Independência da Índia

A Independência da Índia, que ocorreu em 1947, teve um nome muito importante envolvido, Mahatma Gandhi, grande pacifista.Veja um resumo deste acontecimento


A Índia é um país com proporções continentais que possui uma média de 3,3 milhões de km². Ele foi uma das mais importantes colônias da Inglaterra desde o século 18, se analisado do ponto de vista econômico.

No ano de 1885 a Índia começou a se mostrar interessada em conseguir sua independência, e intelectuais indianos começaram um movimento nacionalista na região. Porém, esse movimento foi algo sem muita relevância para a história da nação, pois até o fim da Primeira Guerra Mundial ele ainda não havia conseguido nenhuma vitória significativa. Ao fim desta guerra a Inglaterra se viu enfraquecida financeiramente, demonstrando possuir uma grande dificuldade em manter seu extenso império, que havia sido construído no decorrer dos séculos 18 e 19.

Independência da Índia

Gandhi, um dos grandes responsáveis pela independência da Ìndia. | Imagem: Reprodução

A Índia também não se ajudava muito, ao invés de buscarem se unir em prol de sua liberdade ela se via dividida há séculos pelos conflitos religiosos entre os hindus e os muçulmanos, que haviam criado suas próprias organizações políticas pela independência.

Mahatma Gandhi

Um grupo conseguiu se destacar, pois contava com o numeroso número de hindus. O Partido do Congresso possuía um líder chamado Mohand Gandhi, que ficaria conhecido logo depois como “Mahatma” ou “Grande Alma”, adjetivo que ele rejeitava veementemente. Um  advogado que pregava a resistência à dominação e a luta contra os britânicos. Ele não era favorável a violência  e acreditava que poderiam conseguir êxito através da desobediência civil, método que ele já havia utilizado contra o Apartheid, na África do Sul, onde viveu durante um bom tempo.

Tendo como base a união dos muçulmanos e hindus, Gandhi acreditava que se desobedecessem as leis inglesas sem demonstrar nenhuma preocupação com as consequências, assim como boicotar os diversos produtos britânicos e também a prática de greve de fome, eles poderiam dar passos largos a caminho da independência. Essa atitude pacifista fez com que ele adquirisse admiradores em todo o mundo, inclusive na própria Inglaterra.

Mesmo com toda a tentativa de Gandhi, os praticantes do islamismo decidiram continuar agindo por conta própria, e se uniram a Liga Muçulmana, que estava sob o comando de Muhhamad Ali Jinnah. Essa divisão não era boa para o desejo dos indianos. A divisão interna no país os levava a conflitos, que eram aproveitados pelos ingleses como uma tentativa de tornar mais distante o processo de independência da nação.

A Independência e os conflitos religiosos

Com o apogeu da Segunda Guerra Mundial, a Inglaterra se mostrou fraca, sem condições de conseguir manter o domínio sobre a Índia, e em 15 de agosto de 1947, finalmente, foi concedida a sua independência. Agora o país passava por outro problema, resolver os conflitos religiosos que dividia a nação em duas, que se nomearia como Índia, e Paquistão.

A violência religiosa não cedeu, o que levou a um dos mais lamentados fatos da história, o assassinato de Gandhi, em 1948, por um radical hindu. Na mesma época a ilha de Ceilão, localizada a sudeste do país, tornou-se independente, vindo a ser nomeada Sri Lanka, assim como o Paquistão viera a formar um novo País em 1971, Bangladesh.

Atualmente ainda existem alguns conflitos no país, mas em menor escala do que os que aconteceram anteriormente. Outras religiões foram surgindo, como o budismo, e o clima foi se tornando mais ameno com o passar dos anos.

Resumo cronológico da Independência da Índia

  • 1858 – Revolta dos Cípaios, culminando na coroação da Rainha Vitória como imperatriz dos indianos;
  • 1920 – A partir desta data Mahatma Gandhi e Jawaharlal Nerhu começam a liderar o movimento de independência;
  • 1947 – Os Ingleses reconhecem a independência da Índia;
  • 1949 – Gandhi é assassinado devido a divergências religiosas;
  • 1971 – O Paquistão vem a se formar um novo país, Bangladesh.

Reportar erro