Irã: Cultura e costumes

Conheça um pouco mais sobre a cultura do Irã, sobre o desenvolvimento de sua literatura e cinema além dos costumes da população iraniana

O Irã é um país localizado no continente asiático e que conta com uma extensão territorial de 1.648.000 km², e cuja capital é Teerã. A população do Irã conta com um contingente populacional de mais de 79 milhões de habitantes, sendo que o país tem como religião oficial o Islamismo. 

Características do Irã

O Irã é também conhecido como “Irão” e seu nome oficial enquanto país é República Islâmica do Irã, anteriormente conhecido como Pérsia. O país está localizado na região Sudoeste do continente asiático, no Oriente Médio, e tem fronteiras com Armênia, Azerbaijão e Turcomenistão ao Norte; Rússia e Cazaquistão através do Mar Cáspio; Afeganistão e Paquistão ao Leste; Golfo Pérsico e ainda Golfo de Omã ao Sul; ao Oeste com o Iraque e ainda com a Turquia em seu lado Noroeste.

Irã: Cultura e costumes

Foto: depositphotos

A nacionalidade das pessoas no Irã é “iranianos” e a moeda oficial utilizada no país é o Rial Iraniano. As cidades mais populosas do Irã são Teerã (capital do país), Mashhad, Isfahan, Karaj, Tabriz, dentre outras. A economia do país é fortemente impulsionada pela produção e exportação de petróleo, sendo o território iraniano visto como rico em recursos petrolíferos, e justamente por isso visado por nações que têm interesse no recurso.

Além disso, o Irã é conhecido pelos tapetes caríssimos e apreciados no mundo todo, os quais são importante produto de exportação. Destacam-se ainda as frutas secas e especiarias, a produção agrícola e a pecuária (ovinos, camelos, cabras). As atividades agrícolas são limitadas pelas condições climáticas e pela escassez de recursos hídricos no território.

Cultura do Irã

Existem vários grupos que habitam o Irã, havendo, no entanto, uma predominância em relação aos persas. Estes convivem com azeris, árabes, curdos, lures, dentre outros grupos de menor expressividade quantitativa. Estes grupos possuem culturas diversificadas, o que envolve desde a religião, a linguagem, até as práticas cotidianas. Como a religião oficial é o Islamismo, muitas regras sociais têm como base as premissas dessa religião, como a proibição de bebidas alcoólicas, as refeições feitas sentados ao chão, a submissão feminina, dentre outros.

Religião do Irã

No Irã existe uma Constituição da República Islâmica, na qual estão expressos os ordenamentos sociais. Neste documento são teoricamente aceitos no país religiões como Cristianismo, o Judaísmo e o Zoroastrismo (uma religião da antiga Pérsia), sendo que, apenas a religião Islâmica é aceita como oficial no país.

Durante os séculos XVI e XVII, houve uma profunda transformação religiosa no Irã, passando este de uma maioria de adeptos sunitas para uma maioria xiita (mais de 90%). Em uma concepção mais geral, os xiitas são minoria no mundo islâmico, correspondendo a cerca de 16% deste grupo, enquanto os sunitas são maioria na religião, existindo vários conflitos entre os dois grupos.

 Linguagem e bandeira do Irã

A linguagem oficial do Irã é a Língua persa, sendo que o alfabeto utilizado no país é o alfabeto persa ou escrita perso-árabe. A bandeira utilizada como oficial no Irã foi adotada em um contexto bastante recente, na década de 1980, sendo que o símbolo constante no centro deste é uma representação de elementos importantes da religião islâmica.

A cor vermelha na bandeira representa o sangue daqueles que lutaram pelo país, sendo que se acredita que tulipas vermelhas cresçam do sangue derramado pelos que lutam pela sua pátria, e isso justifica também em parte o símbolo central, em formato de tulipa. A cor verde significa sentimentos como felicidade, vitalidade, natureza, dentre outros. O branco se remete à paz, sendo que existem escritas na cor branca na bandeira, as quais representam a afirmativa “Allahu Akbar”, que significa Deus é grande.

Irã: Cultura e costumes - Bandeira

Foto: depositphotos

Cinema iraniano

O cinema iraniano é bastante apreciado por pessoas que gostam de filmes alternativos, sendo que através dele é possível conhecer mais sobre a cultura do país. Alguns filmes produzidos no Irã são destaque, como “Close Up” (1990), “Um Instante de Inocência” (1996), “E a Vida Continua” (1991), “Onde É a Casa do Meu Amigo?” (1987), “O Balão Branco” (1995), “Gosto de Cereja” (1997), “Bashu, o Pequeno Estrangeiro” (1989), “A Cor do Paraíso” (1999) dentre muitos outros.

Como o Irã é um país com instabilidade política, por vários momentos houve repressão e censura aos meios de comunicação, apesar disso, a produção cinematográfica iraniana aumentou significativamente com o tempo. Um dos mais importantes cineastas iranianos é Abbas Kiarostami, e todas as obras produzidas no país precisam passar pelo Ministério da Orientação Islâmica antes de serem publicadas.

Tapetes iranianos

Os tapetes do Irã, também conhecidos como “tapetes persas” são conhecidos mundialmente, não apenas pela sua qualidade superior, mas também por serem itens caros, de luxo. A exportação destes tapetes é importante fonte de renda ao país, e a técnica utilizada tem se modernizado com o passar do tempo, podendo ofertar uma maior quantidade de produtos em menor tempo.

A técnica artesanal de produção destes tapetes é milenar, e os conhecimentos de tecelagem passam por gerações. Os tapetes persas sofrem, mais recentemente, com a produção em grande escala de produtos em locais como China e Paquistão, onde os tapetes são barateados pela produção em grande escala.

Os tapetes iranianos originais ficam na casa dos US $ 5.000 a US $ 200.000 por peça, e são amplamente apreciados pelos norte-americanos. As exportações dos tapetes dependem dos relacionamentos políticos entre o Irã e os demais países, sendo que em anos recentes, por exemplo, houve uma sanção que impediu que estes produtos chegassem aos Estados Unidos.

Irã: Cultura e costumes - Tapete

Foto: Pixabay

Pontos turísticos do Irã

Ainda existe um certo medo em relação ao Oriente Médio por conta dos atentados terroristas vinculados ao islamismo, e o Irã não fica fora disso, apesar de não figurar entre os países mais inseguros do mundo (48ª posição). Ainda assim, existem vários pontos turísticos do país procurados por turistas do mundo todo. Um dos locais mais apreciados pelos turistas são as ruínas de Persépolis, uma cidade persa que teria sido construída em 515 a.C., sendo, portanto, um local que guarda muitas memórias históricas. Além disso, também a Mesquita Nasir-al-Mulk é bastante procurada, toda composta por vitrais coloridos, bem como azulejos com cores vibrantes.

Irã: Cultura e costumes - Mesquita de Nasir-Al-Mulk

Foto: Reprodução/Dav Wong

Referências

» AMARAL, Aline Moreira do. O Irã, o Islã e o Cinema: a representação da mulher na obra de Jafar Panahi. Projeto História, São Paulo, n. 48, dez. 2013. Disponível em: < https://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/viewFile/20708/15270>. Acesso em: 17 de junho de 2017.

» COMO, o Irã se tornou xiita? Disponível em: <http://iqaraislam.com/como-o-ira-se-tornou-xiita/>. Acesso em: 17 de junho de 2017.

» DELLAGNEZZE, René. O Irã e suas relações internacionais no mundo globalizado. Universidade Federal de Juiz de Fora. Disponível em: <http://www.ecsbdefesa.com.br/defesa/fts/ISRI.pdf>.

» IRÃ: melhores filmes por país. Disponível em: < https://www.melhoresfilmes.com.br/paises/ira>. Acesso em: 17 de junho de 2017.

Sobre o autor

Graduada em Geografia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Especialista em Neuropedagogia pela Faculdade Alfa de Umuarama (FAU) e Mestre em Geografia (Unioeste)