Biografia de Ariano Suassuna

Nascido no dia 16 de junho de 1927 em Nossa Senhora das Neves, na Paraíba, onde hoje se localiza João Pessoa, Ariano Vilar Suassuna…


Nascido no dia 16 de junho de 1927 em Nossa Senhora das Neves, na Paraíba, onde hoje se localiza João Pessoa, Ariano Vilar Suassuna é um dos autores nordestinos mais famosos. Filho de Cássia Vilar e João Suassuna, Ariano e sua família saem de sua cidade natal quando ele ainda era um bebê e vão morar no sertão.

Na Revolução de 30 ele perde o pai, o mesmo é assassinado no Rio de Janeiro por motivos políticos, após isso sua mãe e seus se mudam para Taperoá, no interior do estado, onde ficou até 1937. Foi em Taperoá que Suassuna iniciou os estudos e teve a oportunidade de conhecer a cultura da região. Lá assistiu pela primeira vez uma apresentação de mamulengos e uma improvisação de viola.

Biografia de Ariano Suassuna

Foto: Reprodução

Em 1943 se mudou para Recife, estudou no Ginásio Pernambucano e no Colégio Osvaldo Cruz. Nessa época ela ainda não havia entrado na faculdade, porém seus primeiros textos já eram publicados nos jornais da cidade. Em 1946 entrou na Faculdade de Direito, lá conheceu Hermilo Borba Filho, que era um dos líderes dos grupos de jovens escritores e artistas. Foi junto com Hermilio que fundou o Teatro do Estudante de Pernambuco.

Um ano depois ele cria sua primeira peça, Uma Mulher Vestida de Sol. Com esta peça ganhou o prêmio Nicolau Carlos Magno. Mais um ano após, em 1948, cria a peça Cantam as Harpas de Sião. E no ano seguinte, Os Homens de Barro.

Graduação

Em 1950, formou-se em Direito e passou a atuar como advogado, recebeu o prêmio Martins Pena pelo Auto de João da Cruz. Em 1951 ficou doente e para se tratar da doença pulmonar voltou a morar em Taperoá, onde escreveu e montou a peça Torturas de um Coração. Um ano depois Ariano volta a morar em Recife, lá ele dedica-se à advocacia e ao teatro. Em 1953 ele cria O Castigo da Soberba, no ano seguinte O Rico Avarento e em 1955 ele cria O Auto da Compadecida, essa é uma de suas obras mais conhecidas, em 1957 foi encenada pelo Teatro Adolescente do Recife e conquistou a medalha de oura da Associação Brasileira de Críticos Teatrais. Essa peça fez tanto sucesso que foi traduzida e representada em vários países além de ter sido adaptada para o cinema, que foi outro grande sucesso.

No ano de 1956, Ariano abandonou a advocacia e passou a lecionar aulas de Estética na Universidade Federal de Pernambuco. No ano seguinte sua peça O Casamento Suspeitoso foi encenada em São Paulo pela Cia. Sérgio Cardoso. Ainda em 1957, mais precisamente no dia 19 de janeiro, casou-se com Zélia de Andrade Lima, com ela teve seis filhos. A peça O Santo e a Porca também foi encenada este ano pela Cia. Sérgio Cardoso.

Em 1958, foi encenada a peça O Homem da Vaca e o Poder da Fortuna, em 1959 A Pena e a Lei, que foi premiada dez anos depois no Festival Latino-Americano de Teatro. Ainda neste ano, fundou o Teatro Popular do Nordeste, junto a Hermilo Borba filho. Montou a peça A Farsa da Boa Preguiça, em 1960 e A Caseira e a Catarina em 1962. Em 1967 se tornou membro fundador do Conselho Federal de Cultura, permaneceu lá de 1967 a 1973, no ano de 68 fez parte do Conselho Estadual de Cultura de Pernambuco, onde permaneceu até 1972. E em 1969, foi nomeado pelo Reitor Murilo Guimarães, diretor do Departamento de Extensão Cultural da Universidade Federal de Pernambuco, ficando neste cargo até 1974.

Nordeste

Um ano após ser nomeado diretor do Departamento de Extensão Cultural da UFPE, ele inicia o Movimento Armorial, o objetivo desse movimento era valorizar e tornar mais evidente os vários aspectos da cultura do Nordeste brasileiro, desenvolvendo todas as formas de expressão populares da região. Ariano convidou músicos muito conhecidos da época para participar deste movimento e no dia 18 de outubro de 1970, aconteceu um concerto em Recife, Igreja de São Pedro dos Clérigos, “Três Séculos de Música Nordestina – do Barroco ao Armorial” onde os músicos convidados tocaram e ainda neste evento houve uma exposição de gravura, pintura e escultura.

Seus romances

Em 1971 iniciou sua trilogia com o livro O Romance d’A Pedra do Reino e O Príncipe do Sangue que vai-e-volta, o terceiro livro foi lançado em 1976, História d’O Rei Degolado nas Caatingas do Sertão: ao Sol da Onça Caetana. Essa trilogia foi classificada por ele como “romance armorial-popular brasileiro”. Os dois primeiros romances dessa trilogia foram relançados em 2005 e essa segunda edição esgotou completamente em menos de um mês, algo surpreendente, pois este volume possuía quase 800 páginas.

Em 1975 foi nomeado Secretário de Educação e Cultura do Recife, onde permaneceu até 1978. Fez doutorado em História pela UFPE em 1976 onde defendeu a tese de livre-docência A Onça Castanha e a Ilha Brasil: Uma Reflexão sobre a Cultura Brasileira. Foi professor por mais de 30 anos, e neste tempo ensinou Estética e Teoria do Teatro, Literatura Brasileira e História da Cultura Brasileira.

No ano de 1990, Ariano passou a ocupar a cadeira de nº 32 na Academia Brasileira de Letras, três anos depois foi eleito para a cadeira nº 18 da Academia Pernambucana de Letras. Em 1994 ele se aposenta pela UFPE e em seguida se torna Secretário de Assuntos ao Governador de Pernambuco, Eduardo Campos. E em 2000, passou a ocupar a cadeira de nº35 da Academia Paraibana de Letras.

Curiosidade

Ariano construiu em São José do Belmonte, no estado de Pernambuco, local onde ocorre a cavalgada inspirada em seu primeiro romance, um santuário ao ar livre. Este santuário possui 16 esculturas de pedra, com aproximadamente 3,50 metros de altura cada uma, são distribuídas em um círculo, representando o sagrado e o profano. As três primeiras imagens do santuário são Jesus, Nossa Senhora e São José, que é o padroeiro do município.


Reportar erro