Resumo sobre a Revolução Industrial

Por Camila Albuquerque

Resumo sobre a Revolução Industrial

Máquina de fiar, que ajudou a deixar a produção de tecidos mais rápida durante a Revolução Industrial. | Imagem: Reprodução

Fatores que ajudaram

  • Até o final do século XVIII, a maioria da população da Europa ainda vivia no campo, sob o esquema: produzir para consumir. Mas isso começava a mudar com o desenvolvimento das capitais e centros de comércio.
  • Na Inglaterra e na França, por exemplo, já existiam as manufaturas (onde artesãos realizavam seus trabalhos, porém eram subordinados ao proprietário).
  • A máquina a vapor foi construída na Inglaterra, isso foi considerado um grande avanço já que as máquinas poupavam o tempo do trabalho humano e, teoricamente, ainda produziam mais.
  • Com a produção maior, por causa das máquinas, vieram maiores lucros e consequentemente, mais investimentos em indústrias por parte dos empresários.

A Revolução Industrial

Nos livros de história, a Revolução Industrial sempre ganha bastante destaque, pois, de fato, foi um marco importante para o ser humano. Era um conjunto de mudanças que ocorreram na Europa entre os séculos XVIII e XIX, que modificou bastante a população daquela época. A Inglaterra foi o primeiro e principal país que se “rendeu” à Revolução Industrial, pois possuía uma rica burguesia, a mais importante zona de livre comércio da Europa, sua localização privilegiada, próxima ao mar – que facilitava a exploração de outros mercados. Por esses e outros fatores, a Inglaterra foi a única a participar da Primeira Etapa da Revolução Industrial, de 1760 a 1860. Durante este período, houve o surgimento de indústrias de tecidos de algodão – por causa do tear mecânico – e o aprimoramento das máquinas a vapor, que contribuía para uma segunda etapa.

A Segunda Etapa da Revolução Industrial ocorreu entre 1860 e 1900, desta vez, chegando à Alemanha, França, Rússia e Itália, que também se industrializavam. Este período foi caracterizado pelo emprego do aço, a utilização da energia elétrica e dos combustíveis derivados do petróleo, a invenção do motor, a locomotiva a vapor e o desenvolvimento de produtos químicos. Com a primeira e a segunda etapa, vieram:

  • A exploração de trabalhadores, nem mulheres e crianças escapavam do trabalho duro e pesado, que poderia chegar até 15 horas por dia.
  • Trabalhadores revoltados com as péssimas condições de trabalho (carga horária alta e salários muito baixos, por exemplo) que começaram a sabotar as máquinas – estes ficaram conhecidos como “os quebradores de máquina”.
  • Outros movimentos que buscavam ajudar o trabalhador também surgiram, muitos repudiavam a “substituição” dos trabalhadores por máquinas nas indústrias.
  • Os avanços na ciência não paravam. Em pouco tempo, uma verdadeira explosão de descobertas aconteceu (vide máquinas e mais máquinas).
  • Os impactos ambientais começavam a se agravar. Se antes o homem já não se mostrava tão preocupado com isso, durante a revolução parecia menos ainda.

Alguns historiadores acreditam que a terceira etapa da revolução sejam os séculos XX e XXI, pois os avanços tecnológicos desses dois séculos são inúmeros (o computador, a internet, o celular, o fax, etc.) e não param de acontecer. Portanto, as duas primeiras etapas – a Revolução Industrial em si – teriam nos levado ao local onde estamos hoje: um mundo mais confortável e desenvolvido devido aos avanços (tecnológicos ou não) daquela época.