Reino Protista

Protozoários são seres unicelulares, assim como as bactérias, mas diferente delas, possuem carioteca, ou seja, são eucariontes. Sozinha, a célula de um protozoário executa…


Protozoários são seres unicelulares, assim como as bactérias, mas diferente delas, possuem carioteca, ou seja, são eucariontes. Sozinha, a célula de um protozoário executa todas as funções que são executadas por tecidos, órgãos e sistemas em um sistema pluricelular complexo, dessa forma, são células complexas. Podem viver sozinhos, como parasitas ou até mesmo em colônias, e são encontrados em água doce ou salgada, em terras úmidas e dentro de outros seres. Mesmo tendo um modo de vida livre, os protozoários podem ser parasitas e também ocasionar doenças nos seres humanos. Os protozoários, no entanto, não possuem tecidos verdadeiros. Eles se alimentam por ingestão ou por absorção, e no geral são eucariontes, unicelulares e coloniais.

Reino Protista

Foto: Reprodução

Habitat e origem do Reino Protista

Os protozoários abrangem cerca de 20 mil espécies que evoluíram a partir das algas unicelulares. Registros comprovam que há mais de 1,5 bilhão de anos, existiram protozoários com carapaças, que viveram na Era Proteozóica.

Em sua maioria, os seres protozoários são aquáticos e microscópicos, no entanto existem espécies que medem de 2 a 3mm. Parte do plâncton, distinguem-se em dois grupos de organismos:

  • O fitoplâncton é composto de organismos produtores, ou seja, que realizam fotossíntese. São representados essencialmente por dinoflagelados e diatomáceas e, além disso, são a base da cadeia alimentar em mares e lagos. Esse grupo de organismos é responsável ainda por mais de 90% da fotossíntese do planeta.
  • O zooplâncton compreende os organismos consumidores – heterótrofos. São representados essencialmente por pequenos crustáceos e larvas de alguns invertebrados e peixes.

Como são classificados os protozoários?

Atualmente, considera-se que existam cerca de dezesseis filos, mas suas relações filogenéticas ainda não são bem compreendidas. Antes, os protozoários eram divididos em quatro filos, considerados de acordo com a estrutura locomotora do organismo.

Para simplificar, a comparação realizada para caracterizar os filos foi feita entre as sequências de bases nitrogenadas do RNA e DNA, assim como da ultraestrutura celular. Com isso, pode-se classificá-los, simplificadamente, em protozoários ameboides, protozoários flagelados, protozoários ciliados e protozoários apicomplexos.

  • Protozoários ameboides: também chamados de rizópodes, o deslocamento e a alimentação deste tipo de protozoário são realizados por meio dos pseudópodes, que são pés falsos. A classificação antiga os caracterizava como filo Sarcodinna, no entanto, hoje, estes reúnem em torno de cinco filos;
  • Protozoários flagelados: alimentam-se e deslocam-se através de batimento flagelar. Antes eram tratados como um único filo, mas hoje são considerados oito filos, cada um com suas próprias características;
  • Protozoários apicomplexos: também chamados de espozoários, estes não possuem estrutura locomotora. Muitas dessas espécies formam esporos, e em sua maioria, em algum estágio de seu ciclo de vida, os protozoários apicomplexos apresentam o complexo apical, que é uma estrutura proeminente;
  • Protozoários ciliados: por meio de seus cílios, os protozoários ciliados obtêm alimentos e se locomovem. Esse grupo é o único que permanece com sua classificação tradicional – Filo Ciliophora.

Classificação das algas

As algas podem ser classificadas como Filo Chlorophyta, que são as algas verdes; Filo Phaeophyta, que são as algas pardas e marrons; Filo Rhodophyta, que são as algas vermelhas; Filo Bacillariophyta, que são as diatomáceas; Filo Chrysophyta, algas douradas; Filo Euglenophyta, euglenas; Filo Dinophyta, as algas dinoflageladas; e o Filo Charophyta, que são as carofíceas.


Reportar erro