Al Qaeda: o que é, como se originou e o que propõe?

Em nome da religião o grupo terrorista Al-Qaeda acumula ataques e mortes ao redor do mundo

No dia 11 de setembro de 2001, o mundo parou ao ver os ataques terroristas contra o prédios e monumentos de Nova York e Washington. De acordo com informações oficiais das autoridades americanas, os quatro ataques deste dia resultaram na morte de quase 3 mil vítimas entre passageiros, trabalhadores dos prédios atingidos, bombeiros, terroristas e até pessoas que estavam ao redor.

Todo este terror provocado nos Estados Unidos foi criado pelo grupo Al Qaeda, tendo como comandante, na época, Osama Bin Laden. A partir deste atentado, o grupo formado por fundamentalistas islâmicos e árabes ganhou destaque no mundo todo. Ao longo dos anos de existência a formação acumula uma lista de atentados e mortes por onde atua.

Como surgiu o Al Qaeda?

De acordo com o portal de notícias R7, o grupo terrorista surgiu da Irmandade Muçulmana da Palestina (MAK, sigla em árabe), em 1988. Na verdade, a organização funcionava como uma filial da MAK e era comanda por Bin Laden. Mas, desde 1980 eles já recrutavam e treinavam jovens para que estes continuassem a guerra santa fora do Afeganistão, chamada de jihad.

Em nome da religião o grupo terrorista Al-Qaeda acumula ataques e mortes ao redor do mundo

Seu maior líder foi Osama Bin Laden , morto em 2011 (Foto: depositphotos)

Segundo uma entrevista, dada a Agência Brasil, do mestre em estudos regionais do Oriente Médio e professor da Faculdade Armando Álvares Penteado (Faap), Jorge Mortean, o nascimento destes grupos está relacionado a realidade dos “países miseráveis e ditatoriais, com o status falido, como a Somália, o Iêmen, a Eritréia e o Afeganistão”. Para o professor, as organizações como o Al Qaeda “nascem do desespero das populações locais em ter uma resposta, um motivo político para sobreviver. E a religião, de uma forma deturpada, vem como essa resposta, infelizmente”.

Atuação e objetivos do grupo

Al Qaeda não atua em um local fixo, mas sim espalhado pelo mundo. Levando em consideração as informações do portal R7, o grupo está presente em cem países com células autônomas, sendo algumas delas: Reino Unido, Itália, Estados Unidos, França, Espanha e Uganda. Ainda segundo este portal de notícias, o Departamento de Estado dos EUA acredita que pode haver um célula desta organização na Tríplice Fronteira, ponto de encontro entre Argentina, Brasil e Paraguai.

Por muitos anos, o grande líder do Al Qaeda foi Osama Bin Laden. Contudo, após a sua morte, em 2011, o cirurgião de olhos Ayman al-Zawahiri foi o escolhido para substituí-lo. De acordo com a BBC Brasil, Zawahiri já era chefe ideológico do grupo, tendo participado da elaboração dos atentados do dia 11 de setembro de 2001. Além de Bin Laden, ele era o homem mais procurado pelos Estados Unidos.

Outro nome importante para este grupo terrorista é o Nasser Abdul Karim al-Wuhayshi, líder da Al-Qaeda na Península Árabe (AQAP, na sigla em inglês). Ainda segundo informações da BBC Brasil, este membro teria sido nomeado por Zawahiri como gerente-geral da organização.

Dentre os objetivos do Al Qaeda, está a eliminação total da influência do Ocidente nos países muçulmanos. Além disso, o grupo pretende substituir os governos existentes nestas localidades por regimes que levem em consideração as fundamentações islâmicas.

O Oriente Médio na prova do Enem: principais conflitos da atualidade

Atentados mais marcantes do Al Qaeda

Além dos quatro atentados nos Estados Unidos, em setembro de 2001. Uma outra atuação do Al Qaeda ganhou repercussão internacional. Desta vez, trata-se do ataque da redação do semanário satírico francês Charlie Hebdo, em Paris. Dois homens encapuzados invadiram o ambiente de trabalho dos profissionais de comunicação e mataram 12 pessoas. Segundo a Agência Lusa, após dois dias de fuga os dois assassinos foram mortos por forças da elite francesa. Em vídeo, Nasser Ben Ali Al Anassi falou sobre o atentado e declarou que “heróis foram recrutados e atuaram”.