Coesão e coerência: não repita palavras na redação do Enem

Ao dominar a coerência e coesão, a redação do Enem não será mais uma vilã. Aprenda a utilizar recursos para obter uma boa desenvoltura textual


Um dos maiores desafios da vida em sociedade é a coesão e a coerência ao nos comunicarmos. Muito importante para transmitirmos exatamente o que estamos querendo informar.

Para muitas pessoas, esse desafio se torna ainda mais complicado quando cobrado por meio da escrita. Dominar os conceitos de coerência e coesão são essenciais para quem quer obter uma boa nota na redação do Enem.

Coesão

É a conexão que liga elementos no texto (palavras, orações, períodos, parágrafos), que cria harmonia entre os elementos de um texto.

Coerência

Coerência é a propriedade do texto que permite que se construa sentido a partir dele, estabelecendo relação entre suas partes e entre o próprio texto e a situação de sua ocorrência.

Coesão e coerência: não repita palavras na redação do Enem

Foto: depositphotos

Confira aqui algumas técnicas que ajudam a evitar a repetição de palavras no texto e a quebra de raciocínio temático:

Nominalização

Emprega-se um substantivo para remeter a um verbo enunciado anteriormente no texto.

 Exemplo: Nossos amigos foram conhecer o parque de diversão. André disse, porém, que tal conhecimento não era válido (…).

Neste caso, observa-se que verbo “conhecer” se tornou o substantivo “conhecimento”.

Palavras sinônimas

Trata-se da utilização de palavras diferentes com o mesmo significado, para não repeti-las.

 Exemplo: Os quadros de Frida Kahlo não tinham nenhum valor em sua época. Houve telas que serviam até para escorar objetos.

Neste caso, a palavra “telas” serviu para não repetir “quadros”.

 Termo síntese

Termo que sintetiza aquilo que foi escrito anteriormente.

 Exemplo: “Massacres, guerras, perseguições contra a ciência e arte. Todos esses fatos marcaram a Idade Média”.

Nesta situação, a palavra “fatos” sintetizou tudo o que foi escrito anteriormente.

Epítetos

O epíteto é uma técnica que consiste no uso de uma palavra ou frase para qualificar uma pessoa ou coisa.

 Exemplo: – Audrey Hepburn fez filmes memoráveis. Pena que a atriz mais linda da história já tenha morrido.

Neste caso, o nome Audrey Hepburn foi substituído pelo substantivo qualificativo “a atriz mais linda da história”. Esse é um recurso que serve para não se repetir no texto.

Metonímia

Trata-se da substituição de uma palavra por outra, dentro de uma relação de contiguidade semântica.

 Exemplo: O circo chegou chamando atenção de Belo Jardim. As flores se agitaram com tanta festa.

Nessa frase, “Belo Jardim” é usada para se referir ao substantivo “cidade”. Já “flores” refere-se aos jardins que deram nome a cidade.

Pronomes

Os pronomes servem para retomar temos já citados.

Exemplos:

Séries de TV são ótimas fontes de conhecimento. Mas não devemos apenas assisti-las.

Neste caso, o pronome oblíquo “las” refere-se à palavra “série”.

Numerais

Usa-se termos numerais para substituir um termo já mencionado.

 Exemplo: Boa parte da população votou nesse candidato. Dois terços o escolheu por melhores propostas.

Neste caso, “dois terços”, numeral fracionário, refere-se ao substantivo “população”.

Advérbios pronominais

São expressões como: “aqui, ali, lá, aí”.

 Exemplo: Tenho que voltar ao colégio. Lá esqueci meu notebook.

Nesta frase, o advérbio pronominal “lá” se refere ao colégio.

Elipse

É uma figura de linguagem muito utilizada quando se quer substituir um termo já utilizado no texto.

 Exemplo: Os garotos da banda abriram o show com uma música do Artic Monkeys. Cantaram muito rock até tarde.

Nessa frase, os sujeitos do verbo “cantaram” (no caso são “os garotos”) está omitido na segunda frase, através da elipse.

Como evitar a incoerência?

Evite escrever sobre diversos temas no mesmo parágrafo. Sempre que for apresentar uma nova ideia, tente introduzi-la antes; isso ajuda o leitor a melhor compreender as ideias colocadas, e a evitar a quebra de continuidade temática.

Para escrever melhor é necessário (também) desenvolver a sua concentração. Então escreva pelo menos um texto por semana. Com o passar do tempo você começará a ganhar prática para desenvolver textos cada vez mais complexos.

Por último, leia sempre. A escrita e a leitura estão relacionadas à nossa capacidade cognitiva e sempre andam juntas. Usufrua de qualquer tipo de material, seja no jornal, na revista, ou até mesmo na internet, que é de graça!


Reportar erro