,

Tubarão é mamífero? Descubra!

Esse animal pertence a classe dos condrictes (condri = cartilagem; ictio = peixe)

Você já se perguntou se o tubarão é um mamífero? Para quem não sabe, o tubarão é um animal que vive no ambiente aquático sendo muito encontrado na região da costa brasileira.

Eles são considerados animais predadores, vorazes e super importantes no equilíbrio dinâmico da cadeia alimentar dos oceanos. No entanto, muitas espécies de tubarão estão ameaçadas de extinção, devido a caça predatória que os seres humanos praticam.

O tubarão pertence ao grupo dos craniatas, ou seja, animais que possuem o crânio protegendo o encéfalo. Fazem parte dos craniatas os peixes, os anfíbios, os répteis, as aves e os mamíferos. Esse animal também é classificado como vertebrata, pois além do crânio, possuem vértebras, que fazem parte do seu endoesqueleto (esqueleto interno) cartilaginoso.

Entre os craniatas há representantes adaptados aos ambientes aquático, terrestre e aéreo. O tamanho dos animais nesse grupo varia desde os muito pequenos, como alguns peixes de cerca de 0,1 grama, até animais muito grandes, como as baleias, que chegam a 170 toneladas.

A pele dos craniatas é formada por duas camadas: a epiderme, mais externa e a derme, mais interna. A epiderme é sempre multiestratificada, isto é, formada por várias camadas de células, enquanto a dos demais animais é sempre uniestratificada. A derme é um tecido rico em vasos sanguíneos e em estruturas sensoriais.

Tubarão é mamífero ou peixe?

O tubarão é um tipo de peixe e não é um mamífero. Esse animal pertence a classe dos condrictes (condri = cartilagem; ictio = peixe). Os condrictes apresentam maxilas e nadadeiras aos pares.

Grande tubarão branco no mar

Tubarão é uma espécie de peixe que possui hábitos de predador (Foto: depositphotos)

Talvez a maior de todas as inovações surgidas durante a história evolutiva dos vertebrados tenha sido o desenvolvimento das maxilas, que possibilitou aos peixes primitivos arrancar com eficiência grandes pedaços de algas e de animais de maior porte. Isso favoreceu maiores oportunidades de fontes alimentares.

O hábito predador ativo desse peixe veio associado a uma série de modificações no corpo desse animal, tornando-o um bom nadador, capaz de se deslocar com rapidez e agilidade em meio líquido, capturando assim, suas presas com eficiência. Além disso, uma série de nadadeiras se desenvolveram, aumentando a capacidade de propulsão do corpo.

Veja também: Saiba como é chamada a fêmea de um tubarão

Características do tubarão

Como é o esqueleto?

O esqueleto interno (endoesqueleto) do tubarão, bem como seu crânio e demais vértebras, são formados por cartilagens. O esqueleto cartilaginoso confere maior mobilidade ao animal. Os tubarões representam o maior grupo de condrictes juntamente com as raias (ou arraias), formando cerca de 760 espécies.

Tubarão tem escamas?

As escamas do tubarão diferem das escamas dos peixes ósseos. Nesses, as escamas são de origem dérmica, enquanto nos tubarões são de origem dermo epidérmica, com estrutura semelhante ao dente.

Cada uma delas é formada por um espinho voltado para a região posterior do corpo e uma placa basal situada na derme. A forma e a disposição das escamas no corpo reduzem a turbulência da água ao redor do animal, aumentando a eficiência do nado.

A boca desse animal e a alimentação

O tubarão apresenta um prolongamento da região anterior da cabeça e a boca é transversal, sendo posicionada ventralmente. Apesar dessa posição ventral da boca, esses animais conseguem morder e arrancar grandes pedaços do corpo das presas, pois seu arco mandibular está frouxamente ligado ao crânio, possibilitando movimentar as maxilas para a frente.

Além disso, seus dentes são pontiagudos e ocorrem em fileiras que vão sendo deslocadas de modo gradual para a parte frontal da boca à medida que os dentes da frente vão sendo perdidos.

Em geral, os tubarões são carnívoros ativos, como o tubarão branco, que atinge 6 metros de comprimento e é predador de mamíferos marinhos. No entanto, existem espécies que se alimentam de plâncton, como o tubarão baleia, a maior espécie de peixe conhecida, chegando a atingir 20 metros de comprimento.

Veja também: Tubarão baleia: curiosidades, alimentação e características

Órgãos sensoriais do tubarão

A quimiorrecepção e a mecanorrecepção são mecanismos sensoriais que os tubarões utilizam principalmente para a percepção da presença de presas a grandes distâncias. Uma vez próximas a elas, esses animais passam a utilizar-se da visão.

Os tubarões conseguem detectar suas presas por meio de eletrorreceptores, que recebem o nome de ampolas de Lorenzini e se localizam na cabeça. São poros e tubos cheios de muco, que comunicam células sensoriais com a água.

Essas células são capazes de detectar a fraca corrente elétrica gerada pela atividade muscular da presa. As ampolas são sensíveis à temperatura, salinidade e pressão da água, com uma especial capacidade para detectar campos eléctricos gerados por outros animais.

Os tubarões têm olfato muito desenvolvido, percebendo o odor por quimiorrecepção das células localizadas em suas narinas. Outro sentido importante para a orientação desses animais é a capacidade que possuem em perceber as vibrações da água.

Isso só é possível graças a presença de estruturas localizadas ao longo da linha lateral dos tubarões. A linha lateral percorre os dois lados do corpo do peixe e é formada por vários poros e tubos superficiais. Os poros e os tubos se comunicam com a água e com células especiais. Estas células captam as vibrações na água e levam para as células nervosas.

O tubarão e a densidade

Os tubarões são nadadores eficientes, embora existam alguns raros tipos de tubarões que que vivem no fundo do mar assentados sobre a areia ou em tocas. Em geral, os tubarões nadadores ativos apresentam altos teores de óleo no fígado, o que reduz a densidade desses animais em relação ao meio líquido, atuando na regulação de sua flutuabilidade.

Veja também: Animais que há milhares de anos já existiam na Terra

Reprodução

Quanto à reprodução, os tubarões são animais de sexos separados, apresentando dimorfismo sexual. O macho difere externamente da fêmea em função principalmente da presença do órgão copulador, o clásper. O clásper corresponde a uma modificação das nadadeiras pélvicas. A fecundação é sempre interna e o desenvolvimento é direto. Existem espécies ovíparas, ovovivíparas e vivíparas.

Referências

»DE AZEVEDO BEMVENUTI, Marlise; FISCHER, Luciano Gomes. Peixes: Morfologia e adaptações. Cadernos de Ecologia Aquática, v. 5, n. 2, p. 31-54, 2010.

»SZPILMAN, Marcelo. Tubarões no Brasil: guia prático de identificação. Mauad Editora Ltda, 2004.

»JORGE, Erika Carvalho. Anatomia dos peixes. 2013.

Sobre o autor

Avatar
Natália Duque é Graduada em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro.