Groenlândia: mapa, clima e o gelo que nunca derrete

Algumas partes do mundo estão localizadas em regiões nas quais formam-se camadas de gelo, principalmente influenciadas pelas altas latitudes, nas proximidades dos polos terrestres. A Groenlândia é uma dessas regiões. Ela é maior ilha do mundo em dimensões territoriais, caracterizada como nação constituinte autônoma do Reino da Dinamarca.

Ela é também a ilha mais setentrional do globo, na região do Oceano Ártico. Motivo que desperta a curiosidade diante de suas condições de vida uma vez que está localizada em uma das áreas mais frias do globo. Mas também pelas paisagens congeladas que apresenta, pelos icebergs gigantescos e pela belíssima aurora boreal.

CURIOSIDADE! Dentre as massas glaciais, ou corpos congelados, existentes no globo, a Groenlândia ocupa a segunda posição, ficando apenas atrás da Antártida.

Mapa da Groenlândia

A Groenlândia é considerada a maior ilha do mundo, com uma extensão territorial de 2.166.000 km². Ela está situada no Hemisfério Norte do globo, na região do Oceano Ártico, parte mais setentrional(ao norte) do planeta. E apesar de fazer parte da América do Norte, está sob domínio do Reino da Dinamarca, país europeu.

Clima

O clima na região é influenciado pela sua posição geográfica, nas proximidades do Polo Norte terrestre, nas altas latitudes (60º até 90º N).

As áreas de baixa latitude são as mais quentes do globo, pois a incidência de luz solar é mais direta e intensa do que na região dos polos, que ficam nas altas latitudes. Assim, quanto mais próximas são as áreas em relação aos polos, mais rigorosas são as condições climáticas, devido à variação da incidência de luz solar. De modo geral, a Groenlândia possui características de um clima ártico, no entanto, existem variações climáticas em seu território.

Na imagem você vê as latitudes do globo. Quanto mais próximo ao Equador, menores são as latitudes. E quanto mais em direção aos polos, maiores são elas

A porção mais interiorana do território é coberta por gelo permanentemente, o chamado “gelo eterno”, sendo, portanto, bastante frio. No entanto, a porção mais costeira do território apresenta um curto verão com temperaturas mais elevadas, que podem chegar aos 8ºC ou mais. São registradas características de clima frio e úmido na porção mais ao Sul do território, enquanto no Norte o clima é seco e glacial, sendo que quando há precipitação, é em forma de neve.

História

A Groenlândia foi descoberta por vikings (antiga civilização originária da região da Escandinávia, a qual atualmente compreende os territórios da Suécia, da Dinamarca e da Noruega, também conhecidos como povos nórdicos ou normandos) no século X. Quando os vikings chegaram, a ilha estava desabitada, no entanto, ela já havia sido habitada por povos árticos.

Povoado na Groenlândia

Os povoados se situam nas regiões costeiras, onde o clima fica mais ameno no verão (Foto: depositphotos)

Colonização

Apesar da presença dos inuítes, a Dinamarca exigiu a soberania sobre o território da Groenlândia, colonizando-a a partir do século XVIII. Os inuítes são populações esquimós das regiões árticas do Canadá, do Alasca e da Groenlândia.

Durante a Segunda Guerra Mundial, houve uma aproximação da Groenlândia com os Estados Unidos e o Canadá, ambos da América do Norte. Após a guerra, o controle da ilha voltou à Dinamarca, a quem é vinculada até os dias atuais. No entanto, desde 1979, a Groenlândia é autônoma.

Território

Por estar na região do Polo Norte, a Groenlândia é bastante afetada pelas distorções das projeções cartográficas, especialmente em relação ao seu tamanho real.

Pelo “The True Size Of” (https://thetruesize.com) é possível ver seu tamanho conforme as projeções cartográficas, segundo sua posição atual, quando sobreposta em relação aos Estados Unidos e quando projetada na região do Equador. Assim, percebe-se que ela não é tão grande quanto os mapas tradicionais mostram, e que grande parte do seu tamanho é derivado da distorção cartográfica.

Vegetação

A vegetação da Groenlândia é condicionada aos seus aspectos climáticos, principalmente pela presença de gelo em grande parte do território. Assim, o litoral é revestido por vegetação mais expressiva durante os períodos mais quentes do ano, no verão.

A vegetação que é característica da Groenlândia é a Tundra, a qual é composta por espécies rasteiras, como gramíneas. Muitas das espécies que surgem no verão são endêmicas, ou seja, próprias daquela região.

No extremo sul do território a vegetação é mais abundante, mas as florestas que existem em alguns pontos isolados são cultivadas de forma artificial. Na porção Norte, destacam-se os musgos e os arbustos baixos, bem como flores diversas e ervas.

Fauna

Dupla de bois-almiscarados

O boi-almiscarado é um mamífero robusto, com o corpo coberto de pelos, que vive em rebanhos (Foto: depositphotos)

É na época do verão, com o desenvolvimento das plantas, especialmente gramíneas, que a fauna da Groenlândia se torna também mais rica. Vários animais se deslocam para as áreas recobertas por vegetação para se alimentarem, a exemplo do urso e raposa polares, aves, focas, morsas e do boi-almiscarado.

O gelo na Groenlândia

Camada de gelo na Groenlândia

A parte central da ilha é composta pelo “gelo eterno”, não sendo habitada (Foto: depositphotos)

Estima-se que a Groenlândia tenha cerca de 84% do seu território coberto por gelo, boa parte pelo “gelo eterno”, ou seja, que nunca derrete. Outra parte derrete nos períodos mais quentes, dando espaço a vegetação que se desenvolve.

O solo congelado é chamado de “Permafrost”. Também são comuns os icebergs, que são fragmentos das geleiras do território que se desprendem e flutuam sobre o oceano.

Apesar da espessa cobertura de gelo em quase todo território, o aquecimento global tem impactado fazendo que haja o derretimento do gelo de forma mais rápida, bem como o desprendimento de grandes blocos congelados. Isso representa um risco para as populações pois, com o aumento do nível dos oceanos pelo derretimento do gelo, há riscos iminentes de alagamentos e destruição de porção continentais.  

Derretimento

Derretimento de calotas de gelo na Groenlândia

O aquecimento global tem causado o derretimento das calotas glaciais mais rapidamente e em maior quantidade (Foto: depositphotos)

Há muitas discussões sobre o derretimento dos glaciares e das calotas polares da Groenlândia, de modo que vários cientistas afirmam que não haverá um retorno, ou uma recuperação, do gelo que já derreteu neste ambiente.

Naturalmente há uma dinâmica na qual o gelo derrete no verão, por causa da elevação das temperaturas, mas a água volta a congelar-se no inverno, o que equilibraria a existência de gelo no local. No entanto, com o aquecimento das águas dos oceanos, devido ao fenômeno do aquecimento global, há um derretimento maior e mais rápido do que esperado, sendo que não há um novo congelamento no mesmo montante.

Assim, consequentemente o gelo estaria diminuindo ano após ano. O grande problema é que devido às dimensões da cobertura de gelo da Groenlândia, esse derretimento não afetaria apenas o local, mas elevaria o nível dos oceanos, atingindo indiretamente outras partes do globo.

Referências

» CASTRO, Therezinha de. Groenlândia: sua posição no Ártico. Atlas de relações internacionais. Biblioteca do IBGE. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/monografias/GEBIS%20-%20RJ/RBG/RBG%201968%20v30_n4.pdf. Acesso em 21 nov. 2017.

» VESENTINI, José William. Geografia: o mundo em transição. São Paulo: Ática, 2011.

Sobre o autor

Avatar
Mestre em Geografia e Graduada em Geografia pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Especialista em Neuropedagogia pela Faculdade Alfa de Umuarama (FAU) e em Educação Profissional e Tecnológica (São Braz).