O Império Persa – História, Política e Religião

A ascensão e a queda do Império Persa, um dos maiores da história, provando que a expansão e intrigas podem destruir um reino bem sucedido em pouco tempo


Também conhecido como Império Aquemênida, o Império Persa, foi um grande império iraniano que ocorreu entre 550 – 330 a.C., no Sudoeste da Ásia.

A História e a Política do Império Persa

A história de um dos maiores impérios conhecidos começa com Ciro, O Grande, que fundou o império e obteve muitas conquistas para os persas, como a derrota dos governantes medos e a conquista da Babilônia e da Lídia. Ciro adotou uma política de expansão territorial onde o objetivo era formar um grande império, obter riquezas e resolver os problemas do crescimento da população. Ele respeitava os costumes dos povos conquistados, dando certa liberdade de ação, de emprego e até de religião. Porém, eram obrigados a servir o seu exército e pagar tributos, com isso, ele formou um grande exército e conseguia mantê-los.

Império Persa

Guerreiros Persas. | Imagem: Reprodução

  • Após a morte de Ciro em batalha, Cambises II (que era seu filho) assumiu a posição de Imperador. Ele decidiu dar continuidade à política de expansão criada por seu pai e chegou a derrotar o Império Hitita e o Reino do Egito, porém era considerado explosivo, e é possível que tenha cometido suicídio.
  • Seu sucessor, Dario I, governou o império durante seu auge – depois dele, nenhum governante foi considerado capaz de manter o reino no mesmo nível. No desejo de expansão, ele chegou a invadir a Cítia, terra dos citas, a tribo nômade que havia invadido a Média e assassinado Ciro. Além de expandir consideravelmente o território de seu império, Dario organizou um novo sistema monetário unificado, instituiu projetos de construção e fez do aramaico idioma oficial do seu reino.
  • Xerxes I, filho da Dario, veio em seguida. Esse imperador deu continuidade às batalhas de seu pai e tentou continuar a expansão persa pela Europa, que não durou muito, já que conquistaram apenas algumas colônias gregas.
  • Artaxerxes I foi o sucessor de Xerxes I, porém seu governo não obteve tantas conquistas, apenas acredita-se que foi durante o seu reinado que o calendário solar foi introduzido como calendário nacional.
  • Xerxes II permaneceu governando apenas por algumas semanas, pois foi assassinado. E Dario II, capturando o assassino, ficou em seu lugar, porém sem grande destaque. Artaxerxes II Mêmnon foi rei por 62 anos, com um governo marcado por rebeliões em várias províncias do Império Persa (devidamente controladas e abafadas) e inúmeros monumentos construídos.

A queda do Império Persa ocorreu em virtude de guerras contínuas, de sua grande expansão (e a falta de controle sobre seu próprio território), da incapacidade dos sucessores de Dario I e, por último: no reinado de Dario III, o império Persa acabou sob o domínio de Alexandre Magno, rei macedônio (Alexandre, O Grande). Mesmo sendo o maior império da antiguidade, acabou decaindo em apenas alguns anos.

A Religião

A religião Persa defendia a existência do bem e do mal (dualismo), e de novas ideias como o livre arbítrio. Era chamada Zoroastrismo ou Masdeísmo. De acordo com historiadores, algumas concepções religiosas do Zoroastrismo (a crença no paraíso, na ressurreição, o medo do juízo final e a vinda de um messias) influenciaram, posteriormente, o judaísmo, o islamismo e o cristianismo. Possuía sacerdotes zoroastrianos e nenhuma oração ou oferenda poderia ser feita sem a presença de pelo menos um deles. Com o tempo, essa religião sofreu pequenas modificações, mas em essência, continuou a mesma. Foi “popularizada” pelos seus governantes, que a aceitaram, tornando essa religião um dos principais elementos da cultura persa.


Reportar erro