Seminário: Pesquisadores debatem uso de recursos educacionais abertos

Pesquisadores e parlamentares debateram em seminário conjunto das comissões de Educação e Cultura, da Câmara, o uso de recursos educacionais abertos


Pesquisadores e parlamentares debateram na quarta-feira (20), em seminário conjunto das comissões de Educação e Cultura, da Câmara dos Deputados, o uso de recursos educacionais abertos.

Esses recursos – os REA, como são chamados na área de educação – são materiais de ensino, aprendizado e pesquisa fixados por qualquer suporte ou mídia, que estão sob domínio público, ou estão licenciados de maneira aberta, permitindo que sejam utilizados ou adaptados por terceiros. A metodologia prevê que todos devem ter a liberdade de usar, personalizar, melhorar e redistribuir os recursos.

Segundo os educadores, a utilização de formatos técnicos abertos facilita o acesso e o reuso dos recursos publicados. Nos REA, estão incluídos cursos, livros didáticos, artigos de pesquisa e outros materiais que possam apoiar o acesso ao conhecimento. Com isso, os recursos abertos podem podem tornar a educação mais acessível e trazer menos gastos, além de estimular uma cultura participativa.

Seminário: Pesquisadores debatem uso de recursos educacionais abertos

Foto: Agência Brasil

Para a deputada Jandira Feghali (PCdoB), que acompanhou os debates, o Brasil deveria adotar amplamente a experiência dos REA para que este seja um elemento transformador da educação no país. “Sempre levantamos o tripé da educação, cultura e comunicação, e esse conceito junta essas três possibilidades e não invade o direito autoral porque lida com domínio público.”

A deputada destacou como aspecto fundamental a possibilidade de regionalização do conteúdo a partir da adaptação dos materiais. “Você não pode fazer uma educação simplesmente conceitual e genérica. As pessoas precisam entender sua realidade e compreender sua riqueza local”, disse.

O consultor em Política Pública de Dados Abertos do Ministério do Interior da República da Eslováquia, Jan Gondol, relatou o caso de uma especialista que, ao fazer pesquisa sobre câncer, encontra na internet diversos artigos sobre o tema, mas é preciso pagar para lê-los.

“Com conteúdos abertos, ela teria acesso facilitado à informação e aprimoraria o conhecimento para as pesquisas”, disse. Segundo Gondol, a pesquisadora gasta tempo se comunicando com colegas de universidades para pedir o envio de artigos ou usa o Twitter para contatar pessoas e conseguir os textos. Ela poderia estar usando esse tempo para fazer pesquisa”, afirmou,

A fundadora do Projeto REA.br e vice-presidente da Public Knowledge, Carolina Rossini, destacou que educação aberta é um caminho importante para a inclusão na sociedade do conhecimento. “Precisamos pensar a inclusão digital por meio de metodologias educacionais que coloquem tanto o professor quanto o aluno no centro da pauta educacional e no centro da criação. E estimula também o empreendedorismo”, disse.

*Da Agência Brasil


Reportar erro