,

Biografia de Pitágoras

Filósofo e matemático grego que se destacou pelos conhecimentos que possuía em diversas áreas

Vamos conhecer a biografia de Pitágoras? Filósofo e matemático grego, Pitágoras de Samos viveu entre os séculos 6 e 5 antes de Cristo. A ele é atribuído o desenvolvimento de diversos conceitos envolvendo os números e a criação do teorema de Pitágoras.

No entanto, a história desse homem é envolvida em lendas. Por exemplo, um desses fatos sem explicação afirma uma possível influência divina na sua inteligência. Para saber mais sobre essa importante figura da história este artigo é dedicado à biografia e às descobertas de Pitágoras de Samos.

Portanto, nesse texto você pode descobrir quem foi Pitágoras de Samos e quais foram as contribuições desse matemático para a ciência. Além disso, o Estudo Prático traz mais informações sobre a vida desse famoso pensador. Acompanhe!

Biografia: quem foi Pitágoras?

Pitágoras foi um matemático e filósofo grego que nasceu nasceu no ano de 570 antes de Cristo, na ilha de Samos, localizada no mar Egeu. Ele é tido até os dias de hoje como sendo o principal responsável pela criação da palavra matemática.

Sendo também atribuído a ele a concepção de que essa ciência se baseava em um sistema de pensamento com provas dedutivas.

Imagem da estátua de Pitágoras

Pitágoras era conhecido pelos conhecimentos em matemática e filosofia (Foto: depositphotos)

Durante a juventude, ele estudou matemática, astronomia, música, literatura e filosofia. Segundo historiadores, também fez descobertas importantes a respeito do corpo humano e estas descobertas teriam contribuído profundamente para a medicina da época.

Já na idade adulta, ele teria viajado por diversos países como uma forma de aprimorar os seus conhecimentos. Principalmente a respeito dos números, que eram a sua obsessão e principal área de estudo.

Ainda na fase adulta, fundou a escola Pitagórica, uma espécie de seita onde os alunos discutiam ética, política e matemática. Graças a isso, Pitágoras recebe o título honorífico como sendo o fundador da primeira universidade da história.

Pitágoras dizia que era um observador da natureza e que este era o principal propósito da sua existência terrena. Ao contrário do senso comum, ele era fortemente ligado aos fatores religiosos da época. No entanto, boa parte do que sabemos sobre ele não é considerado verdadeiro ou confiável.

Isso porque o matemático não deixou nenhum conhecimento escrito. Sendo assim, grande parte das informações foram escritas por discípulos dos seus pensamentos, anos depois de sua morte.

Veja também: Saiba tudo sobre Demócrito

Carreira e morte

Ele viveu até os 16 anos na ilha, onde estudou diversas áreas do conhecimento. No entanto, os professores  não conseguiam responder a todas as perguntas de Pitágoras e ficavam impressionados com a inteligência do jovem.

Por isso ele teria sido enviado para a cidade de Mileto, localizada onde hoje fica a Turquia. Lá Pitágoras se tornou discípulo do maior sábio da época, Tales. Esse, por sua vez, era filósofo, matemático, engenheiro e possuía diversos negócios pela região.

Após aprender tudo o que podia, Pitágoras viajou pela Síria, Arábia, Caldeia, Pérsia, Índia e Egito. Nesta última região, teria vivido por mais de duas décadas e chegou a ser considerado um sacerdote local.

As histórias dizem que o filósofo viveu na região para estudar sobre matemática e aprender sobre a construção das famosas pirâmides. Ao sair do Egito, ele teria ido para a região da Babilônia antes de retornar para a ilha onde nasceu.

Um dos desejos de Pitágoras era fundar uma escola de pensamento na região de Samos. No entanto, ele foi expulso do local pelo governante Polícrates, que teria proibido a abertura de escolas e templos durante seu governo.

Por causa disso, o matemático teria se fixado na cidade de Crotona, na Itália. Lá ele fundou a escola Pitagórica, que possuía 300 alunos. Sendo que a maioria deles eram pessoas influentes na sociedade local. Por isso, pessoas da cidade inconformadas minaram a reputação da escola e chegaram a matar diversos discípulos dele.

Logo após esses trágicos acontecimentos, Pitágoras fugiu para a região sul do país e morreu na cidade de Metaponto, em 497 a.C.

O que foi o Pitagorismo?

Pitagorismo foi o nome escolhido para a escola e os pensamentos iniciados por Pitágoras. Inclusive, diversas descobertas a respeito da natureza dos números podem ter sido atribuídas ao filósofo erroneamente. Portanto, acredita-se que elas são de autoria dos discípulos e alunos de Pitágoras e só surgiram anos após a do professor.

No início, a escola servia como ambiente de estudo e discussão sobre os conhecimentos a respeito da política e ética. No entanto, o filósofo ministrava aulas sobre matemática, principalmente sobre conceitos de aritmética e geometria.

Com isso, ele despertou o interesse de vários seguidores que perpetuaram e aprimoraram a sua linha de pensamento. Um deles era de que os números representam a harmonia e a ordem de todo o universo.

Os estudos pitagóricos eram muito ligados aos aspectos religiosos da época. Sendo assim, eles defendiam a ideia de que o ser humano possuía uma alma e que esta seria imortal. Da mesma forma acreditavam em reencarnação e que a alma voltaria para finalizar os estudos inacabados.

Além disso, Pitágoras e os seus discípulos foram responsáveis por realizar a primeira classificação aritmética dos números. Além disso, criaram um esboço do que seria proposto por Copérnico séculos depois, de que a Terra não era o centro do universo.

Isso se deve ao fato de alguns escritos falarem sobre uma ideia pouco comum para a época. A de que a Terra ficava suspensa no espaço, possuía um formato esférico e girava em torno do sol, juntamente com os outros astros. Com isso, foram propostos alguns conceitos básicos sobre a movimentação dos astros, baseados nos movimentos das estrelas.

Os principais pitagóricos da história foram Filolau de Crotona, Arquitas de Tarento, Alcmeão, Melissa e Temistocleia. Sendo esta última a primeira mulher filósofa, matemática e alta profetisa de Delfos.

Veja também: A vida dos Filósofos

O que é o teorema de Pitágoras?

Em primeiro lugar, é preciso saber o que é esse teorema. De maneira básica, ele é um conceito relacionado ao comprimento dos lados de um triângulo. Desde que ele apresente um dos ângulos retos. Ou seja, com uma angulação de 90°.

O enunciado do teorema é o seguinte “a soma dos quadrados de seus catetos corresponde ao quadrado de sua hipotenusa”. Sendo então representado pela fórmula a²=b²+c². A hipotenusa é o nome dado ao maior lado do triângulo, que fica sempre em uma posição oposta ao ângulo reto. Os dois lados restantes são chamados de catetos.

O teorema de Pitágoras é considerado uma das principais descobertas matemáticas. Isso porque, ele também é responsável pela descoberta dos números irracionais e pelo surgimento do conceito de raiz quadrada dos números.

Os números irracionais são os que apresentam infinitas casas decimais, sem repetições e que não podem ser obtidos através da divisão de números inteiros. O primeiro número irracional descoberto foi √2. O número foi descoberto através de um triângulo em que os catetos mediam 1 e revolucionou tudo o que se sabia a respeito da matemática.

Contudo, a aplicação deste conceito não fica restrito apenas à matemática. Ainda hoje o teorema é aplicado nas mais diversas áreas, como a navegação em alto mar e construção. Nesse último, a aplicação é feita para descobrir não só a área dos locais, mas também a quantidade de material que será necessária.

Como ele foi descoberto?

Acredita-se que os termos gerais apresentados no teorema de Pitágoras já eram conhecidos em diversas civilizações antigas. A maioria delas muito antes da existência do filósofo grego.

Desse modo, há registros de que as civilizações babilônica, indiana e chinesa já usavam uma fórmula parecida, para auxiliar na construção. Por exemplo, no Egito há alguns registros de que os construtores usavam uma medida parecida na construção das pirâmides. Sendo essas as principais responsáveis pela formulação do teorema por Pitágoras.

No entanto, o filósofo teria pego o conhecimento e dado a ele formas gerais. Ou seja, elas podiam ser usadas em diversas situações. Além disso, foi na escola pitagórica que a fórmula ganhou outras aplicações, por isso que o teorema teria sido batizado em homenagem ao filósofo.

O que é a música cósmica?

Pitágoras foi considerado o primeiro matemático da história. No entanto, ele também aplicava conceitos relacionados a música. Sendo o primeiro a aplicar a matemática ao estudo das melodias produzidas pelos objetos. Pitágoras dizia que via na música uma maneira de purificar a alma.

Ele também foi o criador dos termos média harmônica e progressão harmônica, que são aplicados na música até hoje. No entanto, ele recebe a atenção por ser o primeiro a inserir a música nos estudos astronômicos.

Sendo assim, ele criou o conceito de músicas das esferas, que ficou conhecido também como música cósmica. Para ele, o movimento dos planetas produzia uma sintonia, que aplicada aos métodos matemáticos mantinha a harmonia no universo.

Contudo, os humanos não podiam ter acesso a esse som. Mesmo assim, ele estava sempre presente e era responsável por manter o movimento das coisas.

Veja também: A matemática e a música

Lendas por trás da história

Muito do que restou a respeito de Pitágoras é rodeado por lendas ou não possui qualquer confirmação histórica. As lendas contadas a respeito dele envolvem, geralmente, os deuses como sendo os responsáveis pela sua grande inteligência.

Uma delas diz que, mesmo antes que ele nascesse, uma sacerdotisa do deus Apolo teria profetizado que ele seria dotado de grande beleza e inteligência. Portanto, seria considerado um dos homens mais sábios de toda a história.

Este seria o motivo pelo nome Pitágoras, que é derivado de Pitonisa, como eram chamadas as sacerdotisas do deus. Por causa dessa profecia, o filósofo foi levado à estudar os mais diversos campos do conhecimento desde muito jovem.

Acredita-se também que muito do que se falava a respeito dele era pela sua grande beleza. Alguns dos seus discípulos chegaram a acreditar que o filósofo e matemático era o próprio deus Apolo.

Outra história curiosa era contada pelo próprio Pitágoras. Segundo alguns documentos, ele falava para os seus alunos que passou 200 anos no inferno como uma forma de preparação para viver entre os humanos. Portanto, as suas palavras nunca deviam ser contestadas.

Alguns afirmam que ele teria se casado com uma de suas alunas e tido duas filhas. Elas teriam sido as responsáveis pela continuidade da divulgação dos pensamentos do pai. No entanto, esse é apenas um dos outros fatos para os quais não há qualquer confirmação histórica.

Sobre o autor

Avatar
Jornalista (MTB-PE: 6770) com formação completa no curso de Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo (UniFavip-DeVry). Experiência prática de dois anos em produção jornalística para TV e rádio.