinheiro dos fundos para dar propina para vencer a licitação, cuja obra jamais foi feita. Muitos casos semelhantes aconteceram durante a época da ditadura.

Corrupção durante a redemocratização brasileira

Com o fim da era militar no Brasil que se estendeu até 1985, as ‘Diretas Já’ levaram milhares de brasileiros às ruas. Parecia ser o fim da corrupção no país. Mas tudo não passava de um aprofundamento das técnicas criminosas.

O fato mais relevante que veio a público nessa época foi o impeachment do presidente Fernando Collor. Mas o esquema de corrupção começou bem antes, ainda na época da campanha quando ela foi patrocinada por usineiros do estado de Alagoas, o estado de origem do político.

Veja também: Governo de Fernando Collor de Melo

Ao todo, a estrutura montada para eleger o alagoano movimentou cerca de 1 bilhão de dólares, administrados pelo seu tesoureiro Paulo César Farias, conhecido como PC, que viria a ser assassinado anos depois.

Os políticos são os culpados pela corrupção?

Ao analisarmos os fatos políticos ocorridos desde a época do Brasil colônia nos damos conta do quanto a cultura da corrupção está enraizada no comportamento político nacional. Porém, ao nos aprofundarmos ainda mais, percebemos que os civis também contribuem nas atividades do dia a dia para sistemas altamente corruptos.

Quando praticamos pequenas violações também estamos contribuindo para esquemas maiores: ao darmos propina para o guarda de trânsito ou pagarmos por serviços públicos. Afinal, todo político também já foi uma pessoa comum.

Vale lembrar também que a política somos todos nós. Logo, seria inapropriado afirmarmos que todo político é corrupto, porém fica a missão de nos policiarmos e lutarmos pelo fim dos privilégios e esquemas criminosos na gestão pública.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista formada pela Universidade Federal da Paraíba com especialização em Comunicação Empresarial. Passagens pelas redações da BandNews e BandSports, TV Jornal e assessoria de imprensa de órgãos públicos.