Território

Estudado por diversos segmentos da geografia, territórios envolvem locais delimitados por poder. Entenda o que representam

O conceito de Território é um dos elementos centrais das discussões geográficas, sendo considerado juntamente com região, lugar, paisagem e espaço, os conceitos-chave da Ciência Geográfica. O território está relacionado com os demais conceitos geográficos, e possui como base a existência de relações de poder em um dado recorte espacial.   

O que é Território?

O território é um importante conceito da Geografia, e está relacionado com o espaço geográfico. Podemos dizer que o território surge posteriormente ao espaço, e que como território entende-se a porção do espaço geográfico na qual é inserida alguma atividade humana com base em relações de poder. Deste modo, sobre um mesmo espaço geográfico podem existir várias territorialidades. Os territórios são construções sociais onde predominam interesses e relações que envolvam alguma forma de disputa por poder.

Quando nos referimos ao território podemos pensar em uma situação prática que o exemplifica bem. Imagine uma quadra de esportes, na qual existem várias marcações para os esportistas. A referida quadra pode ser utilizada tanto por jogadores de futsal, como por jogadores de basquete ou vôlei, desde que eles conheçam e respeitem as marcações existentes naquele espaço.

Podemos considerar que a quadra é o espaço geográfico, e as linhas demarcatórias são as regras de poder. Em um dado momento predominam as regras do vôlei, no entanto, em outro predominam as do basquete, dependendo dos interesses dos jogadores. Estas definições e usos são os territórios. Portanto, em um mesmo espaço (quadra) podem haver várias territorialidades (vôlei, basquete, futsal, etc.).

Território

Foto: depositphotos

Territorialismo e relação de poder

Outro exemplo estratégico são os espaços urbanos, nos quais podem ser desenvolvidas múltiplas atividades em horários e por grupos diferenciados. Assim, em uma rua de são Paulo pode haver um comércio expressivo ao longo dia, com um fluxo grande de pessoas e mercadorias. No entanto, aos finais de semana, aquele ambiente se transforma em um território de ciclistas, os quais usam o espaço físico para desenvolverem sua atividade. Ainda, durante a noite pode ser um território de gangues urbanas, as quais disputam o local com outras gangues. Portanto, a rua é considerada como um espaço, no qual estão inseridas várias territorialidades, ou seja, relações sociais de poder.

Podemos considerar que o território é sempre um espaço usado, ele é configurado através das relações sociais que se estabelecem nele. Portanto, não há território sem relações entre os homens e destes com o meio. O território é o chão, ou seja, o espaço, mais a identidade, ou seja, as relações entre os homens. É nos territórios em que se desenvolvem as vivências cotidianas, as práticas sociais. O território não é um elemento natural, mas sim construído a partir de relações de poder, sendo elas formalmente delimitadas ou não.

Quais são as concepções possíveis do Território?

  • Política: Espaço delimitado e controlado através do qual se exerce um determinado poder.
  • Cultural: prioriza a dimensão simbólica e subjetiva. Produto da apropriação simbólica de um grupo em relação ao seu espaço vivido.
  • Econômica: território como fonte de recursos – apropriação do território como força de obtenção de lucros.
  • Naturalista: relações entre sociedade e natureza.

Relação entre o espaço e o território

O território está apoiado no espaço. Ele é constituído através de uma produção no espaço, e como produção, envolve relações de poder. Todas as construções da realidade são relações de poder. Quando existem ações no espaço, este deixa de ser o espaço original e se torna uma representação espacial.

Portanto, sobre um mesmo espaço pode haver diversas representações espaciais. Em todas as esferas da sociedade encontram-se atores que configuram e reconfiguram o espaço, desde o Estado até os indivíduos em si. As empresas privadas também têm papel fundamental na formação das representações territoriais no espaço. Através do conjunto entre energia e informação, os indivíduos constroem relações de produção e, consequentemente, de poder.

Os territórios na globalização e o “fim dos territórios”?

A globalização não é um fenômeno homogêneo, como comumente é referenciado (fábula). Algumas pessoas são incluídas precariamente neste processo, o que ocasiona fragmentações dentro dessa lógica globalizante. Neste contexto, surgem e se intensificam grupos específicos, responsáveis pela manutenção dos territórios, reafirmando sua existência para além dos processos desterritorializadores. Diante da globalização, surgem questionamentos sobre a perpetuação dos territórios, entendendo que estes são fragilizados diante de um suposto “fim” das distâncias, ocasionado pelo fenômeno globalizante.

A globalização é responsável por transmitir o sentimento de que os homens não possuem mais territórios, pois através das tecnologias informacionais, pode-se estar em diversos lugares em um mesmo momento. No entanto, autores importantes da Geografia, como Rogério Haesbaert defendem que existe uma “Multiterritorialidade”, uma sobreposição de territórios, pois, ao se “desterritorializar” o indivíduo se “reterritorializa” constantemente. Assim, pessoa alguma fica sem território, pois novos territórios são constituídos continuamente no espaço, em momentos específicos.

Assim, a desterritorialização é um mito, pois a globalização promove a constituição de novas territorialidades. Assim, diante da globalização, é pertinente pensar em um aspecto de Multiterritorialidade. As velocidades e os ritmos de mudança são múltiplos e não excluem o território, mas geram múltiplas possibilidades de territórios, em um processo de reterritorialização permanente.

Essa ideia de desterritorialização estaria ligada a uma ideia de que as fronteiras estivessem sendo enfraquecidas com a expansão do capital global, por exemplo. No entanto, desde o contexto econômico até a questão cultural, percebe-se que há um fortalecimento dos territórios em momentos específicos, não sendo possível, portanto, se falar em um “fim dos territórios”.

Território em poucas palavras

O conceito de território na Geografia pode ser entendido em poucas palavras como:

  • Fenômenos constituídos no espaço;
  • Permeiam relações de poder (múltiplas apropriações);
  • Escala variável de tempo e dimensão espacial;
  • São recortados por limites;
  • Em seus limites se configuram as fronteiras;
  • Todas as pessoas estão territorializadas;
  • Não se pode falar em um “fim dos territórios”.
Referências

» HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do “Fim dos Territórios” à Multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

» POLON, Luana Caroline Künast. A fronteira do consumo: relações transfronteiriças entre Foz do Iguaçu (BR) e Ciudad del Este (PY). Dissertação de Mestrado (Geografia). 2014. Disponível em: http://tede.unioeste.br/tede/tde_arquivos/20/TDE-2015-01-23T115135Z-1427/Publico/2014_Luana_Caroline_Kunast_Polon.pdf

» SANTOS, Milton. Território, territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. 3ª Ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007.

Sobre o autor

Graduada em Geografia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Especialista em Neuropedagogia pela Faculdade Alfa de Umuarama (FAU) e Mestre em Geografia (Unioeste)