Constante de Ionização

A constante de ionização, é o equilíbrio em um processo de ionização. Ocorre na formação de íons H+ nos ácidos e de OH- nas bases.


A constante de ionização significa uma constante de equilíbrio de reações que envolvem íons. É conhecida também como constante de dissociação, pode ser definida como um valor que expressa a relação entre as concentrações de eletrólitos dissociados em meio aquoso, isto é, o equilíbrio iônico em solução aquosa.

Isto é, o quociente entre as concentrações dos íons em solução e a concentração do eletrólito. Sendo assim, encontramos a seguinte fórmula:

constante-ionizacao-exemplo

Nesta reação de dissociação chamamos de Ka a constante de ionização do H+, quando temos um ácido forte a concentração do íon hidrogênio H+ é elevada, tendo um valor mais alto.

Exemplos de constante de ionização

Como visto, a constante de ionização, é o equilíbrio que obtemos em um processo de ionização. Este processo é o que ocorre na formação de íons H+ nos ácidos e de OH nas bases. Por isso, quando falamos na constante de ionização, estamos nos referindo, em última instância, à análise da força de ácidos e bases.

Vamos conferir nestes exemplos, o ácido fosfórico e o ácido acético:

constante-ionizacao-exemplo-2

Nos exemplos acima, podemos perceber que a constante de ionização do ácido fosfórico é maior que a do ácido acético, nos indicando então que quando os dois processos estão em equilíbrio, é produzido uma quantidade maior de prótons (íons H+). Por isso dizemos que o ácido fosfórico é mais forte que o ácido acético.

Concluindo essa análise, é possível perceber que quanto maior for a constante de ionização de um ácido, mais forte este ácido será.

Analisando o ácido fosfórico (H3PO4)

Imagine um ácido que possa produzir, por molécula, mais de um próton, como é o caso do ácido fosfórico (H3PO4). Quando completamente ionizado, é capaz de produzir três prótons, no entanto, para cada ionização temos uma constante de equilíbrio diferente, de modo que a primeira ionização tem sua constante sempre muito maior que a segunda.

A segunda, por sua vez, é muito maior que a terceira e assim por diante. Por esse motivo, é possível perceber que quando temos um poliácido fraco, os prótons que são produzidos na sua ionização são proveniente quase que da primeira ionização.


Reportar erro