Profissões para quem gosta de redação

Descubra onde atuar no mercado de trabalho e quais as profissões que mais necessitam de boa escrita

As profissões para quem gosta de redação ocupam a área das ciências humanas. Geralmente, as pessoas fãs da escrita e leitura desempenham papeis de destaque nas atividades desse segmento.

Se você ama redatar, listamos algumas profissões que têm tudo a ver com o seu perfil. Todas elas pedem muita dedicação e estudo, uma vez que são mercados disputadíssimos e exigentes.

As pessoas que se identificam com essa disciplina precisam ter atenção na hora de exercer sua profissão, pois independentemente do ramo que atuam, escrever exige uma temática interessante, o respeito às normas cultas, conhecimento, profundidade e outras técnicas para fisgar o leitor. Confira as profissões para quem gosta de redação agora.

7 profissões para quem gosta de escrever redação

Escritor

Ser um escritor é uma profissão para quem gosta de redação

Além da ficção. o escritor pode adaptar obras já existentes (Foto: depositphotos)

Essa profissão é uma verdadeira arte. Ser escritor no Brasil não exige regulamentação formal, no entanto, quem se dispõe a seguir essa carreira tem que cumprir inúmeras outras exigências para conquistar seu público-leitor.

Um escritor pode atuar na produção de romances, poesias, contos, peças de teatro, roteiros para TV e cinema. Ele pode passear tanto pelos relatos documentais, como mergulhar fundo na ficção ou ainda adaptar obras já existentes.

Embora muitas pessoas atribuam a impressão de livros ao escritor, com o advento da tecnologia e da internet, é possível ser um escritor mesmo sem ter uma única folha de papel impressa com o seu nome! O universo virtual proporciona essa possibilidade e abre as portas para que o escritor conquiste mais leitores.

Veja também: Os escritores considerados ‘malditos’ ao longo da História

Jornalista

O jornalismo é uma profissão que atrai aqueles que gostam de escrever redação

Houve um tempo em que o jornalismo era praticamente um gênero literário (Foto: depositphotos)

O jornalismo já foi muito mais denso do que hoje em dia. Isso com relação ao conteúdo das matérias publicadas. Com a televisão e internet, os textos ficaram mais leves, técnicos e puramente informativos. Mas já houve um tempo em que o jornalismo era praticamente um gênero literário tamanha a semelhança com os romances, por exemplo.

No jornalismo atual,  quem manda é o lead, as perguntas básicas sobre o fato noticiado: o que, quem, quando, porque, como e onde. Os adjetivos também não fazem mais parte do contexto jornalístico e é preciso ir direto ao ponto.

Ainda assim, a profissão atrai aqueles que gostam de escrever. Apesar da rigidez técnica dos textos noticiosos, algumas vertentes do jornalismo permitem que o escrito se abra mais e ouse um pouco. Por isso, essa profissão é indicada para quem gosta de redação.

Editor

O editor precisa gostar de redação porque precisa ler e analisar muitos textos e obras

A maioria dos editores já passou pela atuação de redator ou escritor (Foto: depositphotos)

Entre as profissões para quem gosta de redação não pode faltar a de editor. Ele é aquele que, como o próprio nome já diz, edita um texto, entre outras coisas. A maioria dos editores já passou pela atuação de redator ou escritor.

Essa experiência anterior é até bem valorizada, pois o credibiliza ainda mais frente ao mercado. Além disso, há aqueles profissionais que desempenham as duas funções.

Cabe ao editor também elaborar cronogramas de produção de planilhas, buscar arquivos com licenças editoriais e promover campanhas de lançamentos de obras literárias.

Um editor não só atua na área de livros e textos, como também pode trabalhar em tvs, rádios e produtoras, sempre responsável por escolher o conteúdo a ser veiculado e editado após a sua produção.

Veja tambémEmpregos mais legais do mundo 

Filósofo

Ser filósofo exige que o profissional goste bastante de redação, pois terá que ler muitas produções

Além de gostar de ler e escrever, o filósofo precisa dominar a oratória (Foto: depositphotos)

Um filósofo geralmente atua em três áreas específicas: ensino, escrita e pesquisa. Esse trio exige que os seus executores gostem bastante de redação, pois terá que ler muitas produções, assim como escrever.

Outra característica dos filósofos é que é importante que eles dominem a arte da oratória. E para que isso seja feito com louvor, nada melhor do que uma bagagem crítica e textual eloquente, segura e diversa. Para se chegar a essa patamar, é preciso muita técnica e afinidade com as palavras. O filósofo também pode trabalhar como crítico de arte e em editoras para analisar o conteúdo das obras.

A carreira não exige diploma, pois qualquer pessoa pode se tornar filósofa. No entanto, para lecionar é necessário ser formado em licenciatura ou ter uma especialização na área de educação. Para aqueles que querem trabalhar com a pesquisa a atuação no mercado, o diploma de bacharel em filosofia é mais indicado.

Direito

O profissional da área do direito precisa gostar de redação

Na sua rotina profissional, o advogado tem que ler muitos autos, defesas e acusações (Foto: depositphotos)

Dentro da área de humanas existe outra formação que também serve para quem gosta de redação. É a formação em direito. Um advogado deve ser uma apreciador da escrita e da leitura.

Na sua rotina profissional, ele tem que ler muitos autos, defesas e acusações, bem como produzir o material dos seus casos.

Quando esse advogado se torna um magistrado, ele tem que gostar ainda mais de redação, uma vez que será ele a pessoa responsável por escrever sentenças e pareceres. Uma tarefa que exige muitas técnicas de redação, capacidades argumentativa e interpretativa.

Veja também: O que é e qual a função do Conselho Nacional de Justiça (CNJ)

Historiador

Entre as profissões para quem gosta de redação a de historiador é uma delas

Ao longo da sua formação, um historiador precisa ler bastante (Foto: depositphotos)

É preciso gostar de ler e escrever para ser uma aficionado por história. Acompanhar a narrativa dos povos, civilizações, construções de cidades, da economia e tudo mais que envolve essa disciplina é papel também daqueles que amam redação.

Ao longo da sua formação, um historiador precisa ler bastante. Afinal, o maior registro do passado humano encontra-se escondido na tradição oral e escrita. Logo, esse profissional deve dedicar-se à análise dos conteúdos e das produções de outros historiadores ou de fontes originais de relatos.

Para tornar-se um historiador, o profissional precisa ser formado em história ou ter especializações em áreas semelhantes do conhecimento como arqueologia, etnoarqueologia entre outros.

Publicitário

O publicitário precisa gostar de redação para adequar sua criatividade para lançar e vender produtos

Um publicitário pode atuar tanto dando consultorias como pertencer a uma agência de publicidade (Foto: depositphotos)

O publicitário é aquele profissional que também precisa ter afinidade com redação. Sua maior característica é a criatividade que rende bons frutos quando fomentada com bastante leitura e escrita.

Um publicitário pode atuar tanto dando consultorias como pertencer a uma agência de publicidade. Há grandes empresas que também precisam ter esse profissional no seu quadro de funcionários, veículos de comunicação, equipes de marketing, campanhas políticas e lançamentos de produtos, serviços ou no mundo artístico.

Veja tambémConheça quais as carreiras profissionais que mais exigem inglês

No mundo publicitário, esse profissional pode trabalhar no atendimento entre o cliente e a agência, ele faz o primeiro contato, ouve a proposta e desenvolve uma estratégia de captação dos clientes; no planejamento, com os objetos estabelecidos e definição de linguagem, meios e discurso; na mídia, que negocia onde, quando e formato que a campanha será veiculada; e na criação, setor que define o visual de uma campanha, cria as peças publicitárias e roteiros, quando necessário.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista formada pela Universidade Federal da Paraíba com especialização em Comunicação Empresarial. Passagens pelas redações da BandNews e BandSports, TV Jornal e assessoria de imprensa de órgãos públicos.