,

Curiosidade: A banana tem semente?

Bananas que servem para o consumo não têm sementes, mas isso não é uma regra geral. Confira

Se tem um item que sempre fez parte da alimentação do povo brasileiro é a banana. Ingerida in natura (pura e sem misturas) ou em diversos tipos de receitas, a banana é conhecida como uma das frutas mais consumidas no mundo todo. Mas existe uma dúvida sobre essa fruta que sempre foi tão próxima das nossas dietas: as bananas têm semente?

Antes de responder essa pergunta, é bom saber algumas informações sobre a banana. O Brasil é o país que mais exporta essa fruta, assim como também o que mais a consome.

De acordo com dados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), só em 2017 o Brasil exportou mais de 41 toneladas de bananas de vários tipos para outros países. Entre os principais destinos estão o Uruguai, Argentina e Polônia.

Tendo em mente o quão a banana é importante para a economia agropecuária do país e comum no nosso dia a dia, podemos seguir em frente com as curiosidades sobre essa fruta tão cultivada e querida por aqui.

A banana tem sementes?

Os pontinhos pretos da banana não são sementes

A banana é um dos frutos mais consumidos no mundo (Foto: depositphotos)

De forma geral, não. Existem alguns pontinhos pretos no interior da banana e muita gente pensa que são sementes. Na verdade, aqueles pontinhos são óvulos não fecundados da planta.

Isso não quer dizer que toda banana não tem sementes, só que aquelas que consumimos não possuem. Calma! Vamos explicar tudo direitinho.

A banana é um fruto partenocárpico. Esse tipo de fruto não usa de fecundação para se reproduzir. O processo de partenocarpia pode acontecer de duas maneiras: de forma natural ou induzida artificialmente.

No Brasil, e em muitos outros países, as bananas não têm sementes pela junção dos dois tipos de partenocarpia. Como esse tipo de fruto é voltado quase que unicamente a alimentação, encontrá-lo sem sementes é bem mais vantajoso.

Veja também: Bananas são naturalmente radioativas, sabia dessa? Entenda

A tendência de não possuir sementes e a manipulação agronômica do seu cultivo e manuseio fizeram da banana uma fruta sem sementes.

Mas ainda existem bananas com semente?

Não só pode, mas elas existem. É preciso lembrar que toda planta é um ser vivo, e a maioria delas também possui sistemas de defesa, sobrevivência e reprodução. Esse sistema quase racional da natureza pode fazer com que bananas nasçam com sementes, a fim de garantir que elas continuem existindo na natureza.

No sul da Ásia, por exemplo, existe um tipo de banana chamada Musa balbisiana, que é conhecida por ter sementes no seu interior. Seu aspecto interno se assemelha a conhecida pinha, que pode ser encontrada facilmente no Brasil.

Essa espécie de banana nasce no sul da Ásia e é imprópria para consumo humano

A banana com sementes é chamada Musa balbisiana (Foto: depositphotos)

Vale lembrar que as bananas com semente são chamadas de “bananas selvagens”, e deixam de ser indicadas para o consumo. Elas desenvolvem semente como resultado de stress ambiental, situação que muda vários pontos nutricionais na planta. Inclusive algumas delas podem fazer mal ao organismo humano, devido as propriedades das suas sementes.

A banana partenocárpica, a conhecida banana sem sementes, deve continuar sendo a única opção nas mesas e fruteiras de casas em todo o mundo.

Veja também: Expressão ‘a preço de banana’

Então como nasce uma bananeira?

A reprodução da bananeira é feita de forma vegetativa. Ou seja, com partes de si própria sendo utilizada para reproduzir mais bananeiras. De modo geral, pode ocorrer de duas formas.

A primeira delas é com a queda dos brotos da bananeira. As bananas nascem em cachos pesados, que uma hora ou outra despencam do seu caule e caem no chão. Junto com eles, podem também cair os brotos da planta. Eles podem até mesmo cair sozinhos.

A reprodução da bananeira pode ocorrer de duas formas: a partir dos brotos ou do caule

As bananas nascem em cachos pesados (Foto: depositphotos)

Esses brotos caídos podem atuar como sementes, dando origem a uma bananeira. Uma desvantagem nesse processo é a falta de variedade genética. A planta que vai nascer do broto será igual a planta que o deixou cair. Dessa forma, algumas deformidades, doenças e riscos genéticos podem passar de uma planta para outra.

A outra forma é a partir do fracionamento de rizoma, que de forma simples, pode ser entendida como a técnica de plantar pedaços do caule da planta.

Uma bananeira pode ainda ser resultado de processos artificiais e de alteração genética, como a produção de mudas in vitro. Sendo um processo caro e difícil, é realizado por grandes produtoras de bananas. Esse processo pode garantir que as bananeiras, assim como os seus frutos, nasçam com características saudáveis e alimentícias.

Veja tambémEducação tecnológica: estudante encontra solução simples para preservar frutas

Mais curiosidades sobre a banana

Quando todas as bananeiras produziam sementes, essas mediam cerca de dois centímetros. Como a maioria não produz mais, a bananeira é chamada de “planta estéril”. Os pontinhos pretos dentro do fruto são óvulos que nunca serão fecundados.

Não se sabe exatamente a origem da bananeira no mundo, pois não existem registros exatos sobre esse tipo de planta antes da mitologia grega e indiana. Muitos historiadores presumem que ela seja originária do Oriente do planeta, de regiões próximas ao sul da China.

Mesmo assim, a origem da palavra “banana” vem de idiomas africanos. Mais especificamente das línguas serra-leonesa e liberiana, que posteriormente foi incorporada aos idiomas derivados do latim.

“Banana” em inglês se escreve da mesma forma e é lida da mesma forma, porém sua pronúncia muda. Os americanos pronunciam mais ou menos como “banena”.

Sobre o autor

Avatar
24 anos, é jornalista e produtor de conteúdo especializado. Atua com produção jornalística há 4 anos. Vencedor do prêmio de empreendedorismo digital “Academic Winner 2017”, promovido pela DeVry University na Califórnia, Estados Unidos. Tem no currículo trabalhos em emissoras de televisão, jornal impresso, revistas e internet. É pernambucano e tem como hobbies escrever, jogar videogames, cinema e estudos sociais.