Saiba quando os EUA e a Rússia planejam ir à Lua juntos

O dia 20 de julho de 1969 ficou marcado no calendário mundial, pois esta foi a data em que o primeiro homem pisou na Lua pela primeira vez em toda a história da humanidade.

Este foi um dos resultados da Guerra Fria que ocorreu entre Estados Unidos da América e União Soviética (atual Rússia), tendo em vista que a corrida espacial era uma das vertentes do conflito desarmado. De lá para cá, outros projetos para voltar ao satélite natural da Terra foram pensados, mas não colocados em prática.

Após mais de 40 anos, Rússia e EUA pensam em voltar à Lua mas, desta vez, juntos. A ideia é unir os trabalhos da National Aeronautics and Space Administration (Nasa) com os do Instituto dos problemas médicos e biológicos da Academia de Ciências da Rússia (RAN) e assim conseguir ir até o satélite natural. Porém, esta união tem como proposta fazer da Lua uma escala até chegar em Marte, por volta do ano 2030.

Saiba quando os EUA e a Rússia planejam voltar à Lua juntos

Foto: depositphotos

A união destes países

De acordo com o site SputnikNews, enquanto que a Nasa contribui com estudos relacionados à insolação, provas experimentais e tarefas científicas, a RAN tenta compreender melhor o organismo humano diante de situações espaciais que possuem um longo período de duração para traçar aspectos importantes da saúde e comportamentos dos cosmonautas.

A união de dois velhos conhecidos do mundo espacial, EUA e Rússia, não é algo novo, pois ambos já trabalharam na construção da maior e mais moderna estrutura já montada pelo homem no espaço, isto é, a Estação Espacial Internacional (ISS). Desde 1993, que estas nações funcionam lado a lado pelos avanços da ciência espacial.

Proposta da viagem

Segundo os representantes da Nasa, a exploração da Lua não é um dos objetivos deste novo trabalho, mas sim criar uma base lunar para que seja possível ir mais longe no espaço. A ideia é ir para Marte, mas com escala no satélite natural da Terra. Para isso, junta-se não só os esforços dos Estados Unidos e da Rússia, mas também da agência espacial japonesa JAXA e de outros países que também queriam contribuir com estes estudos.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista (MTB-PE: 6750), formada em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo, pela UniFavip-DeVry, escreve artigos para os mais diversos veículos. Produz um conteúdo original, é atualizada com as noções de SEO e tem versatilidade na produção dos textos.