‘Tudo a ver’ ou ‘tudo haver’: Qual devo usar? Descubra agora

“Tudo a ver” ou “tudo haver”: qual é a correta? Estamos diante de um caso comum na língua portuguesa, que envolve a escrita de duas expressões idênticas, sonoramente falando. Afinal, ambas as expressões estão corretas? Não, apenas uma delas.

“Tudo a ver” é a forma correta

A expressão “tudo haver” representa um desacordo no padrão formal da linguagem, ou seja, ela não existe. A expressão “tudo a ver” é a única correta e indica que algo está relacionado, diz respeito ou corresponde.

Confira os exemplos a seguir:

'Tudo a ver' ou 'tudo haver': Qual devo usar? Descubra agora

Foto: depositphotos

-A história do filme tem tudo a ver comigo.
-Tenho tudo a ver com o seu desempenho na escola!
-Esse livro tem tudo a ver com você!
-A presença da polícia no local tem tudo a ver com o acidente.

E a expressão “nada a ver”?

“Tudo a ver” e “nada a ver” são expressões antônimas. Observe os exemplos a seguir:

-Eu não tenho nada a ver com isso.
-Seu argumento não tem nada a ver com o caso.
-João não tem nada a ver com a briga dos irmãos.

É importante ressaltar que a expressão “nada haver” também não existe na língua portuguesa. A expressão “nada a ver” é sempre formada pelo verbo “ver” precedido da preposição “a”.

Viu como é simples? Lembre-se que devemos empregar somente a expressões “tudo a ver” e “nada a ver”. As expressões “tudo haver” e “nada haver” estão erradas e nunca devem ser utilizadas.

Sobre o autor

Avatar
Formada em Letras (Licenciatura em Língua Portuguesa e suas Literaturas) pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), com certificado DELE (Diploma de Español como Lengua Extranjera), outorgado pelo Instituto Cervantes. Produz conteúdo web, abrangendo diversos temas, e realiza trabalhos de tradução e versão em Português-Espanhol.