,

Trappist-1: O novo sistema solar com 7 planetas descoberto pela Nasa

Segundo informações divulgadas pela Nasa, a agência espacial norte-americana, todos os sete planetas são semelhantes à Terra

Se existe algo que desperta a curiosidade humana é o espaço. Esse tema não é só científico, como também chama a atenção de todos os tipos de pessoas: as religiosas, os descrentes, os pesquisadores, os profissionais da tecnologia, da saúde, da informação… Enfim, é praticamente unânime o fascínio que o universo causa em todos nós.

Prova disso, foi a reviravolta que a informação recente da descoberta de um sistema solar causou no mundo inteiro. A Nasa, a agência espacial norte-americana, divulgou a existência de sete planetas semelhantes à Terra. Não bastasse isso, a agência foi além: três deles podem ser habitáveis!

Isso seria possível graças às condições favoráveis como: clima adequado e a existência de rochas na superfície e água em estado líquido.

O novo sistema solar descoberto pela Nasa foi batizado de Trappist-1. Embora as condições sejam boas, vai ser impossível (ao menos por enquanto), o homem habitar nos locais. Isso porque, ele está a 40 anos-luz de distância de nós. Na prática, isso significa 378 trilhões de quilômetros.

O novo sistema solar com 7 planetas que foi descoberto pela Nasa

Imagem: Divulgação/Nasa

5 curiosidades sobre o novo sistema solar, o Trappist-1

1. Os sete planetas estão bem próximos um dos outros, diferentemente do nosso sistema solar, onde só conseguimos ver vez ou outra algum planeta “vizinho”. Para se ter uma ideia, estando em um planeta do Trappist-1 é provável que você consiga ver os demais planetas com mais proximidade do que vemos a lua da Terra;

2. Os planetas do Trappist-1 sempre ficam do mesmo lado da estrela maior (o sol deles). Isso resulta em dias e noites fixas. Ou seja, ou é sempre dia ou sempre noite, a depender de qual lado você está no globo;

3. Apesar das descobertas, a pesquisa ainda está começando. Para isso, a Nasa vai enviar um telescópio espacial em 2018 que irá captar informações sobre a água, o gás metano, oxigeno entre outros componentes necessários para a manutenção da vida.

4. Essa descoberta da Nasa é especial pois ela se difere das demais pelo número de zonas habitáveis reveladas e pela presença de uma única estrela envolvida por planetas, condição muito semelhante ao nosso sistema solar.

5. A descoberta é fabulosa, mas não se empolgue. Com a tecnologia que temos atualmente levaríamos 700 mil anos para chegar ao novo sistema solar. Portanto, ainda temos que evoluir bastante para vermos todas essas belezas com os olhos humanos.

*Com informações da Agência Brasil