Romantismo

O Romantismo foi um amplo movimento artístico, político e filosófico surgido nas últimas décadas do século XVIII na Europa. Primeiramente, surgiu em três países, Itália, Alemanha e Inglaterra, mas foi na França que ganhou força e espalhou-se pelo restante do continente e pela América.

Definir o Romantismo é uma tarefa quase impossível, uma vez que o movimento é extremamente rico de motivos e temas. Portanto, o objetivo deste artigo não é, de forma alguma, esgotar todas as características do movimento, mas sim dar uma ideia básica aos leitores.

Características gerais do Romantismo

O Romantismo caracterizou-se como uma visão de mundo contrária ao racionalismo e ao Iluminismo.

Quadro de Francisco Goya

O amor platônico era uma das tantas temáticas do Romantismo (Foto: depositphotos)

As principais temáticas e características do período incluem a valorização das emoções, liberdade de criação, amor platônico, temas religiosos, defesa dos ideais nacionalistas, exaltação da natureza, panteísmo, individualismo e subjetivismo.

Artistas e obras

Artistas como o espanhol Francisco Goya e o francês Eugène Delacroix representavam a pintura romântica, com a representação da natureza, dos problemas sociais e urbanos, valorizando as emoções.

Na literatura, as manifestações em poesia e prosa popular na Inglaterra são os primeiros antecedentes, apesar de serem consideradas “pré-românticas”. Os autores ingleses mais conhecidos dessa fase são William Blake e Edward Young.

A poesia lírica nos séculos XVIII e XIX abusou de metáforas, palavras estrangeiras e comparações para falar de amores platônicos, acontecimentos históricos nacionais e o mistério da morte. Outros famosos escritores dessa fase são Lord Byron, Victor Hugo e Goethe.

O Romantismo no Brasil

O Brasil do início do século XIX passava por várias transformações que contribuíram decisivamente para a formação de uma verdadeira identidade nacional. A vinda da família real portuguesa para o Rio de Janeiro, em 1808, já indicava as profundas mudanças de cunho político, econômico e cultural pelas quais passaria o país naquele século.

Opondo-se diretamente ao Arcadismo, o Romantismo marca o início do Período Nacional da literatura brasileira, tendo como lema o culto ao individualismo e à liberdade de expressão.

O livro “Suspiros Poéticos e Saudades”, de Gonçalves de Magalhães, foi publicado em 1836 e é tradicionalmente lembrado como  o introdutor do movimento no Brasil, que se estenderia até 1881, com a publicação do romance realista “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, de Machado de Assis.

O Romantismo brasileiro desenvolveu-se principalmente nos gêneros romance e poesia e, em termos de temática, pode ser dividido em quatro diferentes tendências. Veja a seguir quais são elas e as características mais marcantes de cada uma:

  • Romance urbano: não raro, essas obras retratam, de forma crítica, a vida e os costumes da sociedade no Rio de Janeiro, incluindo temáticas como o amor platônico. Nessa tendência destacam-se as obras dos escritores Joaquim Manoel de Macedo, Manuel Antônio de Almeida e José de Alencar
  • Romance indianista: retrata a figura do índio como herói nacional. Aqui se destacam as obras “Iracema” e “O Guarani”, ambas de José de Alencar
  • Romance regionalista: essa vertente concentra-se na figura do sertanejo, com suas crenças e tradições. Dentre os autores regionalistas estão José de Alencar, Bernardo Guimarães, Visconde de Taunay e Franklin Távora
  • Romance histórico: os romancistas buscaram na história do país temas que pudessem alimentar os anseios românticos. Destacam-se os escritores Bernardo Guimarães e José de Alencar.

As gerações do Romantismo brasileiro

A riqueza de temas e imagens pode ser dividida em três importantes fases do Romantismo no Brasil. Nos próximos tópicos você pode entender um pouco mais sobre cada um desses períodos e os principais escritores do Romantismo brasileiro.

Primeira geração romântica

Também conhecida como nacionalista, valorizava os fatos históricos e a vida do índio, o ícone da cultura tradicional brasileira. Nessa geração destacam-se os escritores Gonçalves Magalhães, Gonçalves Dias, Araújo Porto Alegre e Teixeira e Souza

Segunda geração

Popularmente conhecida como “Mal do Século” ou “Ultrarromântica”, a segunda fase romântica aborda temas como os amores impossíveis, o desejo pela morte, o pessimismo, a tristeza e uma visão decadente da sociedade.

Destacam-se nessa segunda geração os poemas de Fagundes Varela, Álvares de Azevedo, Casimiro de Abreu e Junqueira Freire.

Terceira geração

Conhecida como “Condoreira”, é a geração dos poetas que marcaram seus textos com crítica social. Seu maior representante foi Castro Alves.

Outras manifestações artísticas

Além da literatura, o Romantismo marcou fortemente outras formas de expressões artísticas, incluindo as artes plásticas, teatro e música.

Referências

BOSI, Alfredo. “História Concisa da Literatura Brasileira“. Editora Cultrix, ed.: 47ª, 2015.

Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da Universidade de São Paulo. (ICMC/USP). “Romantismo“. Disponível em: nilc.icmc.usp.br/nilc/literatura/romantismo1.htm. Acesso em 1 de abril de 2018.

Sobre o autor

Avatar
Formada em Letras (Licenciatura em Língua Portuguesa e suas Literaturas) pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ), com certificado DELE (Diploma de Español como Lengua Extranjera), outorgado pelo Instituto Cervantes. Produz conteúdo web, abrangendo diversos temas, e realiza trabalhos de tradução e versão em Português-Espanhol.