Poluição química dos rios

Os países emergentes, como Rússia, Índia, China, Brasil, entre outros, são os responsáveis pelos maiores índices de poluições químicas dos rios no Planeta


A poluição é um tema que tem ganhando muito espaço no cotidiano das pessoas, isso porque está cada vez mais presente e tem consequências sérias não só para o meio ambiente, mas também para saúde dos seres vivos, inclusive a dos humanos. Esse é um problema que afeta o ar, o solo e a água.

Os países emergentes, como Rússia, Índia, China, Brasil, entre outros, são os responsáveis pelos maiores índices de poluição química dos rios em todo o Planeta. Mas, apesar de ser considerado um crime ambiental e de gerar multa ou fechamento de indústrias, o ato de degradar os rios tem se tornado muito comum e resulta em situações graves, extinguindo espécies de animais, causando doenças e contaminando um dos recursos mais preciosos do mundo: a água.

Os compostos não-biodegradáveis

São inúmeros os compostos químicos arremessados intencionalmente pelas indústrias nos rios. Assim, os dejetos expelidos por tais empresas, acabam muitas vezes se acumulando nos ambientes aquáticos. Quando isso ocorre, dá-se o nome a essas substâncias de não-biodegradáveis, pois não há no meio ambiente seres capazes de transformar as enzimas delas e, por essa razão, as mesmas se concentram mais rápido. Um bom exemplo desses elementos são os detergentes sintéticos.

Poluição química dos rios

Foto: Reprodução/ internet

Formados por alquilbenzeno-sulfonato, os detergentes sintéticos quando jogados na água formam as chamadas “montanhas de espumas”, e podem ser nocivos tanto para a saúde humana quanto de outros seres vivos. Modificam também a tensão superficial da água e são os responsáveis pelas mortes de algumas aves aquáticas. Pois elas possuem uma substância em suas patas, que não permitem que se molhem. Todavia, em contato com esse elemento, a secreção gordurosa das aves é retirada e muitas morrem afogadas.

Principais poluentes nos rios

  • Sais de metais pesados;
  • Mercúrio;
  • Ácidos;
  • Chumbo;
  • Álcalis;
  • Fenóis;
  • Hidrocarbonetos;
  • Detergentes;
  • Zinco;
  • Cádmio;
  • Níquel.

Consequências da poluição dos rios

Todo o ecossistema aquático, uma vez contaminado, praticamente anula toda a possibilidade de vida nos rios. Isso significa dizer que todos os seres vivos presentes naquela região sofrerão com mortes em massa e em alguns casos haverá a extinção de algumas espécies, caso só vivam naquela localidade.

Além disso, as aves que se alimentam desses peixes atingidos pela poluição química dos rios, também são afetadas. Quando não morrem afogadas, como já explicado anteriormente, elas podem morrer intoxicadas depois de fazer suas refeições.

Outro ser vivo, que também é atingindo nesses casos é o próprio homem, responsável por essa degradação. Isso porque, os produtos químicos aumentam sua concentração através da cadeia alimentar, o que significa dizer que o último a ingerir essas substâncias tóxicas será o mais prejudicado. Os peixes que são afetados por esses elementos, mas que sobrevivem e viram comida para os humanos transferem, com maior intensidade, os produtos químicos. Resultando nos homens o surgimento de doenças e até mesmo levando os consumidores a morte.

Como fazer a descontaminação?

O trabalho de descontaminação é demorado e caro, levando os ambientes aquáticos a ficarem inativos por longos períodos. Além disso, é um processo difícil, uma vez que a água leva o poluente por todo o curso dos rios, contaminando as margens dos mesmos, e em muitos casos o produto químico fica depositado no fundo dos rios, dificultando ainda mais a descontaminação.

Porém, a melhor forma de evitar essa contaminação é exigindo dos órgãos públicos maiores fiscalizações. Pressionando indústrias a tomarem novas formas de tratamentos dos seus dejetos e promovendo uma reeducação e conscientização das pessoas acerca desse assunto. Pois, no final das contas, o maior prejudicado é o próprio poluidor.


Reportar erro