Desemprego estrutural

A tecnologia pode facilitar a vida de usuários, mas ao mesmo tempo tem um impacto negativo no mercado de trabalho. Sendo responsável por taxas de desemprego


Antes da internet, como você pagava os boletos de seu banco? Como resolvia trâmites de sua conta bancária? Você pode até ser da Era da tecnologia e ter nascido junto com ela, mas se questionar a alguém mais velho sobre essas questões verá que quem pretendia resolver problemas bancários tinha que ir no banco em questão e, juntamente com um funcionário, conseguir o que desejava.

Sabe-se que hoje o acesso a quase tudo está apenas em alguns cliques. De casa, do trabalho e até do ônibus é possível resolver questões burocráticas pelo próprio celular. Esse cenário pode até facilitar a vida dos usuários, mas ao mesmo tempo tem um impacto negativo no mercado de trabalho. Com menos procura de clientes, não há necessidade de muitos atendentes e, consequente, surge o que se chama de desemprego estrutural.

O que é e quais são as causas do desemprego estrutural?

Esse tipo de desemprego é diferente dos demais. Por exemplo, o desemprego conjuntural surge por uma necessidade do mercado de reduzir custos quando a economia não vai bem. Em outras palavras, quando há crises econômicas, com poucas vendas e consumos, ocorre o aumento de desemprego. Mas, no momento em que o país se recupera, ocorre uma nova demanda de empregos.

Desemprego estrutural

Foto: Pixabay

No caso do estrutural, as pessoas perdem o emprego devido o mercado substitui a mão-de-obra humana pela tecnologia. Em resumo, são oportunidades de emprego que fecham para nunca mais voltar. Quando isso ocorre, a demissão é em massa. Algumas das causas que explicam o desemprego são:

  • Trocar pessoas por robôs na produção industrial;
  • Migração de serviços ofertados por empresas físicas para a internet;
  • Instalações de caixas eletrônicos em agências bancárias;
  • Adição de procedimentos administrativos em indústrias, visando a otimização dos serviços prestados e consequentemente diminuir a necessidade de mão-de-obra.

A relação entre o desemprego e a globalização

Intensificada no ano de 1970, a globalização foi uma das grandes responsáveis por essas mudanças no mercado de trabalho. O desemprego estrutural tem, portanto, uma ligação muito forte com esse processo de advento de novas tecnologias e redução de custo. Em um sistema como o Capitalismo, o mais importante é a geração de riquezas, que é cada vez maior se não tiver gastos com funcionários. Por isso, esse processo é tão aceito e incentivado, uma vez que com o mesmo número de recursos é possível aumentar o lucro e diminuir as despesas.


Reportar erro