Empréstimos linguísticos

Os empréstimos linguísticos são palavras “emprestadas” de outras línguas para dar significado à mesma coisa aqui no Brasil. Isso acontece devido ao contato entre as diferentes culturas e seus falantes, quando palavras de outras línguas são usadas para expressão de pensamentos ou ainda para denominar coisas, processos e comportamentos que, em suas próprias línguas, ainda não têm uma palavra ou expressão para simbolizar.

Apesar de sempre pensarmos que isso tem sido recorrente somente em tempos recentes, isso não é um fato. Há muitos anos isso vem acontecendo em diversas culturas.

Muitas expressões estrangeiras eram usadas individualmente e, atualmente, são usadas por comunidades, como, por exemplo, café, chá e tabaco que, no inglês e em grande parte das línguas europeias, são, respectivamente, empréstimos das línguas árabe, chinesa e de uma língua índio-americana.

Além disso, podemos ver a grande influência que a língua francesa teve sobre o inglês após a conquista normanda e a implementação do governo normando na Inglaterra. Algumas palavras gregas e latinas são usadas constantemente em ciências, artes e filosofia, por exemplo. Como exemplos de algumas palavras emprestadas podemos citar test drive, pet shop, ecobag, notebook, entre outras.

Empréstimos linguísticos

Foto: depositphotos

A transformação das línguas

De acordo com Robins (1977), “as línguas estão em um contínuo estado de mudança, e empréstimos devem ser considerados como aquelas palavras que não estavam no vocabulário em um período e que nele estão num período subsequente.” Com isso, chegamos a conclusão de que as palavras mudam de forma que influenciam na evolução da língua. As línguas recebem constantemente empréstimos de outras línguas, sendo constantemente transformadas de forma a suprir coisas, sentimentos, entre outros que ainda não tinham palavras para expressá-las.

Roman Jakobson, um dos maiores linguistas do século XX, afirmou que “Em matéria de língua não há propriedade privada; tudo é socializado.”, ou seja, todas as palavras podem ser emprestadas livremente transformando e adaptando linguagens. A utilização dessas palavras de outras línguas não é algo inédito, mas muito utilizado por diversas culturas.

Empréstimos linguísticos no Brasil

Podemos notar que, constantemente, a língua portuguesa adota diversas palavras advindas do inglês norte-americano. Tais vocábulos podem ser difundidos em sua forma original, com sua pronúncia intacta, ou ainda de forma aportuguesada – passam pelo processo fonológico e gráfico de adaptação, como bife, futebol e xampu, por exemplo.

Normalmente, quando usamos uma palavra estrangeira em um texto, devemos destacá-la em itálico ou colocá-la entre aspas. No entanto, é importante lembrar que, quando usados de forma excessiva, os empréstimos linguísticos são altamente condenáveis.

 

*Débora Silva é graduada em Letras (Licenciatura em Língua Portuguesa e suas Literaturas).