Destino Manifesto e a Marcha para o Oeste

Destino manifesto: entenda como o projeto de expansão americano para o oeste se deu e quais são as atuais consequências


Com a independência reconhecia em 1783 pela Inglaterra, os Estados Unidos dava início a um processo de democratização. Com o primeiro presidente eleito – George Washington – e com a lei do povoamento, criada em 1862, deu-se início a marcha para o oeste, que tinha como intenção alargar as fronteiras da nação rumo ao norte e ao sul, desenvolver a economia do país, fortalecer as indústrias e a produção de mercadorias, expandir o mercado consumidor possibilitando, assim, a efetiva e total implantação do capitalismo.

Marcha para o Oeste

Marcha para o Oeste

Mapa da Marcha para o Oeste | Imagem: Reprodução

Para viabilizar o projeto, os Estados Unidos da América implantaram o plano de compra territorial e, através dele, compraram a Lousiana, que pertencia a França e Óregon, que pertencia à Inglaterra. Porém, a conquista dos territórios mexicanos se deu através da expropriação – marcada por guerras e violência. Com isso, povos indígenas dos EUA que ocupavam as regiões desde antes da chegada dos colonizadores europeus foram exterminados.

Porém, para os norte-americanos, a “marcha para o oeste” cheia de injustiças e violência era legitimada por um ideal maior. Os colonos, de origem cristã, baseados na passagem bíblica que cita um povo escolhido em busca da terra prometida, acreditavam que todo o projeto era baseado na questão religiosa, já que eles eram o povo escolhido por Deus para povoar novas terras, prosperar economicamente e governar e proteger o restante do mundo.

Destino Manifesto

Denominada de Destino Manifesto, mesmo tendo massacrando antigas populações, a doutrina justificou o processo de expansão territorial que acelerou o processo de desenvolvimento agrícola, ampliando as produções de trigo, milho, algodão; pecuário, fortalecendo a criação de ovinos, suínos e bovinos; e industrial, aumentando o mercado consumidor e possibilitando investimentos em infraestrutura.

O sucesso da política supostamente comprovava que eles eram de fato o povo escolhido por Deus. O sentimento de “povo divino” transformou as 13 colônias na maior potência mundial.

O Destino Manifesto até hoje reflete nas ações do país. Exemplo é o ideal intervencionista estadunidense de ação política e militar externa. Todas as ações bélicas, principalmente as dos séculos XX e XXI, podem ser explicadas pelo plano “divino” de colonização do oeste, já que, pra muitos norte-americanos, eles continuam sendo o povo escolhido por Deus para guiar o restante do mundo.


Reportar erro