, ,

O que são zoonoses? Tire suas dúvidas e saiba como evitar

Apesar de existir uma lista extensa de doenças que são consideradas zoonoses, há aquelas que são mais comuns

Quando se tem um animalzinho de estimação, por mais que ele encha de alegria o ambiente onde vive, há uma série de preocupações que os tutores devem ter para manter a saúde e o bem-estar do pet.

Ainda falando de saúde animal, um termo que é visto recorrentemente é zoonose. Mas afinal de contas, o que significa isso e quais os perigos que oferece aos animais?

Zoonoses são doenças causadas por agentes infecciosos (bactérias, fungos, vírus, helmintos etc), que podem não só oferecer perigo para animais, como também para humanos, sendo que um pode acabar se contagiando graças ao outro. Esse tipo de enfermidade é classificada de duas maneiras:

  • Antropozoonozes: zoonoses que são primariamente de animais e que podem ser contraídas por humanos.
  • Zooantroponoses: doença é tipicamente humana, mas pode ser contraída por um animal.
O que são zoonoses?

Foto: depositphotos

Origem e transmissão

Acredita-se que as zoonoses começaram a surgir logo após a humanidade deixar de viver de maneira nômade e dominar a agricultura e a pecuária, já que isso fez com que pessoas se estabelecessem em locais fixos e alterassem o ambiente de diversas maneiras.

Atualmente, o aparecimento de novas zoonoses se dá principalmente pela alteração do meio ambiente, como a construção de estradas através de florestas ou surgimento de comunidades dentro desse tipo de lugar já que isso aproxima as pessoas do ambiente natural de diversas doenças.

As zoonoses podem ser transmitidas de diversas maneiras, podendo ser contraída de maneira direta através da urina, pelos, patas, fezes ou saliva de animais domésticos ou selvagens; ou de maneira indireta, através de uma picada de um mosquito ou outro inseto, principalmente hematófago, que tenha picado um animal hospedeiro de uma zoonose.

Principais doenças

Apesar de existir uma lista extensa de doenças que são consideradas zoonoses, há aquelas que são mais comuns e/ou populares por sua gravidade. São elas:

  • Raiva;
  • Leishmaniose;
  • Leptospirose;
  • Ebola;
  • Sarna;
  • Hantavírus;
  • Dengue;
  • Peste bubônica;
  • Toxoplasmose;
  • Tuberculose;
  • Leishmaniose.

Precauções

A higiene pessoal e dos seus animais de estimação, bem como do ambiente onde você vive, somado a visitas periódicas ao veterinário podem diminuir bastantes os riscos de contrair uma zoonose.

Cuidados para evitar as zoonoses

Como diz o velho ditado,”é melhor prevenir do que remediar”. Felizmente, para os casos de zoonoses, existem vários hábitos que, se seguidos, vão livrar você e sua família, bem como seu animalzinho de estimação, de doenças. São alguns dos principais cuidados:

  • Levar os animais de estimação com frequência ao veterinário a fim de verificar se o pet precisa de algum tipo de cuidado;
  • Se certificar que o animal de estimação está se alimentando bem e com qualidade (evite alimentos crus, como carne ou leite não pasteurizado);
  • Certifique-se que o pet não tenha pulgas, carrapatos ou vermes;
  • Use luvas quando precisar limpar resíduos do seu animal e lave bem as mãos após o contato;
  • Evite ter contato com animais doentes ou silvestres;
  • Não deixe seu animal de estimação beber água de procedência duvidosa ou comer fezes de outros animais;
  • Certifique-se que tanto você, quanto os seus pets estejam com as vacinas em dia;
  • A dica mais importante para se evitar as zoonoses é a higiene, já que um local sujo irá atrair visitantes indesejados para o seu lar ou do seu pet.

Raiva

Também chamada de hidrofobia, a raiva é talvez a zoonose mais famosa. Ela é retratada com a figura de um cão raivoso com a boca espumando. Apesar de existir uma vacina contra a doença, ela só é efetiva nos primeiros dias após a infecção. Em alguns casos, a pessoa pode acabar nem sentindo o momento em que é infectada, como acontece nos casos onde o contágio acontece por mordidas de morcegos hematófagos.

Após alguns dias, a infecção chega ao cérebro e a doença passa a ser considerada fatal. Felizmente, em 2004, um tratamento experimental onde o paciente é colocado em coma induzido para que a infecção não se espalhe e são administrados antivirais para combater a enfermidade se mostrou eficiente, por ter curado Jeanna Giese, que na época tinha 15 anos. O tratamento ficou conhecido como Protocolo Milwaukee e foi criado pelo pediatra especialista em infecções, Rodney Willoughby Jr.

Em 2009, foi noticiado o primeiro caso de cura da raiva no Brasil. O jovem Marciano Menezes da Silva, que vive em Floresta, cidade que fica no sertão de Pernambuco, foi mordido por um morcego e após os médicos do Hospital Universitário Oswaldo Cruz, que fica na capital do estado, seguirem o Protocolo Milwaukee, conseguiram curar o jovem após ele passar 11 meses internado.